Indicadores de saúde ambiental nos assentamentos do município de Cáceres - faixa fronteiriça Brasil/Bolívia/ Environmental health indicators in the settlements of the county of Cáceres - border strip Brazil/Bolivia/ Indicadores de salud ambiental...

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Qualidade da água, Diarreia, Crianças, Lixo.

Resumo

Objetivo: propor e avaliar indicadores de saúde ambiental dos assentados na faixa fronteiriça cacerense. Método: utilizou-se o estudo descritivo, explicativo, quanti-qualitativo e censo, abrangendo todos os responsáveis pelas propriedades (lotes) dos assentamentos Jatobá, Nova Esperança, Rancho da Saudade, Sapicuá, Corixo, Bom Sucesso e Katira. Para coleta de dados foi aplicado um formulário semiestruturado, no período de março a julho de 2016, a 136 agricultores. Na construção dos indicadores utilizou-se a abordagem derivada do modelo Pressão-Estado-Impacto-Resposta. Os indicadores propostos foram: destinação do lixo, qualidade da água e casos de diarreia em crianças. As fontes de captação de água foram submetidas a quatro análises físico-química e microbiológica. Resultados: na destinação do lixo doméstico predominou a categoria queima com 80,9%, seguida das categorias enterra com 8,8% e queima e enterra com 10,3%. Verificou-se que a água não atende as exigências do Ministério da Saúde, devido à presença de Coliformes Totais. O número de crianças nos assentamentos foi 69, destas 88,40% consomem água dos poços coletivos, 52,45% apresentaram episódios de diarreia. Conclusão: os indicadores mostraram-se eficazes, sendo necessárias ações coletivas de orientações referentes aos cuidados com a destinação do lixo e o isolamento no entorno dos poços, e análises periódicas das águas destes assentamentos

Biografia do Autor

Poliana Roma Greve Nodari, Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestra em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2017). Especialista em Enfermagem do Trabalho pela Faculdade Católica Dom Aquino de Cuiabá (2010). Especialista em Urgências e Emergências Clínicas pela Faculdade Católica Dom Aquino de Cuiabá (2010). Bacharel em Enfermagem pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2009). Docente da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Curso de Bacharel em Enfermagem. Docente da Faculdade do Pantanal (FAPAN).

Sandra Mara Alves da Silva Neves, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui licenciatura plena e bacharelado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1993), mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999) na área de concentração Planejamento Ambiental, doutorado em Ciências (Geografia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006) na área de concentração Gestão e Planejamento Ambiental e estágios de pós-doutorado em Geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016) e em Ecologia de Paisagem na Universidad Complutense de Madrid (2017). Atualmente é professora adjunta da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, lotada no Campus Jane Vanini, na cidade de Cáceres/MT e docente permanente nos Programas de pós-graduação stricto sensu em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola e Geografia, ambos da UNEMAT, sediados respectivamente nos Campi de Tangará da Serra e Cáceres. Atua principalmente nos seguintes temas: Geotecnologias aplicadas a detecção de mudanças na cobertura vegetal e uso da terra, Planejamento Ambiental e Paisagem.

Géssica de Jesus Oliveira Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em Geografia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2017). Atualmente é mestranda em Geografia também pela Universidade do Estado de Mato Grosso e colaboradora no Grupo de Pesquisa SERPEGEO - UNEMAT, Cáceres-MT. Tem experiência na área de Análise Ambiental e atua principalmente nos seguintes temas: Geotecnologias aplicadas a detecção de mudanças na cobertura vegetal e uso da terra, Sensoriamento Remoto e Sistema de Informação Geográfica (SIG) aplicados no monitoramento de Bacias Hidrográficas e Índices de queimada.

Douglas Ehle Nodari, Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestre em Educação (2016) - Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Especialista em Educação Matemática Comparada (2013) - Escola Superior Aberta do Brasil (ESAB). Especialista em Gestão Pública (2011) - Faculdade do Pantanal Matogrossense (FAPAN). Licenciado Pleno em Matemática (2008) - Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Técnico Administrativo do Ensino Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso (2005 - atual).

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Saúde ambiental: guia básico para construção de indicadores. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Van Bellen HM. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) (FR). Environmental indicators: development, measurement and use. Paris: OCDE, 2003.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Directorate General Environment, Working Group of the Expert Group on the Urban Environment: towards a local sustainability profle. European Common Indicators, PNUMA, 2000.

Silva SSF, Santos JG, Cândido GA, Ramalho AMC. Indicador de Sustentabilidade Pressão–Estado–Impacto–Resposta no Diagnóstico do Cenário Sócio Ambiental resultante dos Resíduos Sólidos Urbanos em Cuité, PB. REUNIR – Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade 2012; 2(3):76-93.

Sardinha DS, Conceição FT, Souza AG, Silveira AJM, Gonçalves JCSI. Avaliação da qualidade da água e autodepuração do ribeirão do Meio, Leme (SP). Eng Sanit Ambient. 2008; 13:329-38.

Kronemberger DMP, Clevelário Júnior J. Análise dos impactos na saúde e no Sistema Único de Saúde decorrente de agravos relacionados ao esgotamento sanitário inadequado nos municípios brasileiros com mais de 300.000 habitantes, 2010. [acessado 2016 dez 12]. Disponível em: http://www.agersa.es.gov.br/site/arquivos/relatorios/Estudo%20Completo%20Esgoto_TRATA%20BRASIL.pdf

Borja PC, Moraes LRS. Indicadores de Saúde Ambiental com enfoque para a área de saneamento. Parte 1 – aspectos conceituais e metodológicos. Eng Sanit Ambient. 2003; 08(01/02):13-25. [acessado 2016 dez 11]. Disponível em: http://www.abes-dn.org.br/publicacoes/engenharia/resaonline/v8n12/v8n12n02.pdf

World Gastroenterology Organisation (WGO) (US). Guia Prático da Organização Mundial de Gastroenterologia. Diarreia Aguda. Milwaukee-US: WGO, 2009.

INCRA. Instituto Nacional da Reforma Agrária (BR). Sistema de Informações de Projetos de Reforma Agrária. Brasília: IBGE, 2015. [acessado 2016 fev 18]. Disponível em: http://www.incra.gov.br/sites/default/files/uploads/reforma-agraria/questao-agraria/reforma-agraria/projetos_criados-geral.pdf

Neves SMAS, Nunes MCM, Neves RJ. Caracterização das condições climáticas de Cáceres/MT - Brasil, no período de 1971 a 2009: subsídio às atividades agropecuárias e turísticas municipais. Bol Goia Geogr. 2011; 31(2):55-68.

American Public Health Association (APHA) (US). Standard methods for the examination of water and wastewater. 22th ed. Washington: APHA/WEF/AWWA, 1996.

Macêdo JAB. Métodos laboratoriais de análises físico-químicas e microbiológicas. 2a ed. Belo Horizonte: CRQ/MG, 2003.

Agência Nacional das Águas (ANA) (BR). Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo; Organizadores: Carlos Jesus Brandão ... [et al.]. São Paulo: CETESB; Brasília: ANA, 2011.

Gomes MJM. Ambiente e Pulmão. J peumol. 2002; 28(5):261-9.

Catapreta CAA, Heller L. Associação entre coleta de resíduos sólidos domiciliares e saúde, Belo Horizonte (MG), Brasil. Rev Panam Salud Publica. 1999; 5(2):88-96.

Razzolini MTP, Günther WMR. Impactos na Saúde das Deficiências de Acesso a Água. Saúde Soc. 2008; 17(1):21-32.

Amaral LA, Nader Filho A, Rossi OD Jr, Ferreira FLA, Barros LSS. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Rev saúde pública. 2003; 37(4):510-4.

Silva RCA, Araújo TM. Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Ciênc Saúde Colet. 2003; 8(4): 1019-28.

Barreira LP, Philippi A Jr. A problemática dos resíduos de embalagens de agrotóxicos no Brasil. In: Anais do XXVIII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental; 2002; out 27-31; Cancun, México. p. 1-8.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativas ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2011; 12 dez.

Conte VD, Colombo M, Zanrosso AV, Salvador M. Qualidade microbiológica de águas tratadas e não tratadas na região Nordeste do Rio Grande do Sul. Infarma. 2004; 16(11/12):83-4.

Ramos REM, Lyra NRS, Oliveira CM. Alergia alimentar: reações e métodos diagnóstico. J Manag Prim Heal Care. 2013; 4(2): 54-63.

Downloads

Publicado

20/12/2018

Como Citar

Nodari, P. R. G., Neves, S. M. A. da S., Silva, G. de J. O., & Nodari, D. E. (2018). Indicadores de saúde ambiental nos assentamentos do município de Cáceres - faixa fronteiriça Brasil/Bolívia/ Environmental health indicators in the settlements of the county of Cáceres - border strip Brazil/Bolivia/ Indicadores de salud ambiental. Journal Health NPEPS, 3(2), 413–425. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale