NICHOS DE MERCADO PARA PAÍSES EXPORTADORES:

UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA – 2018

Autores

  • Júlia Elisa Flach
  • Andressa Neis
  • DANIEL ARRUDA CORONEL Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas e dos Programas de Pós-Graduação em Administração e em Gestão de Organizações Públicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), diretor da Editora da UFSM; editor associado da Revista Ciência Rural; acadêmico da Academia Santa-Mariense de Letras (ASL); membro do Comitê Assessor da área de Economia e Administração da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), Secretário do Conselho Municipal de Cultura de Santa Maria e parecerista de periódicos internacionais e nacionais. Foi coordenador substituto do Curso de Administração da UFSM (2011-2012); diretor da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (2013-2015). É doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), bacharel em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) (CRA-RS, Registro: 047444) e em Ciências Econômicas pela UFSM (CORECON-RS, Registro: 7811). Suas pesquisas e orientações são na área de Economia Internacional, Administração Pública e Financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Econômica Brasileira; Política Industrial e de Comércio Internacional; Métodos Quantitativos e Projetos de Investimento.
  • Paulo Ricardo Feistel
  • Clailton Ataídes de Freitas

DOI:

https://doi.org/10.30681/ruc.v10i20.5937

Palavras-chave:

Econometria; Exportações; Multivariada; Nichos de Mercado.

Resumo

O artigo tem o intuito de identificar nichos de mercado com base nas exportações de noventa e sete tipos de produtos realizadas pelos vinte e nove países maiores exportadores mundiais no ano de 2018. Para isso, foram empregadas técnicas de análise multivariada, como a análise de clusters e componentes principais, a fim de determinar os grupos de países que tendem a exportar produtos semelhantes, bem como utilizou-se de procedimentos econométricos objetivando compreender as elasticidades das exportações das cestas de produtos perante variáveis econômicas, como o Produto Interno Bruto (PIB) do país e a taxa de câmbio. O Brasil está inserido em um grupo, juntamente com México, Cingapura, Espanha, Índia, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Austrália. Os resultados indicam que as exportações de produtos da indústria básica, primária e química (vestuário, produtos minerais, vegetais e animais e químicos diversos) e da indústria de transformação e do setor primário (produtos têxteis, comestíveis de origem animal e vegetal, meios de transporte e combustíveis) são os principais fatores de diferenciação entre os países. De modo geral, considera-se que economias inseridas em um mesmo grupo apresentam similaridade em sua base exportadora. Assim, sugere-se que acordos comerciais entre economias contidas em um mesmo grupo deveriam considerar que elas apresentam baixa complementaridade e estão em um mesmo nicho de mercado de exportações.

Biografia do Autor

Júlia Elisa Flach

Mestre em Economia e Desenvolvimento pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). E-mail: juliaflach@yahoo.com.br

Andressa Neis

Mestre em Economia e Desenvolvimento pela UFSM. E-mail: neisandressa@gmail.com

DANIEL ARRUDA CORONEL, Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas e dos Programas de Pós-Graduação em Administração e em Gestão de Organizações Públicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), diretor da Editora da UFSM; editor associado da Revista Ciência Rural; acadêmico da Academia Santa-Mariense de Letras (ASL); membro do Comitê Assessor da área de Economia e Administração da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), Secretário do Conselho Municipal de Cultura de Santa Maria e parecerista de periódicos internacionais e nacionais. Foi coordenador substituto do Curso de Administração da UFSM (2011-2012); diretor da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (2013-2015). É doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), bacharel em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) (CRA-RS, Registro: 047444) e em Ciências Econômicas pela UFSM (CORECON-RS, Registro: 7811). Suas pesquisas e orientações são na área de Economia Internacional, Administração Pública e Financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Econômica Brasileira; Política Industrial e de Comércio Internacional; Métodos Quantitativos e Projetos de Investimento.

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas e dos Programas de Pós-Graduação em Administração e em Gestão de Organizações Públicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), diretor da Editora da UFSM; editor associado da Revista Ciência Rural; acadêmico da Academia Santa-Mariense de Letras (ASL); membro do Comitê Assessor da área de Economia e Administração da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), Secretário do Conselho Municipal de Cultura de Santa Maria e parecerista de periódicos internacionais e nacionais. Foi coordenador substituto do Curso de Administração da UFSM (2011-2012); diretor da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (2013-2015). É doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), bacharel em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) (CRA-RS, Registro: 047444) e em Ciências Econômicas pela UFSM (CORECON-RS, Registro: 7811). Suas pesquisas e orientações são na área de Economia Internacional, Administração Pública e Financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Econômica Brasileira; Política Industrial e de Comércio Internacional; Métodos Quantitativos e Projetos de Investimento.

Paulo Ricardo Feistel

Professor Associado do Programa de Pós-Graduação Economia e Desenvolvimento pela UFSM. E-mail: prfeistel@gmail.com

Clailton Ataídes de Freitas

Professor Associado do Programa de Pós-Graduação Economia e Desenvolvimento pela UFSM. E-mail: prfeistel@gmail.com

Referências

AFONSO, M. A. D.; MELÃO, N. F. R., Para uma tipologia socioeconômica da área metropolitana do Porto: uma análise estatística multivariada. Tékhne - Polytechnical Studies

Review, v. 5, n. 8, p. 215-242, 2007.

AMARAL, Felipe S., Comércio internacional, especialização produtiva e competitividade: uma decomposição para o crescimento das exportações brasileiras entre 1995 e 2014, p 98. Dissertação (Mestrado em Economia) - UFRJ. P. 98. Rio de Janeiro, 2016.

ANDRADE, C. M. C., Crédito e crescimento econômico: uma análise da relevância dos tipos de crédito no Brasil. Dissertação (Mestrado em Economia) - UFMG/Cedeplar. Belo Horizonte, 2009.

AUTIO, E. Strategic Entrepreneurial Internationalization: A Normative Framework. Strategic Entrepreneurship Journal, 11(3), 211-227. doi: 10.1002/sej.1261, 2017.

BALASSA, B. Exports and economic growth: further evidence. Journal of Development Economics, v. 5, n. 2, p. 181-189, June 1978

BALASSA, B. Outward orientation. In: CHENERY, H.; SRINIVASAN, T. N. (Ed.). Handbook of Development Economics. Amsterdam: North Holland, 1989. v. 2. cap. 31. p. 1645-1689.

BALBONI, B.; BORTOLUZZI, G. Business Model Adaptation and the Success of New Ventures. Journal of Entrepreneurship, Management And Innovation, 11(1), 119-140.Doi: 10.7341/20151117, 2015.

BRYNJILFSSON, E. Hu Y.; SMITH, M. D. From Niches to Riches: The Anatomy of the Long Tail. Heinz Research. Paper 51, 2006.

CAVALCANTI, M. A. F. H. e RIBEIRO, F. J., As Exportações Brasileiras no período

/96: Desempenho e Determinantes. Texto para Discussão nº 545, Instituto de

Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Fevereiro, 1998.

CALINSKI, T., HARABASZ, J. A dendrite method for cluster analysis. Communications

in Statistics, 3, 1-27. 1974.

CLARK, P., N. TAMIRISA; WEI, S. J. A new look at exchange rate volatility and trade flows. IMF Occasional Paper, n. 235, 2004.

COOPER, A.C.; WILLARD, G.E.; WOO, C.Y. Strategies of high performing new and small firms: a reexamination of the niche concept. Journal of Business Venturing, Vol. 1, No. 3, pp.247–260, 1986.

DEMIL, B.; LECOCQ, X. Business model evolution: In search of dynamic consistency. Long Range Planning, 43(2), 227–246, 2010.

DUDA, R. O.; HART, P. E. Pattern classification and scene analysis. New York: John Wiley & Sons. 2000.

FERRAZ, J.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

FIRME, Vinícius de A. C., VASCONCELOS, Claudio R. F., Identificação de Nichos de Mercado para Países Exportadores: uma Análise Multivariada para o Ano de 2011. Análise Econômica, Porto Alegre, ano 33, n. 64, p. 317-347, set. 2015.

GABRIELSSON, P.; GABRIELSSON, M.; SAPPALA, T. Marketing strategies for foreign expansion of companies originating in small and open economies: the consequences of strategic fit and performance. Journal of International Marketing, Vol. 20, No. 2, pp.25–48, 2012.

GREENE, W. H. Econometric analysis.6 ed. New Jersey: Prentice Hall, 2008.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. 3.ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

HAIR, Joseph F., et al. Análise Multivariada de Dados. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HIDALGO, A. B.; MATA, D. Produtividade e desempenho exportador das firmas na indústria de transformação brasileira. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 709-735, out./dez. 2009.

HOOLEY, Graham J.; SAUNDERS, John A.; PIERCY, Nigel F. Estratégia de marketing e posicionamento competitivo. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2001.

JARQUE, C. M.; BERA, A. K. A test for normality of observations and regression

residuals. Int. Stat. Rev., Woodbury, v.55, p.163-172, 1987.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W., Applied multivariate statistical analysis. New Jersey: Prentice-Hall, 2002.

KAGEYAMA A.; LEONE. E. T. Uma tipologia dos municípios paulistas com base em indicadores sociodemográficos. Textos para discussão, n. 66. Campinas, jan. 1999.

KNIGHT, G.; CAVUSGIL, S. T. Innovation, Organizational Capabilities, and the Born-Global Firm, 35(2), 124–141, 2004.

LAANTI, R.; GABRIELSSON, M.; GABRIELSSON, P. The globalization strategies of business-tobusiness born global firms in the wireless technology industry. Industrial Marketing Management, v 36, n. 8, p.1104–1117, 2007.

LIMA, João E. de, Curso de Análise Estatística Multivariada. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2011.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma

abordagem aplicada. UFMG, Belo Horizonte, 2007.

MINTZBERG, H. et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

NORTH, D., Teoria de localização e crescimento econômico regional. Economia regional: textos selecionados. Belo Horizonte: Cedeplar, 1977.

PFEIFFER, D. Disparidades de desenvolvimento no Brasil – um exemplo da análise de cluster. Revista Brasileira de Estatística. Rio de Janeiro, 41(164): 559-576, out./dez 1980.

PLATA, L.A.E.; SPAROVEK, G.; REYDON, B.P.; GOLDSZMIDT, R.G.B.; MAULE, R. Metodología para determinar mercados de terra rural específicos: o caso do Maranhão. XLVII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural, Ribeirão Preto, 2005.

PORTER, M., The structure within industries and companies performance. The Review of

Economics and Statistics, v. 61, n. 2, p. 214-217, maio de 1979.

PORTER, M.E. Competitive Strategy, The Free Press: New York, NY, 1980.

PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. 9. ed., Rio de Janeiro: Campus, 1989.

SACHS, Jeffrey. Um novo mapa do mundo. Gazeta Mercantil. São Paulo: Editora Jornalística Gazeta Mercantil, 2000.

SAKAGAMI, C. A. M. Estratégias de Internacionalização de Empresas. Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo, 2012.

SOUZA, N. J., Exportações e crescimento econômico do RS - 1951-2011. Revista Ensaios FEE. Porto Alegre, v. 23, n. esp., 2002.

WORLD BANK DATA. GDP current US$. Disponível em: <https://databank.worldbank.org/indicator/NY.GDP.MKTP.CD/1ff4a498/Popular-Indicators>. Acesso em: 17 out. 2019.

WORLD TRADE ORGANIZATION (Org.). World Trade Report. 2018. Disponível em: <https://www.wto.org/english/res_e/reser_e/wtr_e.htm>. Acesso em: 02 out. 2019.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à Econometria. Sao Paulo. Cengage Leraning. 4o edicao, 2010.

ZUCHELLA, A.; HAGEN, B.; DENICOLAI, S.; MASUCCI, M. Early and accelerated internationalisation: the role of the niche strategy in a new generation of exporters. Int. J. Export Marketing, v 1, n. 1, p.27–47, 2016.

Downloads

Publicado

31/12/2021

Como Citar

Flach, J. E. ., Neis, A., CORONEL, D. A., Feistel, P. R. ., & Freitas, C. A. de . (2021). NICHOS DE MERCADO PARA PAÍSES EXPORTADORES: : UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA – 2018. Revista UNEMAT De Contabilidade, 10(20), 165–187. https://doi.org/10.30681/ruc.v10i20.5937

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>