Perfil de saúde dos homens atendidos em estratégias de saúde da família/ Health Profile of Men Served in Family Health Strategies/ Perfil de salud de los hombres atendidos en estrategias de salud de la familia

Autores

  • Danielle Santana Soares Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis
  • Guilherme Pioli Resende Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis
  • Karoline Cordeiro Silva Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.
  • Aristides José Silva Junior Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.
  • Magda de Mattos Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.
  • Débora Aparecida da Silva Santos Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Saúde do Homem, Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Promoção da Saúde, Prevenção Primária

Resumo

Objetivo: descrever o perfil de saúde dos homens adstritos em estratégias de saúde da família em um município no interior do estado de Mato Grosso. Método: estudo transversal, descritivo com abordagem quantitativa, realizada no município de Rondonópolis, sul do estado de Mato Grosso, Brasil, com uma população masculina. Resultados: participaram 235 indivíduos do sexo masculino com idade média geral de 45,4 anos, com fatores de risco envolvendo sedentarismo, uso predominante de eletrônicos no horário livre, fatores de proteção envolvendo a ausência do tabagismo ou etilismo, hábito de consumo alimentar balanceado com frutas, verduras, proteínas e carboidratos, contraposto pelo elevado consumo de doces e refrigerantes e patologias crônicas auto referidas com preponderância da hipertensão arterial associada ou não com outras patologias. Conclusão: o vínculo entre a atenção primária e os homens da comunidade da área de abrangência ainda é tênue, tornando-se necessário demonstrar sua presença à população masculina e proporcionar maior adesão ao tratamento das doenças crônicas e às medidas de rastreio das patologias prevalentes nesse grupo, visando-se assim a melhora progressiva dos resultados objetivados nessas populações.

Biografia do Autor

Danielle Santana Soares, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Guilherme Pioli Resende, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis

Graduando em Medicina pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Karoline Cordeiro Silva, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Aristides José Silva Junior, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Docente. Doutor. Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Rondonópolis. Curso de Enfermagem. Rondonópolis, Mato Grosso.

Magda de Mattos, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Docente. Doutora. Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Rondonópolis. Curso de Enfermagem. Rondonópolis, Mato Grosso

Débora Aparecida da Silva Santos, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Câmpus Universitário de Rondonópolis.

Docente. Doutora. Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Rondonópolis. Curso de Enfermagem. Rondonópolis, Mato Grosso.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: Princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Alves FP. Saúde do homem: ações integradas na atenção básica. Recife: Ed. Universitária da UFPE; 2016.

Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Projeções da população por sexo e idade 2010-2060. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9109-projecao-da-populacao.html?=&t=resultados. Acesso em 3 jul. 2018.

Pozzati R, Beuter M, Rocha LS, Santos NO, Budó MLD, Girardon-Perlini NMO. O cuidado na saúde dos homens: realidade e perspectivas. Rev Enferm UERJ. 2013; 4(21):540-5.

Oliveira JCAX, Correa ACP, Silva LA, Mozer IT, Medeiros RMK. Perfil epidemiológico da mortalidade masculina: contribuições para enfermagem. Cogitare Enferm. 2017; 22(2): e49724.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Perfil da morbimortalidade masculina no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Moura EC, Santos W, Neves ACM, Gomes R, Schwarz E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2014; 2(19):429-38.

Silva SPC, Menandro MCS. As representações sociais da saúde e de seus cuidados para homens e mulheres idosos. Saúde Soc. 2014; 23(2):626-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico - estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2017a.

Pereira MMM, Cézar ESR, Pereira VCLS, Braga LS, Espínola LL, Azevedo EB. Saúde do homem na atenção básica: análise acerca do perfil e agravos à saúde. Rev Enferm UFPE online. 2015; 1(9):440-7.

Brasil. Portaria nº 3.194/GM/MS, de 28 de novembro de 2017. Dispõe sobre o Programa para o Fortalecimento das Práticas de Educação Permanente em Saúde no Sistema Único de Saúde - PRO EPS-SUS. Diário Oficial da União, nº 229, de 30 de novembro de 2017b, Seção 1, p. 141.

Dantas RCO, Farias DAA, Oliveira FVA, Paes NA. Medidas Preventivas para o Controle da Hipertensão Arterial Sistêmica em Homens de um Município Paraibano. Rev bras ciênc saúde. 2013; 17(3):217-24.

Oliveira MS, Lacerda LNL, Santos LC, Lopes ACS, Câmara AMCS, Menzel HJK, Horta PM. Consumo de frutas e hortaliças e as condições de saúde de homens e mulheres atendidos na atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2015; 8(20):2313-22.

Czorny RCN, Gazetta CE, Pinto MH, Ribeiro RCHM, Beretta D, Rodrigues CC. Perfil do usuário homem atendido em uma unidade básica de saúde da família. Rev Enferm UFPE online. 2017; 4(11):1624-31.

Zamai CA, Bankoff ADP, Moraes MA. Levantamento do índice de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre servidores da Unicamp. In: Zamai CA, Bankoff ADP. A ciência e a pesquisa em ação – atividades físicas, saúde e qualidade de vida: pesquisas e relatos de experiências. Jundiaí: Paco Editorial; 2016.

Chibante CL, Santos TD, Santo FHE. Os desafios do envelhecer com saúde: perfil de clientes hospitalizados com doenças crônicas. Rev Enferm UFPE on line. 2014; 9(8):3149-56.

Malta DC, Bernal RTI, Oliveira M. Tendências dos fatores de risco de doenças crônicas não transmissíveis, segundo a posse de planos de saúde, Brasil, 2008 a 2013. Ciênc Saúde Colet. 2015; 4(20):1005-16.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Inca. Instituto Nacional de Câncer. Disponível em: <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/definicao>. Acesso em: 28 de maio de 2018.

Cordeiro SVL, Fontes WD, Fonsêca RLS, Barboza TM, Cordeiro CA. Atenção básica à saúde masculina: possibilidades e limites no atendimento noturno. Esc Anna Nery. 2014; 4(18):644-99.

Gomes FC, Nascimento LSS, Bezerra TA, Paulino GS, Oliveira EA. Estudo epidemiológico da população masculina atendida por um projeto de extensão itinerante. Rev Enferm UFPE online. 2013; 7(1):763-72.

Nascimento VF, Lemes AG. Saúde do homem: sentimento de masculinidade comprometida. Rev Eletrônica Gestão & Saúde. 2014; 5(1):80-90.

Downloads

Publicado

20/12/2018

Como Citar

Santana Soares, D., Pioli Resende, G., Cordeiro Silva, K., Silva Junior, A. J., de Mattos, M., & da Silva Santos, D. A. (2018). Perfil de saúde dos homens atendidos em estratégias de saúde da família/ Health Profile of Men Served in Family Health Strategies/ Perfil de salud de los hombres atendidos en estrategias de salud de la familia. Journal Health NPEPS, 3(2), 552–565. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)