O MOVIMENTO INDÍGENA CONTEMPORÂNEO E OS CONFLITOS TERRITORIAIS

Autores

  • Gilberto Vieira dos SANTOS
  • Antônio Thomaz JUNIOR

DOI:

https://doi.org/10.30681/geoambes.v2i1.4245

Resumo

Este artigo, que é resultado de nossa pesquisa de mestrado, e busca destacar o histórico das lutas engendradas pelos povos indígenas no Brasil e os contextos que levaram à constituição de lutas conjuntas do Movimento Indígena. Esse movimento possui característica multidimensional, assim como suas lutas, o diferencia de outros movimentos e de outras lutas por terra e/ou território. A própria compreensão de território destes povos está distante da compreensão comum de outros movimentos em luta no campo brasileiro. As pesquisas da ciência geográfica, que já há alguns anos se debruçam sobre a realidade agrária no Brasil, ainda têm pela frente o desafio de aprofundar reflexões sobre os conflitos nesse contexto e o papel desempenhado pelos povos indígenas. Buscamos com este artigo, sinalizar para alguns rumos possíveis.
 
Palavras-chave: Movimento Indígena. conflitos territoriais. direitos constitucionais.

Referências

APYÃWA - Projeto Político-Pedagógico da Escola Indígena Estadual “Tapi’itãwa”, TI Urubu Branco. Povo Apyãwa (Tapirapé), Confresa (MT), 2009

BETANCOURT, M. Tensiones territoriales y políticas públicas de desarrollo en la amazonia. - 1a ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires. CLACSO, 2015.

BICALHO, P. S. S. Protagonismo indígena no Brasil: Movimento, Cidadania e Direitos (1970-2009). Tese de doutorado em História. Universidade de Brasília. Brasília, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 2016.https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.p df

CAVALLI, G. Congresso anti-indígena. In Congresso Anti-Indígena: os parlamentares que mais atuaram contra os direitos indígenas. Conselho Indigenista Missionário. Cimi: Brasília, 2018.

CIMI - CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. Relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil. Dados 2017. CIMI. Brasília, 2018.

___________________________________________. Povos Indígenas: aqueles que devem viver. Manifesto contra o decreto de extermínio. Cimi. Brasília, 2012.

_________________________________________. Marcha e Conferência Indígena. Abril de 2000. CIMI, Brasília, 2000.

FERNANDES, B.M. Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais: contribuição teórica para uma leitura geográfica dos movimentos sociais In REVISTA NERA. Unesp: Presidente Prudente, 2005 (p. 14-34)

GUARANI CONTINENTAL. Caderno e mapa guarani. Campanha Guarani, Endepa, Argentina et ali. Brasil, 2016.

GUERRA, E.F. & BARBOSA, R.B. Geografia e povos indígenas no Simpósio Internacional de Geografia Agrária. Anais do SINGA, 2017. Disponível em: https://singa2017.files.wordpress.com/2017/12/gt03_1506808998_arquivo_emersonguerrasinga-2017.pdf

GUERRA, V.M.L. & VALIENTE, M.F. Entre o discurso do “Acampamento Terra Livre” e a (ex)(in)clusão social, o (per)curso identitário dos povos indígenas. In: DOMÍNIOS DE LINGU@GEM - v. 8, n. 3 (ago./dez. 2014) – (http://www.seer.ufu.br.php/dominiosdelinguagem)

HECK, E. Assembleias Indígenas: 40 anos depois segue a luta e articulação. Cimi, 2014. Disponível em: https://www.cimi.org.br/2014/04/35882/

LACERDA, R. Os Povos Indígenas e a Constituinte (1987-1988). CIMI – Conselho Indigenista Missionário. Brasília, 2008.

LOEBENS, G. F. Povos Indígenas Isolados na Amazônia, a luta pela sobrevivência. CIMI e EDUA, Manaus, 2011.

MATOS, M.H.O. Rumos do movimento indígena no Brasil contemporâneo: experiências exemplares no Vale do Javari. Tese de Doutorado em Ciências Sociais Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2006.

MOTA, J. G. B. Territórios, multiterritorialidades e memórias dos povos Guarani e Kaiowá: diferenças geográficas e as lutas pela Des-colonialização na Reserva Indígena e nos acampamentos-tekoha - Dourados/MS. Tese de doutorado. FCT/Unesp, 2015.

_____________. Terra para os Guarani e os Kaiowá: especificidades e similaridades no tocante as diversas lutas pela terra. In IV Simpósio Internacional de Geografia Agrária. Niterói (RJ), 2009. Disponível em: https://goo.gl/juZwzj

OSSAMI, M.C. O papel das Assembleias de Líderes Indígenas na organização dos povos indígenas do Brasil. In Série Antropológica. Goiânia. Universidade Católica de Goiás, 1993. Disponível em: https://acervo.socioambiental.org/acervo/documentos/o-papel-dasassembleias-de-lideres-na-organizacao-dos-povos-indigenas-do-brasil

PEDON, N.R. Movimentos Socioterritoriais: uma contribuição conceitual à pesquisa geográfica. Tese (doutorado) -Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2009.

SANTOS, G.V. Conflitos territoriais no Brasil e o Movimento Indígena contemporâneo. Dissertação – Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais (IPPRI) – Unesp: Presidente Prudente, 2019.

THOMAZ JUNIOR, A. Dinâmica Geográfica do Trabalho no Século XXI: (Limites Explicativos, Autocrítica e Desafios Teóricos). São Paulo: [s.n], 2009.

____________________. Por Trás dos Canaviais, os (nós) da Cana. (Uma contribuição ao entendimento da relação Capital x Trabalho e do movimento sindical dos trabalhadores na agroindústria canavieira paulista). Tese de Doutorado, FFLCH – USP, São Paulo, 1996.

Downloads

Publicado

19/01/2020

Como Citar

SANTOS, G. V. dos, & JUNIOR, A. T. (2020). O MOVIMENTO INDÍGENA CONTEMPORÂNEO E OS CONFLITOS TERRITORIAIS. Geografia: Ambiente, Educação E Sociedades, 2(1), 12–34. https://doi.org/10.30681/geoambes.v2i1.4245

Edição

Seção

Artigos