IMPACTOS DOS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS PREVISTOS NA LEI DO BEM (LEI Nº 11.196/2005) NOS INDICADORES EBIT, EBITDA E LALUR.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/ruc.v10i20.2821

Resumo

O presente estudo buscou apresentar os possíveis impactos dos principais benefícios previstos na ‘Lei do Bem’ (Lei 11.196/2005) nos indicadores de desempenho EBITDA, EBIT e no montante a ser tributado no Lucro Real por meio de busca na legislação contábil e fiscal as correlações teóricas junto aos benefícios fiscais previstos na Lei do Bem. Como resultado, verificou-se que os benefícios fiscais não são visíveis no EBITDA, ao menos de modo direto. No caso do EBIT, pela sua natureza, é impactado diretamente pelo benefício da depreciação integral e amortização acelerada. No LALUR, a exclusão adicional da base de cálculo pelos dispêndios realizados com mão de obra de pessoal específica na pesquisa e atividades de inovação mostra impacto, podendo, em alguns casos, isentar a entidade do imposto devido.

Referências

Assaf Neto, A. (2002). Estrutura e análise de balanço. 7. ed. São Paulo: Atlas.

____________ (2012) . Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro: comércio e serviços, indústrias, bancos comerciais e múltiplos. Atlas.

Avellar, A. P. M. (2007). Avaliação de políticas de fomento à inovação no Brasil: impacto dos incentivos fiscais e financeiros em 2003. Rio de Janeiro: IE/UFRJ. Tese de doutoramento, sob orientação de David Kupfer.

Brigham, E. F., & Houston, J. F. (1999). Fundamentos da moderna administração financeira. Campus.

Calzolaio, A. E., & Dathein, R. (2012). Políticas fiscais de incentivo à inovação: uma avaliação da Lei do Bem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Da Silva, J. P. (2012). Análise financeira das empresas. 11ed. Editora Atlas SA.

Eastman, K. (1997) EBITDA: an overrated tool for cash flow analysis. Commercial Lending Review, v. 12, n. 5, Spring.

Fabretti, L. C. (2009). Contabilidade tributária (11. ed.). São Paulo: Atlas

Fridson, M. S. (1998). EBITDA is not king. Journal of Financial Statement Analysis, 3, 59-62.

Greenberg, H. (1998). Ebitda: never trust anything that you can’t pronounce. Fortune, New York, (137), 192-194.

Hoji, M. (2004). Administração financeira: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas.

Icó, José Antônio; braga, Rosalva Pinto. (2001) EBITDA: lucro ajustado para fins de avaliação de desempenho operacional. Revista Contabilidade e Informação Conhecimento e Aprendizagem, Unijuí, ano 3, n. 8, jan./mar, p. 39-47

King, A. M. (2001). Warning use of Ebitda may be dangerous to your career. Strategic Finance, 83(3), 35-35.

Link, A. (1996) Fiscal Measures to Promote r&d and Innovation: Trends and Issues. In: ocde. fiscal measures to promote r&d and innovation, OCDE General Distribution.

Lopes, I. F., Beuren, I. M., & Dametto, I. D. R. B. (2015). Evidenciação da aplicação de recursos em pesquisa, desenvolvimento, & inovação e da redução de carga tributária por empresas listadas na BM&F Bovespa. In Anais do Congresso de Contabilidade UFSC.

Martins, E., Miranda, G. J., & Diniz, J. A. (2014). Análise didática das demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas.

Martins, E., Diniz, J. A., & Miranda, G. J. (2012). Análise avançada das demonstrações contábeis: uma abordagem crítica. São Paulo: Atlas.

RIR 99 (2009) - Tributação das Pessoas Jurídicas (Livro 2 - Art. 146 a 619).

Santana, L., & Lima, F. G. (2004). EBITDA: uma análise de correlação com os retornos totais aos acionistas no mercado de capitais brasileiro. In Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e Iniciação Científica, São Paulo, SP. Brasil (Vol. 4).

Savytzky, T. (2008). Análise de balanços: método prático. 5d. Jurua Editora.

Silva, J. Miguel; Rodrigues, Agostinho Inácio. (2006) LALUR – Guia Prático de Escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real 2006. 4. ed. São Paulo, Cenofisco.

Simons, R. (2013). Levers of control: How managers use innovative control systems to drive strategic renewal. Harvard Business Press.

Stumpp, P. M., Marshella, T., Rowan, M., Mccreary, R., & Coppola, M. (2000). Putting EBITDA in perspective: ten critical failings of EBITDA as the principal determinant of cash flow. Moody’s Investor Service–Global Credit Research, New York: Jun.

Vasconcelos, Y. L. (2002) . Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, ano 31, n. 136, p.38-47, jul./ago.

Wernke, R., Junges, I., & Schlickmann, L. (2016). Aplicação comparativa entre EVA e EBITDA: estudo de caso em empresa fabril. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(27), 87-116.

White, G. I.; Sondhi A. C.; Fried, D. (1997) The analysis and use of financial statement. 2nd edition. New York: John Wiley and Sons.

Downloads

Publicado

31/12/2021

Como Citar

Brugnera, T. L. (2021). IMPACTOS DOS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS PREVISTOS NA LEI DO BEM (LEI Nº 11.196/2005) NOS INDICADORES EBIT, EBITDA E LALUR. Revista UNEMAT De Contabilidade, 10(20), 1–14. https://doi.org/10.30681/ruc.v10i20.2821

Edição

Seção

Artigos