Mulher com câncer do colo do útero: trajetória terapêutica / Woman with cervical cancer: therapeutic trajectory / Mujer con cáncer de cuello de útero: trayectoria terapéutica

Sandy Alves Vasconcellos, Rosani Manfrin Muniz, Aline da Costa Viegas, Daniela Habekost Cardoso, Débora Eduarda Duarte do Amaral, Michele Cristiene Nachtigall Barboza

Resumo


Objetivo: conhecer a trajetória terapêutica da mulher com câncer do colo do útero em um município no Sul do Rio Grande do Sul. Método: estudo qualitativo e descritivo, desenvolvido com três mulheres com câncer do colo do útero no mês de maio de 2014. A análise dos dados foi conforme proposta de Minayo. Resultados: as mulheres trilharam diferentes trajetos dentro do sistema de saúde, os quais foram envoltos por potencialidades e fragilidades. Também foi possível observar dimensões subjetivas das participantes, as quais foram expressas por sentimentos e perspectivas. A família e os profissionais da saúde foram considerados as principais fontes de apoio. Considerações Finais: desvelar a trajetória terapêutica, de mulheres com câncer do colo do útero, poderá contribuir para a qualificação da assistência, uma vez que a partir do conhecimento das facetas subjetivas dessa vivência, há possibilidades da elaboração de estratégias com vistas a atender as necessidades destas pessoas. 


Palavras-chave


doença crônica; neoplasias do colo do útero; saúde da mulher; enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Pimentel AV, Panobianco MS, Almeida AM, Oliveira ISB. A percepção da vulnerabilidade entre mulheres com diagnóstico avançado do câncer do colo do útero. Texto & contexto enferm. 2011; 20(2): 255-62.

Shahid S, Durey A, Bessarab D, Aoun SM, Thompson S. Identifying barriers and improving communication between cancer service providers and Aboriginal patients and their families: the perspective of service providers. BMC health serv res. 2013; 13: 2-13.

Göttems LBD, Santos NRC, Souza SFO, Morais TCP, Santana JA, Pires MRGM. Análise da rede de atenção ao câncer de colo uterino a partir da trajetória de usuárias no Distrito Federal-BR. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2012; 3(2): 630-46.

Sonobe HM, Buetto LS, Zago MMF. O conhecimento dos pacientes com câncer sobre seus direitos legais. Rev esc enferm USP. 2011; 45(2): 339-45.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466/2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [internet] 2012 [acesso em 2015 março22]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2012.

Malta DC, Merhy EE. O percurso das linhas de cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface comunic saúde educ. 2010; 14(34): 593-05.

Arruda C, Silva DMGV. Acolhimento e vínculo na humanização do cuidado de enfermagem ao paciente com Diabetes Mellitus. Rev bras enferm. 2012; 65(3): 758-66.

Soares MC, Mishima SM, Silva RC, Ribeiro CV, Meincke SK, Corrêa ACL. Câncer de colo uterino: atenção integral as mulheres nos serviços de saúde. Rev gaúch enferm. 2011; 32(3):502-08.

Gyenwali DL, Khana G, Paudel R, Amatya A, Pariyar J, Onta SR. Estimates of delays in diagnosis of cervical cancer in Nepal. BMC womens health. 2012; 14(29): 1-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Andrade EM, Andrade EO. O SUS e o direito a saúde do brasileiro: leitura de seus princípios, com ênfase na universalidade da cobertura. Rev bioét (Impr). 2010; 18(1): 61-74.

Teixeira MF, Patrício RG. O fenômeno da “fila dupla” ou “segunda porta” no Sistema Único de saúde e a inobservância ao princípio da impessoalidade: um exercício de aproximação de conceitos. Rev direito sanit. 2011; 11(3): 50-62.

Alves RCP. Vivências de profissionais de saúde na assistência a crianças e adolescentes com câncer: um estudo fenomenológico. São Paulo: [s.n.], 2012. 207p. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras; 2012.

Mazor KM, Beard RL, Alexander GL; Arora NK, Firmeno C, Gaglio B et. al. Patients’ and Family Members’ Views on Patient-Centered Communication During Cancer Care. Psycho-oncol. 2013; 22(11): 2487-95.

Soares SGSC, Albuquerque JOL. Intervenção do enfermeiro no tratamento quimioterápico de mulheres com câncer de mama. Rev enferm UFPI. 2013; 2(4): 50-65.

Silva RS, Amaral JB, Malagutti W. Enfermagem em cuidados paliativos: cuidando para uma boa morte. São Paulo: Martinari; 2013.

Santichi EC, Benute GRG, Juhas TR, Peraro EC, Lucia, MCS. Rastreio de sintomas de ansiedade e depressão em mulheres em diferentes etapas do tratamento para o câncer de mama. Psicol hosp. 2012; 10(1): 42-67.

Rodrigues JSM, Ferreira NML. Estrutura e funcionalidade da rede de apoio social do adulto com câncer. Acta paul enferm. 2012; 25(5): 781-87.

Furtado SB, Lôbo AS, Santos MCL, Silva APS, Fernandes AFC. Compreendendo sentimento das enfermeiras acerca do câncer de mama. Rev RENE. 2009; 10(4): 45-51.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010