FORMAÇÃO CRÍTICO-REFLEXIVA DE UMA EDUCADORA DE ESCOLA PÚBLICA: ENTRE O PENSAR E O FAZER

Autores

  • Norma Gisele Mattos Mestre em Estudos de Linguagem pela UFMT. Professora de Língua Inglesa e respectivas Literaturas da Universidade do Estado de Mato Grosso ( UNEMAT).
  • Solange Maria Barros Professora Colaboradora do Programa de Mestrado em Estudos de Linguagem da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Doutora em Linguística Aplicada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP (2005). Pós-doutorado no Instituo de Educação (IOE) da Universidade de Londres, sob supervisão de Roy Bhaskar, com apoio financeiro da CAPES (2012-2013)

Resumo

Este artigo tem com objetivo mostrar os resultados finais de uma pesquisa cujo objetivo foi verificar se a prática discursiva de uma professora de inglês de escola pública, estaria em consonância com sua prática docente, haja vista o seu engajamento em grupos de estudos e projetos sociais na escola. A pesquisa é de cunho interpretativista. A geração de dados foi feita através de gravações de conversas informais e de interação em sala de aula. Para a análise de dados foram utilizadas as bases teóricas da Análise de Discurso Crítica (FAIRCLOUGH, 2003).

Referências

ALARCÃO, Isabel (Org) et al. Formação reflexiva de professores:

estratégia de supervisão.Portugal: Porto Editora, 1996.

ASSIS-PETERSON, Ana Antônia; COX, Maria Inês P. Inglês em tempos

de globalização: para além de bem e mal. Calidoscópio, vol. 5, n. 1, 2007, p. 5 14.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed.

SãoPaulo: Ed. Hucitec, 2000.

BARROS, S. M. de. Formação crítica do educador de línguas: por uma

política emancipatória e de transformação social. In: BARROS, Solange

Maria de; ASSIS-PETERSON, Ana Antonia. (Orgs). Formação crítica de

professores de línguas: Desejos e Possibilidades. São Paulo: Pedro & João Editores, 2010, p. 17-25.

BHASKAR, R. The possibility of Naturalism: a philosophical critique of

the contemporary Human Sciences. Hemel Hempstead : Harvester

Wheatsheaf, 1989.

__________ Societies. In: M.Archer et al. (orgs.) Critical Realism,

Essential Readings, London; New York: Routledge, 1998, p. 206- 257.

__________Philosophy and scientific realism. In: M.Archer et al. (orgs.)

Critical Realism,Essential Readings, London; New York: Routledge, 1998b,

p. 16-47.

__________The logic of scientific discovery. In: M.Archer et al. (orgs.)

Critical Realism,Essential Readings, London; New York: Routledge, 1998c,

pp. 48-103.

__________. Societies. In: M.Archer et al. (orgs.) Critical Realism,

Essential Readings, London; New York: Routledge, 1998d pp. 206-57.

__________ Reflections on Meta-Reality: A Philosophy for the Present,

New Delhi: Sage, 2002.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto:

Porto Editora,

CHOULIARAK, L. e N. FAIRCLOUGH. . Discourse in Late Modernity:

Rethinking Critical Discourse Analysis. Edimburgo: Edinburgh University

Press, 1999.

CONTRERAS, J. A Autonomia de Professores. São Paulo, Cortez, 2002.

DEWEY, J. Como pensamos. v.1. São Paulo: Companhia Editora

Nacional.1959.

FAIRCLOUGH, Norman. Language and power. 1st. ed. London, 1989.

__________Discurso e mudança social. 1. ed. Brasília: Editora

Universidade de Brasília, 2001.

__________ Analysing discourse: textual analysis for social research.

st. ed. London: Routledge, 2003.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos.

Tradução de Claudia Schilling, Buenos Aires: Tierra Nueva, 1976.

__________ Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

__________ Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1996.

__________ Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia

do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GÓMEZ, Angel P. O pensamento prático do professor – A formação do

professor comoprofissional reflexivo. In: NÓVOA, António (coord.). Os

professores e a sua formação. 1.ed. Publicações Dom Quixote: Lisboa,

p. 93-114.

LIBÂNEO, José Carlos. O tema da reflexividade na formação de

professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro. In:

PIMENTA, Selma G. ; GHEDIN, Evandro (Orgs.) Professor Reflexivo no

Brasil. 5. ed. Cortez Editora- SP p. 53 a 80. 2002.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. In:

NÓVOA. A. (coord.). Os professores e a sua formação. 1. ed. Publicações Dom Quixote: Lisboa, 1992. p.15-33.

__________Dize-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa. In:

Fazenda, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do

conhecimento, 2ª edição, Campinas: Papirus,1997, p. 29-41

PAPA, Solange Maria de B. I. O professor reflexivo em processo de

mudança na sala de aula de língua estrangeira: caminhos para a (auto)

emancipação e transformação social. Tese de doutorado. Programa de Pósgraduação em Lingüística Aplicada e Estudos de Linguagem, LAEL -

PUC/SP, 2005.

__________ Prática Pedagógica Emancipatória: O professor reflexivo em

processo de mudança. Pedro e João Editores. São Carlos-SP, 2008.116

PENNYCOOK, Alastair. The Cultural Politics of English as an International

Language. London and New York: Longman, 1994. .

PERRENOUD, Philippe. Formar professores em contextos sociais em

mudança: prática reflexiva e participação crítica. In: REUNIÃO ANUAL

DA ANPEd, 22, 1999, Caxambu. Anais... Caxambu, ANPEd, 1999.

__________. A Prática Reflexiva no Ofício de Professor:

Profissionalização e razão pedagógicas. Porto Alegre : Artmed Editora,

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In:

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil:

gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

______________ Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu

significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e

Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, 2005. p. 521-539.

RESENDE, Viviane M. e RAMALHO, Viviane. Análise do discurso

crítica. 1. ed. São Paulo: contexto, 2006.

SCHÖN, D.A. Educating the Reflective Practitioner, San Francisco:

Jossey-Bass, 1983.

__________. Formar professores como profissionais reflexivos. In:

NÓVOA, António (coord.). Os professores e a sua formação. 1. ed.

Publicações Dom Quixote: Lisboa, 1992.p.77-92.

ZEICHNER, Kenneth. M. A formação reflexiva de professores: idéias e

práticas. Lisboa: Educa. 1993.

Downloads

Publicado

07/07/2015

Como Citar

Mattos, N. G., & Barros, S. M. (2015). FORMAÇÃO CRÍTICO-REFLEXIVA DE UMA EDUCADORA DE ESCOLA PÚBLICA: ENTRE O PENSAR E O FAZER. Revista ECOS, 15(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/642