UMA CONVERSA SOBRE AS ATITUDES LINGUÍSTICAS DE ESTUDANTES INDÍGENAS DE PARINTINS: LÍNGUA, NARRATIVAS ORAIS E CULTURA/A DISCUSSION ABOUT THE LINGUISTIC ATTITUDES OF INDIGENOUS STUDENTS FROM PARINTINS: LANGUAGE, ORAL NARRATIVES AND CULTURE

Autores

Palavras-chave:

Atitudes Linguísticas. Línguas em Contato. Narrativas Orais. Indígenas.

Resumo

Este trabalho objetiva-se a relatar as atitudes linguísticas de quatro estudantes indígenas no município de Parintins Amazonas. Trata-se de uma abordagem qualitativa, cujos métodos se pautam nas pesquisas descritiva e narrativa. Por meio de transcrição, elencamos discursos que correspondem a cada um dos colaboradores participantes. Como fio condutor, dispomos dos postulados da Sociolinguística sob a perspectiva dos estudos das Línguas em Contato (Calvet, 2002), e também, de Atitudes Linguísticas (Lambert, 1975), estabelecendo diálogo transdisciplinares com a Linguística Aplicada. Seguindo esse percurso teórico-metodológico, chegamos aos resultados que nos mostraram atitudes positivas dos indígenas em relação as suas próprias línguas e em algumas atitudes negativas em relação ao português em diferentes tipos de contexto, uma vez que a língua portuguesa escrita difere da língua brasileira que falamos.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Sanny Kellen Anjos Cavalcante Canuto, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

    Doutoranda em Linguística (UNEMAT). Mestre em Linguística (UNEMAT). Graduada em Letras (UEA). Especialista em Linguística Aplicada na Educação (Faculdade Única). Participou do Programa de Iniciação Científica (PAIC), (2014 -2016), e do Programa de Monitoria (PROGRAD) de 2016-2017. Possui experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Infantojuvenil, Linguística, Linguística Aplicada e Pragmática. Atualmente, o interesse de pesquisa recai sobre posicionamentos negros e quilombolas em ambientes digitais, identidades quilombolas, ações afirmativas e populações consideradas marginalizadas. É integrante o Grupo de Pesquisa CNPq: Linguagem, Tecnologia e Contemporaneidade em Linguística Aplicada (LINTECLA).

  • Edinelza Macedo Ribeiro, Universidade do Estado do Amazonas - UEA

    Doutora em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (CDS-UnB), licenciada em Letras e mestre em Administração Profissional pela Universidade Potiguar (Natal-RN). Atualmente é professora Associada na Universidade do Estado do Amazonas (CESP-UEA). É vice-líder do grupo de pesquisa Rede de Estudos do Desenvolvimento do Território e Sustentabilidade da Amazônia com linha de pesquisa em linguagem, turismo e cenários Amazônicos.

Referências

AGUILERA. V; BUSSE. S. Contato Linguístico e Bilinguísmo: algumas reflexões para o estudo do fenômeno da variação linguística. Línguas e Letras. v. 9. n. 16. Londrina, 2008.

ALKMIM, T, M. Sociolinguística. Parte I. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana Cristina. Introdução à linguística: domínios e fronteiras, v.1, 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2006. p.21-47.

BAGNO, M. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 49ª. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro, Parábola, São Paulo 2011.

BAGNO, M. Português ou Brasileiro? (um convite à pesquisa). Parábola Editorial. São Paulo: 2001).

Veira Braga, A. C.; Feitosa, F. D.; Adão, J. M.., & Costa Melo, L. (2021). Pandemia e escolarização indígena: o enfrentamento da evasão escolar indígena pós-pandemia com o apoio da educação mediada pelas tecnologias. Em Rede - Revista De Educação a Distância, 8(1). https://doi.org/10.53628/emrede.v8.1.692. Acesso em 22 Jul 2022.

CALVET, L, J. Sociolinguística: uma visão crítica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

CANUTO, S. A. C. Aquilombamento Digital nas Práticas Sociais e de Linguagem em uma Página de Mulheres Quilombolas no Facebook: posicionamentos, identidades e complexidade. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Linguística) Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT. Orientação de Valdir Silva. Cáceres, 2022.

CERVO. A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 5. Ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

FROSI, V. M.; FAGGION, C. M.; DAL CORNO, G. O. M. Estigma: cultura e atitudes

linguísticas. Caxias do Sul: EDUCS, 2010.

HEYE, J. Línguas em contato: considerações sobre bilinguismo e bilingualidade. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. Português Brasileiro: contato lingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003.

LAMBERT, William W.; LAMBERT, Wallace. E. Psicologia social. Rio de Janeiro:

Zahar, 1975.

LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I.(orgs). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, pp. 41-73.

MARIANI, B. Políticas De Colonização Lingüística. Letras, 2003.

MELO, G. C. A língua do Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1981.

MOITA LOPES; L, P. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. 1 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, pp. 13-42.

MOITA LOPES, L. P. Afinal, o que é Linguística Aplicada? In: FREITAS. A.C.; SILVA, M. A. C. M. B. Oficina de Linguística Aplicada. Campinas: Mercado das Letras: 1996.

ORLANDI, E. Língua e Conhecimento Lingüístico. Para Uma História das Ideias no Brasil. São Paulo, Cortez, 2002.

PAIVA, V. L. M. de O. e. Manual de Pesquisa em Estudos Linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

ORLANDI, E. A língua brasileira. Cienc. Cult. [online]. 2005, vol.57, n.2, pp.29-30. Disponível em: https://bit.ly/3cGKRD3. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. OS INDÍGENAS NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010. IBGE. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3R4Zhfl. Acesso em: 20 jun. 2022.

SILVA. H. C.; AGUILERA. V. A. O Poder de uma Diferença: um estudo sobre crenças e atitudes linguísticas. Alfa, rev. linguista. (São José Rio Preto). Vol. 58(3), pp.703-723. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-5794-1409-8. Acesso em 15 jun. 2022.

SILVA NETO, Serafim da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Presença, 1977.

TARALLO, F.; ALKMIN, T. Falares crioulos: línguas em contato. São Paulo: Ática, 1987.

TAVARES, E. C. O Bilinguísmo Dos Jovens Indígenas Da Etnia Sateré-Mawé E A Recepção Do Ensino Aprendizagem Da Língua Portuguesa No Ensino Médio Em Uma Escola Da Rede Estadual Na Cidade De Parintins/Am. Monografia (Licenciatura em Letras). Orientação de Edinelza Macedo Ribeiro. Universidade do Estado do Amazonas – UEA. Parintins, 2017.

TAVARES, E. C. Sociolinguística - Desvelando o Preconceito Linguístico: os jovens Sateré-Mawé “sem-língua”. Dissertação (Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia). Sob a orientação de Artemis de Araújo Soares. Universidade Federal do Amazonas – UFAM. Manaus, 2021.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Edição

Seção

LINGUÍSTICA

Como Citar

UMA CONVERSA SOBRE AS ATITUDES LINGUÍSTICAS DE ESTUDANTES INDÍGENAS DE PARINTINS: LÍNGUA, NARRATIVAS ORAIS E CULTURA/A DISCUSSION ABOUT THE LINGUISTIC ATTITUDES OF INDIGENOUS STUDENTS FROM PARINTINS: LANGUAGE, ORAL NARRATIVES AND CULTURE. (2023). Revista ECOS, 34(1), 233-255. https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/6525

Artigos Semelhantes

1-10 de 339

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.