Características ocupacionais e qualidade de vida de motoristas de ônibus / Occupational characteristics and quality of life of bus drivers / Características ocupacionales y calidad de vida de conductores de autobuses

Autores

  • Luiz Almeida da Silva Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Mikael Henrique de Jesus Batista Instituto Federal do Tocantins (IFTO)
  • Tainá Soares Nunes
  • Bruno Bordin Pelazza Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Maria Lúcia do Carmo Cruz Robazzi Universidade de São Paulo (EERP/USP)
  • Ludmila Grego Maia Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Renata Alessandra Evangelista Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Alexandre de Assis Bueno Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Saúde do Trabalhador, Enfermagem do Trabalho, Qualidade de Vida, Riscos Ocupacionais

Resumo

Objetivo: identificar as características ocupacionais e a percepção de qualidade de vida dos motoristas do transporte coletivo urbano. Método: estudo transversal, quantitativo, realizado com 20 motoristas do transporte coletivo urbano, que responderam ao questionário socioeconômico, demográfico, ocupacional e ao Whoqol-bref. Resultados: observou-se média de idade 43± 13 anos, 85% possuem ensino fundamental, 55% possuem renda maior que dois salários mínimos, 15% são tabagistas, 50% são ex-tabagistas e 40% fazem uso de álcool. A média observada da qualidade de vida mostrou-se baixa no domínio meio ambiente (55,78± 9,14), que relacionado à escolaridade dos participantes obteve (p=0,04). Nas relações entre renda e os domínios psicológico e relações sociais, obteve-se (p=0,02 e 0,03). Na comparação com a percepção sobre a saúde observou-se no domínio físico (p=0,038). Conclusão: os aspectos mais evidenciados na interferência para qualidade de vida foram renda, escolaridade e percepção da saúde, demonstrando que as categorias de trabalhadores necessitam de maior atenção por parte dos empregadores e dos profissionais de enfermagem.

Biografia do Autor

Luiz Almeida da Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeiro. Pós-Doutor em Ciências da Saúde. Professor do Curso de Enfermagem Regional Jataí e orientador do Programa de Pós Graduação em Ensino na Saúde – UFG.

Mikael Henrique de Jesus Batista, Instituto Federal do Tocantins (IFTO)

Enfermeiro. Especialista em Urgência e Emergência. Enfermeiro do Instituto Federal do Tocantins. E-mail: mikael.gyn@hotmail.com

Tainá Soares Nunes

Enfermeira. Especialista em Urgência e Emergência.

Bruno Bordin Pelazza, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeiro. Doutorando em Ciências da Saúde. Professor do Curso de Enfermagem Regional Jataí, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Maria Lúcia do Carmo Cruz Robazzi, Universidade de São Paulo (EERP/USP)

Enfermeira. Doutora. Professora Titular da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP/USP).

Ludmila Grego Maia, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeira. Doutoranda em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de goiás (UFG). Professora Assistente do Curso de Enfermagem Regional Jataí. 

Renata Alessandra Evangelista, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeira. Doutora. Professora Adjunto do Curso de Enfermagem Regional Catalão e Orientadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Organizacional da Universidade Federal de Goiás (UFG). 

Alexandre de Assis Bueno, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Enfermeiro. Mestre em Enfermagem. Professor do Curso de Graduação em Enfermagem da Regional Catalão da Universidade Federal de Goiás (UFG). 

Referências

Rodrigues JM. Evolução da frota de automóveis e moto no Brasil 2001-2012. Relatório 2013. Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia. Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles; 2013.

Oliveira ACF, Pinheiros JQ. Indicadores Psicossociais relacionados a acidentes de trânsito envolvendo motorista de ônibus. Estud Psicol. 2007; 12(1):171-8.

Cavalcanti VL. Subsídios técnicos que justifiquem a manutenção da aposentadoria especial para motoristas de ônibus urbano. Manuscrito não publicado. São Paulo-SP; 1996.

Battiston M, Cruz RM, Hoffmann MH. Condições de trabalho e saúde de motorista de transporte coletivo urbano. Estud Psicol. 2006; 11(3):333-43.

Ministério do Meio Ambiente (BR). 1º Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários. Relatório Final. Brasília; 2011.

Silva LA, Robazzi, MLCC, Terra FS. Relation between workplace accidents and the levels of carboxyhemoglobin in motorcycle taxi drivers. Rev Latino-Am Enfermagem 2013; 21(n.5): [08 telas].

The Whoqol Group. The Health Organization quality of life assessment: development and general psycometric properties. Social Science of Medicine (New York),1988; 46 (12):1569–85.

Nahas MV. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida – Conceitos e Sugestões para um Estilo de Vida Ativo. Londrina: Midiograf; 2001.

Baird C. Química Ambiental. Porto Alegre: Bookman; 2002.

Felli EA, Tronchin MR. A qualidade de vida no trabalho e a saúde do trabalhador de enfermagem. In: Kurcgant, P. (coord) Gerenciamento de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. [Internet] 2013 [Acessado 2013 nov 15]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm.

Fleck APM. & (col). A Avaliação de Qualidade de Vida: Guia para Profissionais da Saúde. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Triola MF. Introdução à estatística. Rio de Janeiro: LCT; 2008.

Ferreira TL. Estudo das condições de trabalho dos motoristas de ônibus urbano da cidade de João Pessoa-PB. VII SEPRONE “A Engenharia de Produção frente ao novo contexto de desenvolvimento sustentável do Nordeste: coadjuvante ou protagonista?” Mossoró-RN; 2012.

Silveira LS, Abreu CC, Santos EM. Análise da Situação de Trabalho de Motoristas em uma Empresa de Ônibus Urbano da Cidade de Natal/RN. Psicol cienc prof. 2014; 34(1): 158-79.

Ministério da Saúde (BR). Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil, organizado por Elizabeth Costa Dias et al. Brasília; 2001.

Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (BR). A Anvisa na Redução à Exposição Involuntária à Fumaça do Tabaco. Elaborado por Márcia Bernardo Silva Couto e Vânia Regina Câmara Campelo, Brasília, 2009.

Alquimim AF, Barral ABCR, Gomes K C, Rezende M C. Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (MG). Ciênc saúde coletiva. 2012; 17(8):2151-2158.

Viegas CAA, Oliveira HW. Prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual. J bras pneumol. 2006; 32(2):144-149.

Cogo LA, Fedosse E, Santos VAV. Qualidade de vida e aspectos auditivos de trabalhadores do transporte coletivo urbano. Rev CEFAC. 2016;18(1):40-46.

Sampaio RFV, Carvalho-Freitas MN, Kemp VH. Estressores ocupacionais e qualidade de vida no trabalho de agentes de trânsito. Pesqui Prát Psicossociais. 2012;7(1):34-43.

Teixeira JRB, Boery EN, Casotti CA, Araújo TM, Pereira R, Ribeiro ÍJS et al. Associação entre aspectos psicossociais do trabalho e qualidade de vida de mototaxistas. Cad Saúde Pública. 2015; 31(1):97-110.

Downloads

Publicado

20/11/2016

Como Citar

Almeida da Silva, L., de Jesus Batista, M. H., Soares Nunes, T., Bordin Pelazza, B., do Carmo Cruz Robazzi, M. L., Grego Maia, L., Evangelista, R. A., & de Assis Bueno, A. (2016). Características ocupacionais e qualidade de vida de motoristas de ônibus / Occupational characteristics and quality of life of bus drivers / Características ocupacionales y calidad de vida de conductores de autobuses. Journal Health NPEPS, 1(1). https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)