Epidemiologia da malária em área de assentamento na amazonia matogrossense / Epidemiology of malaria in a settlement area in the Amazon region of Mato Grosso / Epidemiología de la malaria en área de asentamiento en la amazonia de Mato Grosso

Elaine Cristina de Oliveira, Emerson Soares Santos, Paulo Antonio Ferreira Junior, Peter Zeilhofer, Reinaldo Souza-Santos, Marina Atanaka-Santos

Resumo


Objetivo: Caracterizar a epidemiologia da malária em área de Assentamento na Amazônia mato-grossense. Método: Estudo ecológico, realizado no Assentamento Vale do Amanhecer, no Município de Juruena, Mato Grosso. Foram analisadas 336 fichas. Utilizou-se o software EpiInfo 3.3.2 para a construção dos bancos de dados e software Terraview 3.1.4 e ArcGIS 9.2 para análise espacial, construção do mapa de distribuição de casos e os mapas temáticos de uso e ocupação do solo. Resultados: Em 2005, o Assentamento era composto por 718 habitantes, 394 (54,87%) sexo masculino e 324 (45,13.%) sexo feminino. Dos 336 casos de malária, 133 era residente na Estrada 08, 37,60% das notificações. Nas Estradas 13 e 5, foram notificados 124 (35,10%) e 58 (16,40%) casos de malária, respectivamente. A região sul do assentamento apresentou 276 casos e maior número de notificações acima de 10 casos/domicílio. Desses, 102 (30,36%) casos foram causados pelo P. falciparum e 174 (51,79%) por P. vivax. A região norte apresentou 60 casos e notificações abaixo de 10 casos/domicílio. A área de formações florestais apresentou 70 (20,83%) casos. Conclusão: A ocorrência e distribuição de malária no assentamento são influenciadas pelos fatores ambientais e suas alterações.


Palavras-chave


Malária; Epidemiologia; Analise espacial.

Texto completo:

PDF

Referências


World malaria report 2015. Geneva: World Health Organization; 2015 http://www.who.int/ malaria/ publications/world_malaria_report_2015/en/, accessed 10 Julh 2016).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Controle da Malária - PNCM. 2 ed. Brasília; 2006.

Brasil. Departamento Nacional de Produção Mineral. Informe Mineral julho a dezembro de 2015. Brasília; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portal da Saúde. Relatório do sistema nacional de vigilância em saúde. 2006b. Disponível em < http://www.saude.gov.br/ relatório_snvs_mt > Acesso em 13/11/2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília; 2014.

De Oliveira EC, Santos ES, Zeilhofer P, Santos RS, Santos MA: Spatial patterns of malaria in a land reform colonization project, Juruena municipality, Mato Grosso, Brazil. Malar J. 2011;10:177.

Braz Rui Moreira, Duarte Elisabeth Carmen, Tauil Pedro Luiz. Caracterização das epidemias de malária nos municípios da Amazônia Brasileira em 2010. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2013 May [cited 2016 Nov 02] ; 29( 5 ): 935-944.

Barbieri AF, Sawyer DO. Uso do solo e prevalência da malária em uma região da Amazônia Brasileira. Caderno de Geografia. 2005; 15(24): 9-30.

Vasconcelos CH, Novo EMLM, Donalisio MR. Uso do sensoriamento remoto para estudar a influência de alterações ambientais na distribuição da malária na Amazônia brasileira. Cadernos de Saúde Pública. 2006; 22(3): 517-526

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Dados do Assentamento de Vale do Amanhecer – Juruena-MT. Cuiabá; 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde SIVEP-MALARIA. Acesso em novembro de 2007. Disponível em http://www.saude.gov.br/ sivep_malaria.

Atanaka-Santos M, Czeresnia D, Souza-Santos R, Oliveira RM. Comportamento epidemiológico da malária no Estado de Mato Grosso, 1980-2003. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2006; 39(2): 187-192.

Mota EGF. Fatores determinantes da situação da malária na Amazônia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 1992; 25 (suppl 2): 13-22.

Ferreira IM. Fatores associados à ocorrência da malária em área de assentamento, município de Juruena/MT [dissertação de mestrado]. Cuiabá: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso; 2007.

Sawyer DR & Sawyer DO. The malaria transition and the role of social science research. Westport: Auburn House, 1992. 2(6):105-122.

Confalonieri, Ulisses E. C.. (2005). Saúde na Amazônia: um modelo conceitual para a análise de paisagens e doenças. Estudos Avançados, 19(53), 221-236. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142005000100014

De Oliveira EC, dos Santos ES, Zeilhofer P, Souza-Santos R, Atana¬ka-Santos M. Geographic information systems and logistic regression for high-resolution malaria risk mapping in a rural set¬tlement of the southern Brazilian Amazon. Malar J. 2013;12:420-429.

Correia VRM, Monteiro AMV, Carvalho MS, Werneck GL. Uma aplicação do sensoriamento remoto para a investigação de endemias urbanas. Caderno de Saúde Pública. 2007; 23(5):1015-1028.

Rodrigues AF, Escobar AL, Souza-Santos R. Análise espacial e determinação de áreas para o controle da malária no Estado de Rondônia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2008; 41(1):55-64.

Souza-Santos R. Distribuição Sazonal de vetores da malária em Machadinho d’Oeste, Rondônia, Região Amazônica, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2002; 18(6); 1813-1818.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS

ISSN 2526-1010