Conceitos, manifestações clínicas e cuidados imediatos na disreflexia autonômica/ Concepts, clinical manifestations, and immediate care in autonomical disreflexia/ Conceptos, manifestaciones clínicas y cuidados inmediatos en la disreflexia autonómica

Autores

  • Luene de Albuquerque Vanconcelos UNINASSAU- JP
  • Letícia Kelly Araújo de Souza UNINASSAU- JP
  • Rafaelly Ferreira de Moura UNINASSAU- JP
  • Luiz Paulo Vicente Freire UNINASSAU- JP
  • Luciana Maria de Morais Martins Soares CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPE. UNINASSAU JOÃO PESSOA/PB

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Disreflexia Autonômica, Reabilitação, Traumatismos da Medula Espinal

Resumo

Objetivo: revisar a literatura a respeito da disreflexia autonômica e apresentar conceitos, manifestações clínicas e cuidados imediatos diante dessa síndrome. Método: revisão integrativa da literatura realizada no período de maio a junho de 2018. Para a busca de dados foram utilizadas as bases de dados SciELO, PubMed e Medline. Resultados: foram selecionados quinze artigos publicados no período de 2013-2018, em português, espanhol e inglês, que contemplaram em seus títulos e/ou resumos/conteúdo o termo disreflexia autonômica e/ou reabilitação e/ou traumatismo da medula espinal e/ou seus respectivos unitermos, disponibilizados na íntegra. Verificou-se que com relação ao ano de publicação um contingente maior de publicações no ano de 2017 (33,33%), em língua inglesa (73,33%), ao passo que a revista onde a temática foi mais abordada foi The Journal of Spinal Cord Medicine (20%). Quanto às abordagens dos estudos, verificou-se a determinação de conceitos, manifestações clínicas e cuidados imediatos como temáticas mais apresentadas. Conclusão: foi possível observar que a disreflexia autonômica é uma síndrome de grandes limitações, fatores etiológicos e necessidades de cuidados especializados. Vale mencionar que há uma grande escassez de estudos sobre o tema. 

Biografia do Autor

Luene de Albuquerque Vanconcelos, UNINASSAU- JP

Estudante do Curso de Fisioterapia da UNINASSAU- JP

Letícia Kelly Araújo de Souza, UNINASSAU- JP

Estudande do curso de Fisioterapia da UNINASSAU João Pessoa/ PB

Rafaelly Ferreira de Moura, UNINASSAU- JP

Estudande do curso de Fisioterapia da UNINASSAU João Pessoa/ PB

Luiz Paulo Vicente Freire, UNINASSAU- JP

Estudande do curso de Fisioterapia da UNINASSAU João Pessoa/ PB

Luciana Maria de Morais Martins Soares, CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPE. UNINASSAU JOÃO PESSOA/PB

Doutora em Evolução Humana: antropologia física e forense pela Universidade de Granada e docente do curso de Fisioterapia da UNINASSAU – João Pessoa e Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)

Referências

Brandão CH. Efeitos da estimulação magnética transcraniana de alta frequência sobre a função motora na lesão medular incompleta: Estudos de casos [monografia]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2017. 33 p.

Magalhães SR, Carvalho ZM, Andrade LM, Pinheiro AK, Studart RM. Influência da espiritualidade, religião e crenças na qualidade de vida de pessoas com lesão medular. Texto & contexto enferm. 2015;24(3):792-800.

Nardone R, Orioli A, Golaszewski S, Brigo F, Sebastianelli L, Holler Y. Passive cycling in neurorehabilitation after spinal cord injury: A review. J Spinal Cord Med. 2017; 40(1):8-16.

Santos EA, Alves VL, Ramos S, Frangella VS. Análise do hábito alimentar e do estado nutricional de pacientes com lesão medular após intervenção nutricional. Acta Fisiatr. 2014; 21(3):121-31.

Thomas FP, Araújo DF. Manuseio da disreflexia autonômica em pacientes com lesões medulares. Lesões medulares clínicas e experimentais. Imprensa Universitária da Universidade Federal do Ceará (UFC); 2016. 306 p.

Damiani D. Choque neurogênico: manejo clínico e suas particularidades na sala de emergência. Arq bras neurocir. 2016. 10 p.

França IS, Coura AS, Sousa FS, Almeida PC, Pagliuca LM. Qualidade de vida em pacientes com lesão medular. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(1):155-63.

Chan M. International Perspectives on Spinal Cord Injury. Geneva: World Health Organization; 2013. 250 p.

Roque V, Cunha I, Rocha A, Andrade MJ. Disfunções Autonómicas após Lesão Medular. Portuguese Journal of Physical and Rehabilitation Medicine. 2013; 24(2)1-9.

Allen K J, Leslie SW. Autonomic Dysreflexia: StatPearls [Internet]. 2018 Jul-Jan [cited 2018 Jul 25] Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482434/.

Strci? N, Markic D. The knowledge about autonomic dysreflexia among nursing and physiotherapy students. J Spinal Cord Med. 2018.10 p.

Lagarto F, Pina P. Disreflexia Autonômica no Peri-operatório. Rev Soc Port Anestesiol. 2016; 25(2):69-72.

Wang K, Duan S, Wen X, Wang W, Fang S, Qi D. Angiotensin II system in the nucleus tractus solitarii contributes to autonomic dysreflexia in rats with spinal cord injury. PLoS one. 2017; 12(7).

Khanna K, Theologis AA, Tay B. Autonomic dysreflexia caused by cervical stenosis. Spinal Cord Series and Cases. 2017;(3).

Inskip JA, Lucci VM, McGath MS, Willms R, Claydon VE. A Community Perspective on Bowel Management and Quality of Life after Spinal Cord Injury: The Influence of Autonomic Dysreflexia. J Neurotrauma. 2018; 35(9):1091-105.

Andrade LT, Araújo EG, Andrade KR, Souza DR, Garcia TR, Chianca TC. Disreflexia autonômica e intervenções de enfermagem para pacientes com lesão medular. Rev Esc Enferm USP. 2013; (1):93-100.

Fabro AS, Mejia M, Nemunaitis G. An investigation of the relationship between autonomic dysreflexia and intrathecal baclofen in patients with spinal cord injury. J Spinal Cord Med. 2017;41(1):102-105.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas e Departamento de Atenção Especializada. Diretrizes de Atenção à pessoa com lesão medular. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Lee ES, Joo AM. Prevalence of Autonomic Dysreflexia in Patients with Spinal Cord Injury above T6. BioMed Research International. 2017.6 p.

Solinsky R, Kirshblum SC, Burns S. Exploring detailed characteristics of autonomic dysreflexia. J Spinal Cord Med. 2017; 41(5):549-555.

Eldahan KC, Rabchevsky AG. Autonomic dysreflexia after spinal cord injury: Systemic pathophysiology and methods of management. Auton Neurosci. 2018; 209:59-70.

Vaidyanathan S, Soni BM, Oo T, Hughes PL, Singh G. Missed signs of autonomic dysreflexia in a tetraplegic patient after incorrect placement of urethral Foley catheter: a case report. Patient Saf Surg. 2014; 22:8-44.

Huang YH. Blood pressure and age associated with silent autonomic dysreflexia during urodynamicexaminations in patients with spinal cord injury. Spinal Cord. 2013; 51(5):401-5.

Faaborg PM. Autonomic dysreflexia during bowel evacuation procedures and bladder filling in subjects with spinal cord injury. Spinal Cord. 2014; 52(6):494-8.

Fougere RJ, Currie KD, Nigro MK, Stothers L, Rapoport D, Krassioukov AV. Reduction in Bladder Related Autonomic Dysreflexia after OnabotulinumtoxinA Treatment in Spinal Cord Injury. J Neurotrauma. 2016; 33(18):1651-7.

Downloads

Publicado

20/12/2018

Como Citar

de Albuquerque Vanconcelos, L., Araújo de Souza, L. K., Ferreira de Moura, R., Vicente Freire, L. P., & de Morais Martins Soares, L. M. (2018). Conceitos, manifestações clínicas e cuidados imediatos na disreflexia autonômica/ Concepts, clinical manifestations, and immediate care in autonomical disreflexia/ Conceptos, manifestaciones clínicas y cuidados inmediatos en la disreflexia autonómica. Journal Health NPEPS, 3(2), 618–633. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo de Revisão/ Review Article/ Artículo de Revisión