EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE MODELOS QUANTITATIVOS

Autores

  • Nelson Guilherme Machado Pinto Universidade Federal de Santa Maria
  • Daniel Arruda Coronel Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.30681/ruc.v6i11.1727

Resumo

O presente estudo tem como objetivo propor modelos de eficiência e de eficácia quantitativos aplicáveis a realidade das pesquisas em administração. O modelo proposto foi dividido em três etapas. A primeira delas consiste em levantar os aspectos iniciais do estudo e o que e em que realidade serão verificados os aspectos de eficiência e eficácia, bem como a necessidade de contextualização desses aspectos dentro da realidade escolhida a ser estudada. A segunda etapa do modelo proposto consiste em escolhas metodológicas relacionadas a eficiência e eficácia, com a determinação de um método de análise específico para cada uma dessas questões. Ademais, a terceira e última etapa do modelo de análise procura verificar as relações existentes entre eficiência e eficácia.

Biografia do Autor

Nelson Guilherme Machado Pinto, Universidade Federal de Santa Maria

Professor Adjunto do Departamento de Administração do Campus de Palmeira das Missões da UFSM

Daniel Arruda Coronel, Universidade Federal de Santa Maria

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas da UFSM

Referências

ASOCIACIÓN ESPAÑOLA DE CONTABILIDAD Y ADMINISTRACIÓN DE EMPRESA – AECA. Indicadores de gestión para lãs entidades públicas. Documento nº 16. Principios de Contabilidad de Gestión, 1997.

BANKER, R. D.; MAINDIRATTA, A. Piecewise loglinear estimation of efficient production surfaces, Management Science, v. 32, n. 1, p. 126-135, 1986.

BANKER, R. D.; MOREY, R. C. Efficiency analysis for exogenously fixed inputs and outputs. Operations Research, v. 34, n. 4, p. 513-521, 1986.

BANKER, R. D.; CHARNES, A.; COOPER, W. W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v. 30, n. 9, p. 1078-1092, 1984.

BASSAB, W. de O.; MIAZAKI, E. S.; ANDRADE, D. F. de. Introdução à Análise de Agrupamentos. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística (ABE), 1990.

BILOSLAVO, R.; BAGNOLI, C.; FIGELJ, R. R. Managing dualities for efficiency and effectivness of organisations. Industrial Management & Data Systems, v. 113, n. 3, p. 423-442, 2013.

BRAGA, T. M.; FREITAS, A. P. G. de; DUARTE, G. de S.; CAREPA-SOUZA, J. Índices de sustentabilidade municipal: o desafio de mensurar. Nova Economia, v. 14, n. 3, p. 11-33, 2004.

BRULON, V.; VIEIRA, M. M. F.; DARBILLY, L. Choque de gestão ou choque de racionalidades? O desempenho da administração pública em questão. Revista Eletrônica de Administração, v. 74, n. 1, p. 1-34, 2013.

CAMERON, K. Measuring Organizational Effectiveness in Institutions of Higher Education. Administrative Science Quarterly, v. 23, n. 4, p. 604-629, 1978.

CHARNES, A.; COOPER, W. W.; RHODES, E. Measuring the efficiency of decision marketing units. European Operattional Research, v. 2, n. 6, p. 429-444, 1978.

COELLI, T. J.; RAO, D. S. P.; O’DONNELL, C. J.; BATTESE, G. E. An introduction to efficiency and productivity analysis. 2.ed. Norwell: Kluwer Academic, 1998.

CONTERATO, M. A.; SCHENEIDER, S.; WAQUIL, P. D. Desenvolvimento rural no Estado do Rio Grande do Sul: uma análise multidimensional de suas desigualdades regionais. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 12, n. 2, p. 163-195, 2007.

FERNANDES, A. Metodologia de avaliação da eficácia organizacional para o Ensino Superior. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 7, n. 1, p. 77-87, 2008.

FIGUEIREDO, D. S. de; MELLO, J. C. C. B. S. de. Índice híbrido de eficácia e eficiência para lojas de varejo. Gestão & Produção, v. 16, n. 2, p. 286-300, 2009.

FRASSON, I. Critérios de eficiência, eficácia e efetividade adotados pelos avaliadores de instituições não-governamentais financiadoras de projetos sociais. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. Quinta edição. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2010.

GUZMÁN, C. A. El Logro del Value for Money en La Gestión Pública: Consideraciones en torno a los indicadores de eficiencia, eficacia y economia. Revista Contabilidade & Finanças – USP, n. 32, p. 99-110, 2003.

GREENE, W. H. Econometric analysis.6 ed. New Jersey: Prentice Hall, 2008.

GRATERON, I. R. G. Auditoria de Gestão: Utilização de Indicadores de Gestão no Setor Público. Cadernos de Estudos, n. 21, p. 1-18, 1999.

HUNT, S. D.; DUHAN, D. F. Competition in the third millennium: Efficiency or effectiveness? Journal of Business Research, v. 55, p. 97-102, 2002.

KAGEYAMA, A. Desenvolvimento Rural: conceito e medida. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 21, n. 3, p. 379-408, 2004.

KAO, C.; CHEN, L-H.; WANG, T-Y.; KUO, S.; HORNG, S-D. Productivity Improvement: Efficiency Approach vs Effectiveness Approach. Omega, v. 23, n. 2, p. 197-204, 1995.

KUMAR, S.; GULATI, R. Measuring efficiency, effectiveness and performance of Indian public sector banks. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 59, n. 1, p. 51-74, 2009.

LINS, M. E.; LOBO, M. S. C.; SILVA, A. C. M.; FISZMAN, R.; RIBEIRO, V. J. P. O uso de Análise Envoltória de Dados (DEA) para avaliação de hospitais universitários brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro v. 12, n. 4, p. 985-998, 2007.

MACIEL, P. J. Finanças públicas no Brasil: uma abordagem orientada para políticas públicas. Revista de Administração Pública, v. 47, n.5, p. 1213-1242, 2013.

MAINARDES, E. W.; ALVES, H.; RAPOSO, M. O desempenho das universidades públicas Portuguesas Segundo seus Alunos: análise de eficiência por meio do Data Envelopment Analysis. Revista de Gestão Universitária na América Latina, Florianópolis, v. 5, n. 1, p. 184-215, 2012.

MARCONI, M. A.; LAKATUS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. Sexta edição. São Paulo: Atlas, 2005.

MARQUES, M. da C. da C. Novos desafios na gestão universitária em Portugal: O papel da contabilidade analítica. Economia Global e Gestão, n. 3, p. 119-136, 2008.

MARTINEZ, R. Q. Indicadores de sustentabilidade: avanços e desafios para a América Latina. In: ROMEIRO, A. R. (Org.). Avaliação e contabilização de impactos ambientais. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2004. p. 252-270.

MATOS, E.; PIRES, D. Teorias Administrativas e Organização do Trabalho: de Taylor aos dias atuais, influências no setor saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, v. 15, n. 3, p. 508-514,2006.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MELO, C. O. de.; PARRÉ, J. L. Índice de desenvolvimento rural dos municípios paranaenses: determinantes e hierarquização. Revista de Economia e Sociologia Rural, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 329-365, 2007.

MIHAIU, D. M.; OPREANA, A.; CRISTESCU, M. P. Efficiency, Effectiveness and Performance of the Public Sector. Romanian Journal of Economic Forecasting, v. 4, p. 132-147, 2010.

MORAN, P.; GHOSHAL, S. Markets, Firms, and the Process of Economic Development. The Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 390-412, 1999.

MOUZAS, S. Efficiency versus effectiveness in business networks. Journal of Business Research, v.59, p. 1124-1132, 2006.

NASCIMENTO, P. T. O sentido objetivo da prática administrativa. Cadernos EBAPE.BR, v. 6, n. 1, p. 1-17, 2008.

NAVEIRA, R. B. Caos e complexidade nas organizações. Revista de Administração Pública, v. 32, n. 5, p. 69-80, 1998.

OZCAN, Y. A. Helath Care Benchmarking and Performance Evaluation: An Assessment Using Data Envelopment Analysis (DEA). 2ª ed. New York: Springer Science + Business Media, 2014.

PHELAN, T. M. The Impacto f Effectiveness and Efficiency on Project Success. In: International Conference on Management of Engineering and Technology, Portland, 2005.

RAHMATI, E.; JALIL, S. H. A. Efficiency and Effectiveness of Marketing of the Hotels in Kuala Lumpur. International Journal of Economics and Management, v. 8, n. 1, p. 195-214, 2014.

SAMPAIO, C. A. C. A construção de um modelo de gestão que promove o desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, v. 2, n. 3, p. 1-12, 2004.

SHAW, E. H. A general theory of systems performance criteria. International Journal of General Systems, v. 38, n. 8, p. 851-869, 2009.

SICHE, R.; AGOSTINHO, F.; ORTEGA, E.; ROMEIRO, A. Índices Versus Indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. X, n. 2, p. 137-148, 2007.

SIMON, H. The Criterion of Efficiency. In: MCKEVITT, D.; LAWTON, A. (Org.). Public Sector Management: Theory, critique & practice. Londres: Sage publication, 1994. p. 37-53.

SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.

TAJEDDINI, K.; ELG, U.; TRUEMAN, M. Efficiency and effectiveness of small retailers: The role of customer and entrepreneurial orientation. Journal of Retailing and Consumer Services, v. 20, p. 453-462, 2013.

TIKHOMIROV, A. A. “The first case of scientific time-study that I ever saw…” G.A. Wentworth1s impact on F.W. Taylor. Journal of Management History, v. 17, n. 4, p. 356-378, 2011.

UHLMANN, G. W. Teoria Geral dos Sistemas: do Atomismo ao Sistemismo. São Paulo: Instituo Slegen, 2002.

WITT, U. Imagination and leadership – The neglected dimension of an evolutionary theory of the firm. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 35, p. 161-177, 1998.

Downloads

Publicado

31/07/2017

Como Citar

Pinto, N. G. M., & Coronel, D. A. (2017). EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE MODELOS QUANTITATIVOS. Revista UNEMAT De Contabilidade, 6(11). https://doi.org/10.30681/ruc.v6i11.1727

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>