AS MARCAS DO GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UMA QUESTÃO DE BOM LÉXICO

Autores

  • Edson Roberto Garcia Doutor em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, câmpus de São José do Rio Preto-SP. Professor do Centro Universitário de Votuporanga-UNIFEV. e supervisor do Programa PARFOR (UNIFEV).
  • Eduardo César Catanozi Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, câmpus de São José do Rio Preto-SP. Professor do Centro Universitário de Votuporanga-UNIFEV. e coordenador do Programa PIBID (UNIFEV)

Resumo

O objetivo do presente estudo é verificar a relação entre léxico, cultura e gênero social. A partir dessa investigação, intenciona-se averiguar a influência do léxico na construção de textos publicitários voltados ao público masculino. Nosso ponto de partida foi o pressuposto de que há uma constituição incessante de unidades lexicais em todo estado de língua, causada por dois fatores principais: necessidade comunicativa e imperativo de nomear objetos e atitudes. Entendemos que essa formação lexical é baseada nos aspectos culturais, compreendidos como as diversas formas de viver de uma determinada sociedade, ou de um determinado grupo. Podemos notar, dessa maneira, que a cultura é uma entidade dinâmica e, portanto, o léxico é um importante meio pelo qual podemos perceber as possíveis diferenças de cunho social, como, por exemplo, aquelas demonstradas em pesquisas sociológicas e sociolinguísticas que tendem a apontar, ainda hoje, uma visível distinção entre os sexos. Nesse contexto, acreditamos que a publicidade, integrante dessas proposições culturais, escolha criteriosamente seu público-alvo no intuito de obter sucesso em suas campanhas. Tendo em vista sua preocupação na elaboração de uma mensagem, supomos que tais filtros sejam diferentes para homens e mulheres.

Referências

BLEICHMAR, S. Paradojas de la sexualidad masculina. Buenos Aires:

Paidós, 2009.

BIDERMAN, M.T.C. O léxico, testemunha de uma cultura. In: XIX

Congreso Internacional de Linguística e Filoloxía Românicas, 1989,

Santiago de Compostela. Actas do XIX Congreso Internacional de

Linguística e Filoloxía Românicas. A Coruna, 1992.

CARVALHO, N. Publicidade: a linguagem da sedução. 3. ed. São Paulo:

Ática: 2001

CARVALHO, N. Empréstimo lingüístico e identidade cultural. In: ALVES,

I. M. et al (Orgs.). Os estudos lexicais em diferente perspectivas [recurso eletrônico]. São Paulo: FFLCH/USP, 2009. p. 73-80. Disponível em: http://uspbr.academia.edu/MariaLimaHernandes/Papers/798739/ANALISE_DO_LE XICO_NA_PERSPECTIVA_FUNCIONALISTA. Acesso em 15 agosto de 2010.

CASTAÑEDA, M. O machismo invisível. Tradução de Lara Christina de

Malimpensa. São Paulo: a Girafa, 2006.

COATES, J. Mujeres, hombres y lenguaje: um acercamiento

sociolingüístico a las diferencias de gênero. Tradução de Gonzalo Celorio

Morayta. México: FCE, 2009.

COULTHARD, M. Linguagem e sexo. São Paulo: Ática, 2001.

COSERIU, E. El hombre y su lenguaje. Madri: Editorial Gredos, S.A.,

ECKERT, P.; MCCONNELL-GINET, S. Comunidades de práticas: lugar

onde co-habitam linguagem, gênero e poder. In: OSTERMANN, A. C.;

FONTANA, B. et al (Orgs.). Linguagem, gênero, sexualidade: clássicos

traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. p. 93-108.

FISHMAN, P. O trabalho que as mulheres realizam nas interações. In:

OSTERMANN, A. C.; FONTANA, B. et al (Orgs.). Linguagem, gênero,sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. p.

-48.

GHILARDI-LUCENA, M. I. Discurso e gênero: uma questão de identidade.

In: GHILARDI-LUCENA, M. I.; OLIVEIRA, F. de. (Orgs.).

Representações do masculino: mídia, literatura e sociedade. Campinas:

Alínea, 2008. p. 13-20.

GOMES, R. Sexualidade masculina, gênero e saúde. Rio de Janeiro:

FIOCRUZ, 2008.

HOFF, T.; GABRIELLI, L. Redação publicitária. Para cursos de

comunicação, publicidade e propaganda. Rio de Janeiro, Elsevier, 2004.

JAGGAR, A. M.; BORDO, S. R. Gênero, corpo, conhecimento. Tradução

de Britta Lemos de Freitas. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1997.

KORIN, D. Nuevas perspectivas de género em salud. Revista adolescência

Latinoamericana, 2 (2), 67-69, 2001.

LAKOFF, R. Linguagem e lugar da mulher. In: OSTERMANN, A. C.;

FONTANA, B. et al (Orgs.). Linguagem, gênero, sexualidade: clássicos

traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. p. 13-30.

LIPOVETSKY, G. Sedução. Publicidade e pós-modernidade. Famecos:

Porto Alegre, nº 12, junho, p. 7-13, 2000.

SAFFIOTI, H. I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

(Coleção polêmica).

VILELA. M. Léxico e gramática. Coimbra: Almedina, 1995.

Downloads

Publicado

07/07/2015

Como Citar

Garcia, E. R., & Catanozi, E. C. (2015). AS MARCAS DO GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UMA QUESTÃO DE BOM LÉXICO. Revista ECOS, 15(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/640