A LÍNGUA AFIADA DA AURÉLIA/LA LANGUE ACÉRÉE D’AURÉLIA

Autores

  • Sheila Elias de Oliveira Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Palavras-chave:

Lexicografia crítica. Falantes-lexicógrafos. Saber linguístico.

Resumo

Estabelecendo um diálogo entre estudos da enunciação, discurso e história das ideias linguísticas, este artigo apresenta uma reflexão sobre os saberes da Aurélia, a dicionária da língua afiada, obra publicada em 2006. Tendo como base a tipologia proposta por Paveau (2018) para caracterizar sujeitos não-linguistas produtores de saberes linguísticos, definindo um valor decrescente de “detenção de um saber linguístico”, Elias de Oliveira localiza os autores da Aurélia em um lugar próprio, que se situa entre o de “cientista não-linguista” (como os historiadores que trabalham com linguagem) e o dos “falantes engajados, militantes ou apaixonados” “centrados na descrição e na intervenção”. O gesto de intervenção da Aurélia no imaginário social sobre a língua, o dicionário e os sujeitos falantes a inscreve no que a autora propõe chamar de lexicografia crítica.

Biografia do Autor

Sheila Elias de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Professora doutora da UNICAMP.

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992.

BORBA, F.S. Dicionário de usos do português do Brasil. São Paulo: Ática, 2002.

CARVALHO, L. de. Reflexão sobre a gramatização do espanhol no Brasil: o mundo do trabalho. REVERTE, 2015, n.13, p.22-29.

COLLINOT, A. e MAZIÈRE, F. Un prêt à parler : le dictionnaire. Paris : PUF, 1997.

ELIAS DE OLIVEIRA, S. O Dicionário inFormal e a relação do falante com a língua. Revista da Anpoll nº37, Florianópolis, Jul./Dez. 2014, p.262-272.

ELIAS DE OLIVEIRA, S. O ‘Dicionário inFormal’ na gramatização do português do Brasil. In: RODRIGUES DE OLIVEIRA, R. R.; ELIAS DE OLIVEIRA, S.; RODRIGUES, M.L.; KARIM, T. M. (orgs.) Linguagem e significação: práticas sociais. Campinas: Pontes, 2018, vol.2, p.299-318.

FARIAS DE MOURA, J.R. Da sombra às cores: análise discursiva do dicionário LGBTs Aurélia. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018, 147 pp.

FERREIRA, A.B.de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

GUIMARÃES, E. (2002). Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, s.d.

HOUAISS, A. & VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

MEDEIROS, V. Cartografias das línguas: glossários para livros de literatura. Alfa, São Paulo, 60 (1), 2016, p.79-93.

NARANJO, J. Casa das estrelas: o universo contado pelas crianças. Tradução: Carla Branco. Rio de Janeiro: Foz, 2013.

ORLANDI, E.P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. São Paulo: Vozes, 1996.

PAVEAU, M.-A. Não linguistas fazem linguística? Uma abordagem antieliminativa das ideias populares. Policromias, dez. 2018, Ano III, p.21-45.

PEDROSA, C., KLINGER, D., WOLFF, J., CÁMARA, M. (orgs.) Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

PETRI, V. Gramatização das línguas e instrumentos linguísticos: a especificidade do dicionário regionalista. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, 29, jan.-jul. 2012, p.23-37.

RÉGIS BARROSO, R. Pajubá: o código linguístico da comunidade LGBT. Dissertação de mestrado. Universidade do Estado do Amazonas, 2017,152 pp.

SOBRINHO, J.S.S. Museu da língua portuguesa: instrumento linguístico em tempos da ideologia do lazer. Letras, Santa Maria, v.23, nº 46, jan.-jul.2013, p.307-315.

VIP, A. & LIBI, F. Aurélia, a dicionária da língua afiada. São Paulo: Editora da Bispa, 2006.

Downloads

Publicado

30/06/2022

Como Citar

Oliveira, S. E. de . (2022). A LÍNGUA AFIADA DA AURÉLIA/LA LANGUE ACÉRÉE D’AURÉLIA. Revista ECOS, 32(01), 211–226. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/6390

Edição

Seção

LINGUÍSTICA