Consulta puerperal: orientação sobre sua importância / Puerperal consultation: guidance on its importance / Consulta puerperal: orientación sobre su importância

Autores

  • Maria Luiza Fernandes Vilela UFMT
  • Queli Lisiane Castro Pereira Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Qualidade da Assistência à Saúde, Cuidado Pré-Natal, Período Pós-Parto, Saúde da Mulher

Resumo

Objetivo: investigar a orientação sobre a importância da consulta puerperal durante o pré-natal e o puerpério imediato em ambiente hospitalar. Método: trata-se de um estudo do tipo epidemiológico observacional, com avaliação descritiva, de cunho transversal, fundamentado com abordagem quantitativa. O levantamento dos dados ocorreu entre o período de março de 2016 a janeiro de 2017 na maternidade de um hospital municipal da cidade de Barra do Garças, MT. Foram estudadas 216 puérperas. Um instrumento com questões fechadas foi utilizado para a coleta de dados. Para a organização e a descrição dos dados foi utilizada a estatística descritiva. Resultados: 92,1% das puérperas não foram orientadas quanto a consulta puerperal embora tenham realizado em média 6,59 consultas de pré-natal. Apenas 5,6% foram esclarecidas, no ambiente hospitalar, durante o puerpério imediato, destas somente 0,92% já haviam sido orientadas durante o pré-natal. Considerações Finais: por falta de orientação as mulheres são tolhidas de se beneficiarem da consulta puerperal. Sugere-se que sejam efetivadas medidas que promovam conscientização dos profissionais sobre a importância de se orientar e agendar a consulta puerperal, concretizar referência e contra referência entre atenção básica e maternidade.

Biografia do Autor

Queli Lisiane Castro Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso

Profa. Dra. Curso de Graduação em Enfermagem do CUA/UFMT

http://orcid.org/0000-0001-69654887

Referências

Vega CEP, Soares VMN, Lourenço FNAM. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cad Saúde Pública. 2017; 33(3):1-13.

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, Gama SGN, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2015; 37(3):140–7.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme FMM, Costa JV, et al. El cuidado prenatal en Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Suppl1):S85-S100.

kassar SB, Melob AMC, Coutinhoc SB, Limad MC, Lira PIC. Determinants of neonatal death with emphasis on health care during pregnancy, childbirth and reproductive history. J Pediatr. 2013; 16(3):269-77.

Martinelli KG. Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36(2):56-64.

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, GamaII SGN, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2015; 37(3):141-7

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Oliveira JFB, Quirino GS, Rodrigues DP. Percepção das puérperas quanto aos cuidados prestados pela equipe de saúde no puerpério. Rev Rene. 2012; 13(1):74-84.

Corrêa MSM, Feliciano KVO, Pedrosa EM, Souza AI. Acolhimento no cuidado à saúde da mulher no puerpério. Cad Saúde Pública 2017; 33(3):1-12

Alves NCC, Feitosa KMA, Mendes MES, Caminha MFC. Complicações na gestação em mulheres com idade maior ou igual a 35 anos. Rev Gaúch Enferm. 2017;38(4):1-7.

Carvalho RAS, Santos VS, Melo CM, Gurgel RQ, Oliveira CCC. Avaliação da adequação do cuidado pré-natal segundo a renda familiar em Aracaju, 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(2):271-80.

Bezerra AC, Mesquita JS, Brito MCC, Santos RB, Teixeira FV, Lira AC, et al. Desafios Enfrentados por Mulheres Primigestas em Idade Avançada. Rev Bras Ci Saúde. 2016;19(2):163-8.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil em Síntese, IBGE, 2016. Disponível: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-de-fecundidade-total.html. Acessado em: 06 mar. 2018

Pereira QLC, Hara CCP, Fernandes RTS, Fagundes DLG, França-Botelho AC, Gomes MA, et al. Human colostrum action against Giardia lamblia infection influenced by hormones and advanced maternal age. Parasitol Res. 2018; 117(4):1–9.

Cohen WR. Does maternal age affect pregnancy outcome? BJOG. 2014;121:252

Almeida NKO, Almeida RM, Pedreira CE. Resultados perinatais adversos em mulheres com idade materna avançada: estudo transversal com nascimentos brasileiros. J Pediatr. 2015; 91(5):493-498.

Ferreira IS, Fernandes AFC, Lô KKR, Melo TP, Gomes AMF, Andrade IS. Percepções de gestantes acerca da atuação dos parceiros nas consultas de pré-natal. Rev Rene. 2016; 17(3):318-23.

Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde. Informações de Saúde (TABNET). DATASUS Tecnologias da Informação a Serviço do SUS. Brasil, 2008-2017. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvmt.def. Acessado em: 28 dez. 2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Brasil em Síntese- IBGE, 2014. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/educacao/anos-de-estudo-e-sexo.html. Acessado em: 06 mar. 2017.

Rosa CQ, Silveira DS, Costa JSD. Fatores associados à não realização de pré-natal em município de grande porte. Rev Saúde Pública. 2014; 48(6):977-84.

Fonseca SC, Kale PL, Silva KS. Pré-natal em mulheres usuárias do Sistema Único de Saúde em duas maternidades no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: a cor importa? Rev Bras Saúde Mater Infant. 2015; 15(2):209-17.

Silva SR, Parreira BDM, Dias FA, Cardoso LE, SILVA JDC, Sueli Riul, et al. Práticas de autocuidado desenvolvidas por gestantes atendidas em um ambulatório de pré-natal. Rev Eletrônica Enferm. 2014; 16(4):812-21.

Ferraz DD, Rodrigues MS, Rodrigues TS, Lima AS. Atenção pré-natal segundo indicadores de processo do SISPRENATAL através do programa de humanização do pré-natal e Nascimento. Enferm Rev. 2013; 16(2):84-97.

Downloads

Publicado

03/07/2018

Como Citar

Fernandes Vilela, M. L., & Castro Pereira, Q. L. (2018). Consulta puerperal: orientação sobre sua importância / Puerperal consultation: guidance on its importance / Consulta puerperal: orientación sobre su importância. Journal Health NPEPS, 3(1), 228–240. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale