Postergação da maternidade e paternidade na adolescência em época de síndrome congênita do zika vírus / Maternity and paternity postponement in adolescence in the era of congenital syndrome of zika virus / Aplazamiento maternidad y paternidad...

Autores

  • Daniela Sanches Couto Universidade Federal de Mato Grosso
  • Jheynny Sousa Alves
  • Kaique Saimon Lemes Farias Rodrigues
  • Queli Lisiane Castro Pereira

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Saúde Reprodutiva, Adolescentes, Gravidez na Adolescência, Zika Vírus

Resumo

Objetivo: orientar o planejamento reprodutivo a fim de postergar a gestação na adolescência. Método: trata-se de um relato de experiência extraído de ação extensionista realizada pelo projeto Sementinha: não vai dar Zika, em abril de 2017, com 56 adolescentes, alunos do ensino médio na cidade de Pontal do Araguaia. Realizou-se uma roda de conversa sobre planejamento reprodutivo e para abordar o tema utilizou-se elementos da Educação problematizadora de Paulo Freire. Resultados: os adolescentes demonstraram grande conhecimento sobre os métodos contraceptivos, porém foi notável o desconhecimento quanto a utilização correta desses métodos. Embora conheçam as consequências da síndrome congênita do zika vírus, não houve preocupações quanto à infecção, mesmo estando em área de risco para o contato com o vetor da doença. Considerações finais: a partir da metodologia desenvolvida, notou-se a necessidade de ampliar o conhecimento sobre as vias de transmissão do zika vírus e a saúde reprodutiva dos adolescentes, a fim de promover uma sexualidade segura e postergar a maternidade e paternidade.

Biografia do Autor

Daniela Sanches Couto, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduanda do Curso de Enfermagem Bacharelado pela Universidade Federal do Mato Grosso - Campus Universitário do Araguaia, com período de mobilidade internacional na Universidad Juarez del Estado de Durango (2017).

Jheynny Sousa Alves

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. Durante sua graduação, vivenciou a pesquisa e a extensão, foi membro atuante de projetos de extensão e de pesquisa. Também participou do programa de monitoria ,como voluntária, no componente curricular de Fundamentos de Enfermagem. Recebeu premiação nacional pela comunidade de práticas do Ministério da Saúde em parceria com a Organização Panamericana de Saúde. Atualmente é membro externo do projeto de pesquisa Gestação e Zika Vírus desenvolvido, pelo Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da UFMT do Campus Universitário do Araguaia.

Kaique Saimon Lemes Farias Rodrigues

Graduando do Curso de Enfermagem Bacharelado pela Universidade Federal do Mato Grosso - Campus Universitário do Araguaia.

Queli Lisiane Castro Pereira

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Pelotas (2004), especialização em Saúde Pública com ênfase em Serviço, Mestrado em enfermagem pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2007) e Doutorado em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2015). Professora Adjunta da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa Gerenciamento Ecossitêmico em Enfermagem e Saúde - GEES da FURG e vice líder do Grupo de Estudos em Negligências em Saúde, Integralidade e Intersetorialidade -GENESIS da UFMT. Consultora ad hoc de periódicos, ponto focal da secretaria de relações internacionais no Campus Universitário do Araguaia, membro titular da câmara de pesquisa e pós-graduação do CUA, do Núcleo docente estruturante e do colegiado do curso de bacharelado em enfermagem do CUA/UFMT. Tem experiência assistencial, gerencial, em ensino, pesquisa e extensão na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde da Mulher e Saúde Pública.

Referências

Taborda JA, Silva C, Ulbricht L, Neves EB. Consequências da gravidez na adolescência para as meninas considerando-se as diferenças socioeconômicas entre elas. Cad Saúde Colet. 2014; 22(1):16-24.

Santos NLB, Guimarães DA, Gama CAP. A percepção de mães adolescentes sobre seu processo de gravidez. Rev Psicol Saúde. 2016; 8(2):83-96.

Luiz MS, Nakano AR, Bonan C. Planejamento reprodutivo na clínica da família de um Teias: condições facilitadoras e limites à assistência. Saúde debate. 2015; 39(106):671-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O Sus e a saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens No Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Moura LNB, Gomes KRO. Planejamento familiar: uso dos serviços de saúde por jovens com experiência de gravidez. Cien Saúde Colet. 2014; 19(3):853–63.

Moreira LCO, Bastos PRHO. Prevalência e fatores associados à ideação suicida na adolescência: revisão de literatura. Psicol Esc Educ. 2015; 19(3):445–53.

Santos NLAC, Costa MCO, Amaral MTR, Vieira GO, Bacelar EB, Almeida AHV. Gravidez na adolescência: análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Cien Saúde Colet. 2014; 19(3):719–26.

Ferreira EB, Veras JLA, Brito SA, Gomes EA, Mendes JPA, Aquino JM. Predisposing causes for pregnancy among adolescents. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2014; 6(4):1571-9.

Schönholzer TE, Pinto IC, Siqueira HCH, Pereira QLCP. Planejamento reprodutivo de mulheres climatéricas usuárias da Atenção Primária à Saúde Mutirão. J Nurs Health. 2016; 7(1):58–66.

Patias ND, Dias ACG. Sexarca, informação e uso de métodos contraceptivos: comparação entre adolescentes. Cien Saúde Colet. 2014; 19(1):13–22.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Informações em saúde. Brasília; 2011. [Internet]. [acessado 2018 mar 20]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br.

Mato Grosso (Estado). Secretaria de Estado de Planejamento. Características climáticas e ambientais do município. Cuiabá; 2016. [internet]. [acessado 2018 mar 5]. Disponível em: http://www.dados.mt.gov.br/arquivos/data/public/724d74cca4.php

Peres A. Aedes: ampliando o foco. Rev Radis. 2016; 161(9):12–7.

Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Zika virus: challenges of public health in Brazil. Rev bras epidemiol. 2016; 19(2):225–8.

Vasconcelos MLMC, Brito RHP. Conceitos de educação em Paulo Freire: Glossário. Petrópolis (RJ): Vozes; 2015.

Downloads

Publicado

04/07/2018

Como Citar

Sanches Couto, D., Sousa Alves, J., Lemes Farias Rodrigues, K. S., & Lisiane Castro Pereira, Q. (2018). Postergação da maternidade e paternidade na adolescência em época de síndrome congênita do zika vírus / Maternity and paternity postponement in adolescence in the era of congenital syndrome of zika virus / Aplazamiento maternidad y paternidad. Journal Health NPEPS, 3(1), 281–288. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Relato de Experiência/ Case Report/ Reporte de Caso