LITERATURA E LEITURA - CONCEPÇÕES SOBRE O ENSINO DE LITERATURA E A FORMAÇÃO DO LEITOR

Autores

  • Elizete Dall´Comune Hunhoff Doutora em Letras/Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa. Docente da UNEMAT/Campus de Tangará da Serra.

Resumo

Cotejamos neste texto apresentar uma reflexão sobre o texto literário em sala de aula e sua possível influência no processo de amadurecimento intelectual do leitor. Para tanto baseamo-nos na importância que se deva dar aos estudos e pesquisas do professor, devido ser este profissional a pessoa que está mais próxima do aluno, ser em formação, e, portanto, mesmo involuntariamente, atuar como o mediador nesse processo de formação de leitores. Por meio da leitura orientada o aluno aprende a discernir o cânone e o periférico que, num processo dialético, embatem-se e ampliam o conhecimento e o pensamento crítico. Vimos que a literatura infantojuvenil sem ter o intuito pedagógico acaba por ajudar o educando em sua formação devido a qualidade de leitura que oferece.

Referências

ADORNO, Theodor. Lírica e sociedade. In: Textos escolhidos . São

Paulo: Abril Cultural, 1980.

BOSI, E. Memória e sociedade. São Paulo: Schwarcz, 1999.

BOSI, A. O ser e o tempo da poesia. 6.ed. São Paulo: Editora Schwarcz, 2000.

BRUNEL, P.; PICHOIS, Cl. e ROUSSEAU A . M . O que é literatura comparada. São

Paulo: Perspectiva, 1995.

BERGSON, H. Matéria e Memória. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BETTELHEIM. B. Psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

___________. Duração e simultaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CANDIDO, A. A Educação pela Noite & Outros Ensaios. São Paulo: Ática, 2000.

CARVALHAL,T. F. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 1986.

COELHO, Nelly N. Literatura: arte, conhecimento e vida. São Paulo: Peirópolis, 2000.

COHEN, J. O discurso da Poesia. In.: Poétique – revista de teoria e análise literárias.

Coimbra: Livr. Almedina, 1982.

COUTINHO, E.; CARVALHAL, T. F. Literatura Comparada. Textos Fundadores. Rio de

Janeiro: Rocco, 1994.

FONTANIER, J. M. Vocabulário latino da fi losofi a. Sao Paulo: WMF Martins fontes, 1997.

MANN, Heinrich. Pensamento vivo de Nietzsche. São Paulo: Editora da USP, 1975.

OLIVEIRA, A. L. Ensino de Língua e literatura. Rio de Janeiro: Cátedra, 1980.

PERINI, M. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, 2001.

RECTOR, M. Para ler Greimas. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1979.

SAUSSURE, F. de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1996.

VIAN, Orlando Junior; LIMA-LOPES, Roberto de. A perspectiva teleologia de Martin para

a análise dos gêneros textuais. In. MEURER, J.L., et al. Gêneros, teorias, métodos debates.

São Paulo: Parábola, 2005.

ZILBERMAN, R. O escritor lê o leitor, o leitor escreve a obra. Porto Alegre: Mercado

Aberto, 1989.

Downloads

Publicado

21/07/2015

Como Citar

Hunhoff, E. D. (2015). LITERATURA E LEITURA - CONCEPÇÕES SOBRE O ENSINO DE LITERATURA E A FORMAÇÃO DO LEITOR. Revista ECOS, 11(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/711