LUZ E SOMBRAS, DE FELICIANO GALDINO DE BARROS: O FENÔMENO LITERÁRIO E A DIALÉTICA DA REALIDADE

Autores

  • Bruna Marcelo Freitas Mestrado em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT
  • Dante Gatto Docente do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários (mestrado) – UNEMAT.

Resumo

Tomando como suporte o pensamento de Aristóteles no que se refere à Poética (mimeses e verossimilhança), a concepção de arte para o marxismo e a forma do romance de George Lukács, a posição do narrador, conforme identificada por Adorno, a argumentação da dinâmica da criação de personagens de Forster e, por fim, a idéia de discurso no romance de Mikhail Bakhtin refletimos o fenômeno literário constituído pela peça Luz e sombras, de Feliciano Galdino de Matos. Recuperar a unidade perdida, talvez tenha sido este o anseio do autor. No entanto, a partir da perspectiva que a forma romance assinala a cisão concreta e incontornável, concluímos que o caráter ideológico em Luz e sombras não penetra na dialogicidade interna do discurso romanesco. Falta-lhe inserção na dialética da realidade, recaindo num maniqueísmo primário. Identificamos, ainda, características comprometedoras do processo, no que se refere à construção das personagens que se reflete, principalmente, na verossimilhança do relato.

Referências

ADORNO, T. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: Notas de Literatura I.

São Paulo: 34 Letras, 2003. p.55-62

AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel. Teoria da literatura. 8.ed. Coimbra: Almedina, 1997.

ARISTÓTELES. Poética. In: ARISTÓTELES, HORÁCIO, LONGINO. A poética clássica. São

Paulo: Cultrix, 1981. p.17-52.

BAKHTIN, Mikhail. O autor e a personagem. In: Estética da criação verbal. 4. ed. São

Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 3-20.

BAKHTIN, Mikhail. O discurso no romance. In.: ______ . Questões de literatura e de

estética. 4.ed. São Paulo: UNESP. p.71-163.

BARROS, Feliciano Galdino de. Luz e sombras. Cuiabá: Academia Mato-Grossense de

Letras, UNEMAT, 2008.

CÂNDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 8. ed. São Paulo: T. A. Queiroz; Publifolha,

(Grandes autores do Pensamento Brasileiro).

ERICKSON, Sandra S. F. A Teoria do Romance de Georg Lukács. Princípios, Natal, v. 8, n.

, p.114-123, 2001. Jan/junh. 2001.

FORSTER, Edward Morgan. Aspectos do romance. 2. ed. São Paulo: Globo, 1998.

GENETTE, G. O discurso da narrativa. Lisboa: Veja Universidade, s.d.

LUKÁCS, G. Introdução aos escritos estéticos de Marx e Engels. In ______. Ensaios sobre

literatura. Rio de Janeiro, 1968. p.13-45 (Biblioteca do leitor moderno, 45).

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Editora 34, 2000.

LUKÁCS, Georg. L’Ame et les Formes. Paris: Gallimard, 1974.

MONTEIRO, Adolfo Casais. O romance: teoria e crítica. Rio de Janeiro: José Olympio, 1964.

SILVA, Arlenice Almeida da. O Símbolo Esvaziado: A Teoria do Romance do jovem György

Lukács. Trans/form/ação, São Paulo, v. 29, n. 1, p.79-94, 2006.

Downloads

Publicado

21/07/2015

Como Citar

Freitas, B. M., & Gatto, D. (2015). LUZ E SOMBRAS, DE FELICIANO GALDINO DE BARROS: O FENÔMENO LITERÁRIO E A DIALÉTICA DA REALIDADE. Revista ECOS, 11(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/710