Cobertura do exame citopatológico em unidades de saúde no interior de Mato Grosso / Coverage of the cytopathological examination in health units in the interior of Mato Grosso / Cobertura del examen citopatológico en las unidades de salud...

Autores

  • Patricia Fernandes Massmann Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Ana Cristina Oliveira Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Silvia Mara Carvalho Silva Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Suzicléia Elizabete de Jesus Franco Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Jucelia Moraes de Lima Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Fábio Alexandre Silva França Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Queli Lisiane Pereira Castro Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia
  • Alisséia Guimarães Lemes Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Neoplasias do Colo do Útero, Teste de Papanicolau, Saúde da Mulher

Resumo

Objetivo: verificar a cobertura do exame Papanicolaou em um município no interior de Mato grosso na região Vale do Araguaia. Método: trata-se de um estudo quantitativo e comparativo de tendências temporais, realizado a partir nos cadernos de prevenção de câncer de colo uterino de três unidades de saúde, nos registros do período de 2010 e 2011. Os dados foram lançados em planilha do Microsoft Excel 2013 e analisados por meio de estatística descritiva simples, em números absolutos e relativos. Resultados:  A pesquisa demonstrou um aumento na adesão ao exame, bem como encaminhamentos para colposcopia e amostras consideradas insatisfatórias. Enquanto que a cobertura de mulheres com menos de 35 anos decresceu, na comparação entre o período investigado. Conclusão: Apesar do aumento na adesão, faz-se necessária à implementação de estratégias frente ao cenário encontrado, como a capacitação dos profissionais, visto possíveis falhas na realização do procedimento, não deixando de intensificar de ações voltadas à a prevenção do câncer do colo do útero.

Biografia do Autor

Patricia Fernandes Massmann, Universidade Federal do Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia

Enfermeira. Profa. Mestre no curso de Enfermagem da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário do Araguaia (CUA). Coordenadora do projeto de extensão Mãe um ser mulher, e do projeto de pesquisa Avaliação imunológica e hormonal do leite materno. Barra do Garças, MT, Brasil. 

Referências

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Periodicidade de realização de exame preventivo do câncer do colo do útero. Rev Bras Cancerol. 2002; 48(1):13-15.

Gontijo RC, Sophie FMD, Martins CR, Sarian LOZ, Bragança JF, Zeferino LC, et al. Avaliação de Métodos Alternativos à Citologia no Rastreamento de Lesões Cervicais: Detecção de DNA-HPV e Inspeção Visual. RBGO. 2004; 26(4):269-75.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Ações de Enfermagem para o controle do Câncer. Uma proposta de Interação Ensino – Serviço. 3ª ed. Rio de Janeiro: INCA; 2002.

Caetano R, Vianna CMM, Thuler LCS, Girianelli VR. Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil. PHYSIS Rev Saúde Coletiva. 2006; 16(1):99-118.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Estimativas 2008: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2007.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev). Falando sobre câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: MS/INCA; 2002.

Fernandes RQF, Narchi NZ. Conhecimento de gestantes de uma comunidade carente sobre os exames de detecção precoce do câncer cérvico-uterino e de mama. Rev Bras Cancerol. 2002; 48(2):223-30.

IBGE. Censo demográfico 2010: Características da população. Rio de Janeiro; 2016 [acesso em 2017 agost. 25]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=510665.

Ministério da saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Plano de ação para redução da incidência e mortalidade por câncer do colo do útero: sumário executivo. Rio de Janeiro: INCA; 2010.

Santos MA, Audickas RC, Coutinho SC, Silva J, Souza LN. A importância da prevenção do câncer do colo uterino: em pauta o exame de Papanicolau. Rev Recien. 2014; 4(12):15-20.

Thuler LCS. Mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil. Rev bras ginecol obst. 2008; 30(5):216-17.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: MS; 2013.

Nascimento GWDC, Pereira CCDA, Nascimento DIDC, Lourenço GC, Machado CJ. Cobertura do exame citopatológico do colo do útero no Estado de Minas Gerais, Brasil, no período entre 2000-2010: um estudo a partir dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). Cad Saúde Colet. 2015; 23(3): 253-60.

Carneiro SR. Exame Papanicolau: adesão das usuárias das Unidades Básica de Saúde. Renome. 2016; 5(1):41-56.

Andrade SSC, Silva FMC, Silva MSS, Oliveira SHS, Leite KNS, Sousa MJ. Compreensão de usuárias de uma unidade de saúde da família sobre o exame Papanicolau. Ciênc saúde coletiva. 2013; 18(8):2301-10.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização. Brasília: MS; 2015.

Silva MM, Gitsos J, Santos NLP. Atenção básica em saúde: prevenção do câncer de colo do útero na consulta de enfermagem. Rev enferm UERJ. 2013; 21(1):631-6.

Vargens OMC, Silva CM, Silva GA, Girianelli VR. Diagnóstico de HPV: o processo de interação da mulher com o parceiro. Rev bras enferm. 2013; 66(3):327-32.

Simino GPR, Santos CB, Mishima SM. Acompanhamento de usuários, portadores de câncer, por trabalhadores da saúde da família. Rev Latino-Am enferm. 2010; 18(5):1-9.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes Brasileira para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Coelho S, Porto YF. Saúde da mulher. Belo Horizonte: Nescon/UFMG. 2009.

Soares MBO, Silva SR. Intervenções que favorecem a adesão ao exame de colpocitologia oncótica: revisão integrativa. Rev bras enferm. 2016; 69(2):404-14.

Mistura C, Mistura C, Silva RCC, Sales JRP, Melo MCP, Sarmento SS. Papel do enfermeiro na prevenção do câncer de colo uterino na estratégia saúde da família. Rev Contexto Saúde. 2011; 10(20):1162-64.

Amaral AF, Araújo ES, Magalhães JC, Silveira EA, Tavares SBN, Amaral RG. Impacto da capacitação dos profissionais de saúde sobre o rastreamento do câncer do colo do útero em unidades básicas de saúde. Rev bras ginecol obstet. 2014; 36(4):182-7.

Marçal JA, Gomes LTS. A prevenção do câncer de colo de útero realizada pelo enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: Revisão integrativa da literatura. REAS. 2013; 5(2):474-89.

Downloads

Publicado

28/12/2017

Como Citar

Massmann, P. F., Oliveira, A. C., Silva, S. M. C., Franco, S. E. de J., de Lima, J. M., França, F. A. S., Castro, Q. L. P., & Lemes, A. G. (2017). Cobertura do exame citopatológico em unidades de saúde no interior de Mato Grosso / Coverage of the cytopathological examination in health units in the interior of Mato Grosso / Cobertura del examen citopatológico en las unidades de salud. Journal Health NPEPS, 2(2), 407–417. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)