SENTIDOS E RESISTÊNCIA: UMA ANÁLISE ENUNCIATIVA DE “MULHER” NO MOVIMENTO MARCHA DAS VADIAS/RESISTANCE AND MEANINGS: AN ENUNCIATIVE ANALYSIS OF “WOMAN” IN THE “MARCHA DAS VADIAS” MOVEMENT

Autores

  • Carolina de Paula Machado Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
  • Rosimar Regina Rodrigues de Oliveira Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Palavras-chave:

Mulher. Designação. Argumentação. Acontecimento enunciativo. Marcha das vadias.

Resumo

Em contraposição ao discurso machista, surge, em 2011, o movimento SlutWalk no Canadá. O movimento passa a acontecer em diversas partes do mundo inclusive no Brasil onde o nome ganha, dentre as diversas traduções, a tradução Marcha das Vadias. Diante da ressignificação de nomes pejorativos como forma de resistência no movimento, analisaremos o que significa a palavra mulher em um enunciado que circulou no movimento no Brasil: Nem santa, nem puta: Mulher!. Tomamos como referencial teórico e analítico a teoria da Semântica do Acontecimento buscando compreender tanto o que designa a palavra como seu funcionamento argumentativo no enunciado em questão.

Biografia do Autor

Carolina de Paula Machado, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Professora Adjunta do Departamento de Letras e Professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCAR; Coordena a Unidade de Estudos Históricos, Políticos e Sociais da Linguagem.

Rosimar Regina Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Professora Adjunta da Faculdade de Estudos da Linguagem, do Instituto de Linguística Letras e Artes, da UNIFESSPA.

Referências

DUCROT, Oswald. As escalas argumentativas. In: DUCROT, O. Provar e dizer: leis lógicas e leis argumentativas. São Paulo: Global Editores, 1981. 178-228pp.

_____. In O dizer e o dito. Trad. Eduardo Guimarães. Campinas, SP, Pontes, 1987. 161-222 pp.

_____. Argumentação e “Topoi” argumentativos. (in.) GUIMARÃES, Eduardo (org.). História e Sentido na linguagem. 2.ed. Campinas, SP: Editora RG, 2008.

GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2002.

_____. Bairro: a especificidade de um nome abstrato. (in) MORELLO, Rosângela (org.) Giros na Cidades: saber urbano e linguagem. Campinas, SP: LABEURB/NUDECRI - UNICAMP, 2004.

_____. Civilização na Linguística brasileira no século XX. In: Matraga. Rio de Janeiro: UERJ, 2004a.

_____. Domínio Semântico de Determinação (in.) GUIMARÃES, Eduardo e MOLLICA, Maria Cecília (orgs.). A palavra forma e sentido. Campinas: Pontes Editores, RG Editores, 2007.

_____. Análise de texto: procedimentos, análises, ensino. Campinas, Editora RG, 2011.

_____. Semântica: enunciação e sentido. Campinas: Pontes Editores, 2018.

ORLANDI, Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2000.

_____. Do fato para o Acontecimento (da diferença à resistência). In: Eu, tu, ele: discurso e real da história. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

Imagem apresentada acima disponível em: “Marcha das vadias”. http://www.marchadasvadias.org/categoria/noticias/ Acesso em: 20 Mar. 2014.

Downloads

Publicado

30/06/2022

Como Citar

Machado, C. de P. ., & Oliveira, R. R. R. de . (2022). SENTIDOS E RESISTÊNCIA: UMA ANÁLISE ENUNCIATIVA DE “MULHER” NO MOVIMENTO MARCHA DAS VADIAS/RESISTANCE AND MEANINGS: AN ENUNCIATIVE ANALYSIS OF “WOMAN” IN THE “MARCHA DAS VADIAS” MOVEMENT. Revista ECOS, 32(01), 129–144. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/6385

Edição

Seção

LINGUÍSTICA