Proposta de classificação de risco para atenção primária à saúde / Proposed risk classification for primary health care / Propuesta de clasificación de riesgo para atención primaria a la salud

Autores

  • Prisca Dara Lunieres Pêgas Coêlho
  • Thiago Vital Barroso

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Equipe de assistência ao paciente, Estratégias

Resumo

Objetivo: descrever experiência de uma equipe de residência multiprofissional em saúde na elaboração de proposta de classificação de risco para atenção primária à saúde. Método: trata-se de relato de experiência, desenvolvido no período de março a julho de 2016 durante cenário prático em uma Unidade Básica de Saúde. Resultados: a proposta criada se deu através da utilização de cores nos prontuários de cada usuário do serviço de saúde, classificando famílias de risco, condições ou patologias. Selecionou-se cores diversas para classificação de risco, atribuindo uma cor por situação determinada. Após realizar levantamento de todos os casos existentes na área de cobertura da unidade, houve exposição impressa do quantitativo por condição de saúde, servindo como recurso complementar na consolidação dos dados presentes no mapeamento tradicional (isopor). Considerações Finais: os benefícios da utilização dessa proposta volta-se à melhora da organização das atividades, na gerência do cuidado, fácil visualização da situação em saúde do território, além de facilitar a identificação da necessidade de intervenção imediata para controlar as demandas.

Biografia do Autor

Prisca Dara Lunieres Pêgas Coêlho

Enfermeira. Residente Multiprofissional em Saúde, do Programa de Atenção Integral na Saúde Funcional em Doenças Neurológicas. Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV). Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Thiago Vital Barroso

Enfermeiro. Mestrando no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Amazonas. Residência em Enfermagem em Saúde Funcional/Neurofuncional no Hospital Universitário Getúlio Vargas - HUGV/UFAM (2015-2017). Pós-graduando em Docência Universitária na Faculdade Metropolitana de Manaus - FAMETRO (2016-2018).

Referências

Governo do Estado de Minas Gerais (BR). Secretaria Estadual de Saúde. Manual do prontuário de saúde da família. [internet] 2007 [acesso em 2016 mai 2016]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2876.pdf

Bitencourt JJG, Conceição SMP, Ribeiro RM. Anotações de Enfermagem: teoria e prática. São Paulo: Eureka; 2017.

Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo (COREN/SP). Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente - REBRAENSP. 10 Passos para a Segurança do Paciente. [internet] 2010 [acesso em 2016 ago 26]. Disponível em: http://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/10_passos_seguranca_paciente_0.pdf.

Porto TP, Rocha PK, Lessmann JC, de Souza S, Kretzer L, Anders JC. Identificação do paciente em unidade pediátrica: uma questão de segurança. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2011,11(2):67-74.

Ministério da Saúde (BR). Resolução nº7 de 24 de novembro de 2016. Define o prontuário eletrônico como modelo de informação para registro das ações de saúde na atenção básica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 24 nov. 2016. Seção 1, p. 108.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Guia de Recomendações para Registro de Enfermagem no Prontuário do Paciente e outros documentos de Enfermagem. Brasília: COFEN; 2015.

Downloads

Publicado

04/07/2018

Como Citar

Coêlho, P. D. L. P., & Barroso, T. V. (2018). Proposta de classificação de risco para atenção primária à saúde / Proposed risk classification for primary health care / Propuesta de clasificación de riesgo para atención primaria a la salud. Journal Health NPEPS, 3(1), 289–297. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Relato de Experiência/ Case Report/ Reporte de Caso

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.