Postergação da maternidade e paternidade na adolescência em época de síndrome congênita do zika vírus / Maternity and paternity postponement in adolescence in the era of congenital syndrome of zika virus / Aplazamiento maternidad y paternidad...

Autores

  • Daniela Sanches Couto Universidade Federal de Mato Grosso
  • Jheynny Sousa Alves
  • Kaique Saimon Lemes Farias Rodrigues
  • Queli Lisiane Castro Pereira

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Saúde Reprodutiva, Adolescentes, Gravidez na Adolescência, Zika Vírus

Resumo

Objetivo: orientar o planejamento reprodutivo a fim de postergar a gestação na adolescência. Método: trata-se de um relato de experiência extraído de ação extensionista realizada pelo projeto Sementinha: não vai dar Zika, em abril de 2017, com 56 adolescentes, alunos do ensino médio na cidade de Pontal do Araguaia. Realizou-se uma roda de conversa sobre planejamento reprodutivo e para abordar o tema utilizou-se elementos da Educação problematizadora de Paulo Freire. Resultados: os adolescentes demonstraram grande conhecimento sobre os métodos contraceptivos, porém foi notável o desconhecimento quanto a utilização correta desses métodos. Embora conheçam as consequências da síndrome congênita do zika vírus, não houve preocupações quanto à infecção, mesmo estando em área de risco para o contato com o vetor da doença. Considerações finais: a partir da metodologia desenvolvida, notou-se a necessidade de ampliar o conhecimento sobre as vias de transmissão do zika vírus e a saúde reprodutiva dos adolescentes, a fim de promover uma sexualidade segura e postergar a maternidade e paternidade.

Biografia do Autor

  • Daniela Sanches Couto, Universidade Federal de Mato Grosso
    Graduanda do Curso de Enfermagem Bacharelado pela Universidade Federal do Mato Grosso - Campus Universitário do Araguaia, com período de mobilidade internacional na Universidad Juarez del Estado de Durango (2017).
  • Jheynny Sousa Alves
    Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. Durante sua graduação, vivenciou a pesquisa e a extensão, foi membro atuante de projetos de extensão e de pesquisa. Também participou do programa de monitoria ,como voluntária, no componente curricular de Fundamentos de Enfermagem. Recebeu premiação nacional pela comunidade de práticas do Ministério da Saúde em parceria com a Organização Panamericana de Saúde. Atualmente é membro externo do projeto de pesquisa Gestação e Zika Vírus desenvolvido, pelo Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da UFMT do Campus Universitário do Araguaia.
  • Kaique Saimon Lemes Farias Rodrigues
    Graduando do Curso de Enfermagem Bacharelado pela Universidade Federal do Mato Grosso - Campus Universitário do Araguaia.
  • Queli Lisiane Castro Pereira
    Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Pelotas (2004), especialização em Saúde Pública com ênfase em Serviço, Mestrado em enfermagem pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2007) e Doutorado em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2015). Professora Adjunta da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa Gerenciamento Ecossitêmico em Enfermagem e Saúde - GEES da FURG e vice líder do Grupo de Estudos em Negligências em Saúde, Integralidade e Intersetorialidade -GENESIS da UFMT. Consultora ad hoc de periódicos, ponto focal da secretaria de relações internacionais no Campus Universitário do Araguaia, membro titular da câmara de pesquisa e pós-graduação do CUA, do Núcleo docente estruturante e do colegiado do curso de bacharelado em enfermagem do CUA/UFMT. Tem experiência assistencial, gerencial, em ensino, pesquisa e extensão na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde da Mulher e Saúde Pública.

Referências

Taborda JA, Silva C, Ulbricht L, Neves EB. Consequências da gravidez na adolescência para as meninas considerando-se as diferenças socioeconômicas entre elas. Cad Saúde Colet. 2014; 22(1):16-24.

Santos NLB, Guimarães DA, Gama CAP. A percepção de mães adolescentes sobre seu processo de gravidez. Rev Psicol Saúde. 2016; 8(2):83-96.

Luiz MS, Nakano AR, Bonan C. Planejamento reprodutivo na clínica da família de um Teias: condições facilitadoras e limites à assistência. Saúde debate. 2015; 39(106):671-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O Sus e a saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens No Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Moura LNB, Gomes KRO. Planejamento familiar: uso dos serviços de saúde por jovens com experiência de gravidez. Cien Saúde Colet. 2014; 19(3):853–63.

Moreira LCO, Bastos PRHO. Prevalência e fatores associados à ideação suicida na adolescência: revisão de literatura. Psicol Esc Educ. 2015; 19(3):445–53.

Santos NLAC, Costa MCO, Amaral MTR, Vieira GO, Bacelar EB, Almeida AHV. Gravidez na adolescência: análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Cien Saúde Colet. 2014; 19(3):719–26.

Ferreira EB, Veras JLA, Brito SA, Gomes EA, Mendes JPA, Aquino JM. Predisposing causes for pregnancy among adolescents. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2014; 6(4):1571-9.

Schönholzer TE, Pinto IC, Siqueira HCH, Pereira QLCP. Planejamento reprodutivo de mulheres climatéricas usuárias da Atenção Primária à Saúde Mutirão. J Nurs Health. 2016; 7(1):58–66.

Patias ND, Dias ACG. Sexarca, informação e uso de métodos contraceptivos: comparação entre adolescentes. Cien Saúde Colet. 2014; 19(1):13–22.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Informações em saúde. Brasília; 2011. [Internet]. [acessado 2018 mar 20]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br.

Mato Grosso (Estado). Secretaria de Estado de Planejamento. Características climáticas e ambientais do município. Cuiabá; 2016. [internet]. [acessado 2018 mar 5]. Disponível em: http://www.dados.mt.gov.br/arquivos/data/public/724d74cca4.php

Peres A. Aedes: ampliando o foco. Rev Radis. 2016; 161(9):12–7.

Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Zika virus: challenges of public health in Brazil. Rev bras epidemiol. 2016; 19(2):225–8.

Vasconcelos MLMC, Brito RHP. Conceitos de educação em Paulo Freire: Glossário. Petrópolis (RJ): Vozes; 2015.

Downloads

Publicado

2018-06-01

Edição

Seção

Relato de Experiência/ Case Report/ Reporte de Caso

Como Citar

Postergação da maternidade e paternidade na adolescência em época de síndrome congênita do zika vírus / Maternity and paternity postponement in adolescence in the era of congenital syndrome of zika virus / Aplazamiento maternidad y paternidad.. (2018). Journal Health NPEPS, 3(1), 281-288. https://doi.org/10.30681/25261010

Artigos Semelhantes

1-10 de 333

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.