Perfil epidemiológico da população com câncer de Cacoal - Rondônia, Brasil/ Epidemiological profile of the population with câncer in Cacoal - Rondônia, Brazil/ Perfil epidemiológico de la población con cáncer de Cacoal - Rondônia, Brasil

Gleison Faria, Aline de Souza Gude, Mariana kely Diniz Gomes de Lima

Resumo


Objetivo: verificar o perfil epidemiológico da população com câncer de Cacoal – Rondônia, Brasil. Método: estudo documental, retrospectivo e quantitativo baseado em dados de prontuários entre 2012 a 2018, em um centro oncológico. Resultados: 52,48% são do sexo feminino, 29,60% com 1º grau incompleto, porém 32,16% não havia informação sobre escolaridade. Em relação a cor da pele, 38,72% eram brancas e 40,64% ignorado. Em sua maioria eram da zona urbana (82,72%). Prevaleceu câncer de próstata (15,04%) e câncer de mama (12%). Sobre o tratamento, 35,20% fizeram quimioterapia e 42,40% radioterapia. Sobre a evolução dos pacientes, não houve informação nos prontuários de cura ou alta. Conclusão:  percebeu-se que a incidência de câncer na população de Cacoal é de 7,95 casos para cada 1000 (mil) habitantes. Diante do exposto, ressalta-se a importância das campanhas de prevenção que são realizadas ao longo dos anos, com estratégias para a detecção precoce, identificando sinais, sintomas e lesões sugestivas de câncer.


Palavras-chave


Epidemiologia; Neoplasia; Comportamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Melo FBB, Marques CAV, Rosa AS, Figueiredo EM, Gutiérrez MGR. Ações do enfermeiro na detecção precoce do câncer de mama. Rev Bras Enferm. 2017; 70(6):1119-1128.

Ministério da saúde (BR). Instituto nacional do câncer. Conceito e magnitude. Brasília: Ministério da saúde; 2019.

Organização Pan-Americana da Saúde. As 10 principais causas de morte no mundo – Brasília: 2018. [citado em 10 mai. 2019]. Disponível em: https://www.paho.org/bra.../index.php?option=com_content&view=article&id=5638:10-principais-causas-de-morte-no-mundo&Itemid=0

Organização Mundial de Saúde. Folha informativa – Câncer. Brasília: OMS; 2018.

Oliveira JM, Reis JB, Silva RA. Busca por cuidado oncológico: Percepção de paciente e familiares. Rev Bras enferm. 2018; 12(4):938-46.

Ferrazza A, Muniz RM, Pinto BK, Viegas AC, Matos MR. A sobrevivência ao câncer na perspectiva da família. Rev Bras enferm. 2016; 10(3):1022-8.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Incidência de Câncer no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Francisco PMSB, Segri NJ, Barros MBA, Malta DC. Desigualdades sociodemográficas nos fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis: inquérito telefônico em Campinas, São Paulo. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(1):7-18.

Carvalho JB, Paes NA. Taxas de mortalidade por câncer corrigidas para os idosos dos estados do Nordeste brasileiro. Ciênc Saúde Coletiva. 2019; 24(10):3857-3866.

Silva MGP, Bedor CNG, Alencar KMSA, Curado MP, Moura LTR. Tendências da morbimortalidade por câncer infantojuvenil em um polo de fruticultura irrigada. Cad saúde coletiva. 2018; 26(1):38-44.

Oliveira MM, Malta DC, Guauche HML, Silva GA. Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev bras epidemiol. 2015; 18(Suppl 2):146-157.

Pires CAA, Fayal AP, Cavalcante RH, Fayal SP, Lopes NS, Fayal FP, et al. Câncer de pele: caracterização do perfil e avaliação da proteção solar dos pacientes atendidos em serviço universitário. J Health Biol Sci. 2018; 6(1):54-59.

Souza LVNF, Sousa GM, Almeida BP, Diascânio JM, Souza PCM, Silva RS, et al. Prevalência dos casos de Câncer de próstata e mama em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil (2009-2014). Rev Eletrônica Acervo Saúde. 2019; (28):e968.

Palacios SM, Narváez PFP, Araya JSS, Vicente MS, Guillermo GK. Rol de la cirugía en cáncer de próstata oligometastásico. Rev Chil Urol. 2018; 83(1):49-53.

Belinelo RGS, Almeida SM, Oliveira PP, Onofre PSC, Viegas SMF, Rodrigues AB. Exames de rastreamento para o câncer de próstata: vivência de homens. Esc Anna Nery. 2014; 18(4):697-704.

Unexpo R, Peña Rosas GD, Maldonado Lira BM, Suárez P, Espanha Francis NA. Fatores de risco na prevenção do câncer de próstata do pessoal da Universidade Católica Pontificada Do Equador Sede Esmeraldas. Rev Uct. 2019; 23(93):7.

Ohl ICB, Ohl RIB, Chavaglia SRR, Goldman RE. Public actions for control of breast cancer in Brazil: integrative review. Rev Bras Enferm. 2016; 69(4):746-55.

Sadi MV. PSA screening for prostate cancer. Rev Assoc Med Bras. 2017; 63(8):722-725.

Grangeiro AM, Novato KM, RosaJL, Nunes DLD, Sandoval GM. Incidência e mortalidade por câncer de próstata no Tocantins e Palmas, no período de 2010 a 2014. Rev Patol Tocantins. 2019; 6(1): 27-30.

Zorrilla Torras B, Parra Blázquez D, Moñino Zubia D, Aragonés Sanz N. Estimativa da incidência de câncer na Comunidade de Madri em 2015. Rev Madri Sal Pub. 2019; 1(6):1-8.

Rebouças MV, Sousa ANSS, Sant'ana BG, Oliveira-Junior GS, Rodrigues AR, Mello DACP. PSA alterado e aumento da prevalência do câncer de próstata em militares das forças armadas. Rev Braz J Develop. 2019; 5(10):22817-22825.

Ministério da Saúde (BR). Câncer de mama: sintomas, tratamentos, causas e prevenção. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Assis EA, Barreto ML, Lima KBE. Perfil sociodemográfico do câncer de mama na Bahia nos anos de 2013 a 2018. Rev Text. 2019; 13(21):104-113.

Saldanha RF, Xavier DR, Carnavalli KM. Estudo de análise de rede do fluxo de pacientes de câncer de mama no Brasil entre 2014 e 2016. Cad Saúde Pública. 2019; 35(7):e00090918.

Dias M, Zombowski K, Michels FAZ, Sperandio FF. Implicações das cirurgias de câncer de mama nas atividades profissionais. Cad Bras Ter Ocup. 2017; 25(2): 325-332.

Ferreira RGR, Franco LFR. Qualidade de vida no câncer de mama. Braz J Develop. 2017; 5(11):22835-22845.

Drukker CA, Bueno-de-Mesquita JM, Rete`l VP, Van Harten WH, Van Tinteren H, Wesseling J, et al. A prospective evaluation of a breast cancer prognosis signature in the observational. Int J Cancer. 2013; 133(1):929–936.

Aguirre S, Ángeles X Evolución de pacientes con cáncer de mama HER 2 positivo del Hospital Bertha Calderón 2016 a 2017. Other thesis, Univ Nac Aut da Nicarágua Med Esp. 2019; (1):378-242.

Alves PC, Ferreira IS, Santos MCL, Almeida AOA, Fernandes AFC. Efeitos de intervenção educativa no conhecimento e atitude sobre detecção precoce do câncer de mama. Rev Rene. 2019; 20:e40765.

Ferraz ETR, Jesus MEF. Ações educativas: papel da (o) enfermeira (o) na prevenção do câncer do colo do útero. Braz J Develop. 2019; 5(10):21083-21093.

Nora AB, Panarotto D, Lovatto L, Boniatti MM. Frequência de aconselhamento para prevenção de câncer da pele entre as diversas especialidades médicas em Caxias do Sul. An Bras Dermatol. 2019; 79(1):45-51.

Cezar-Vaz MR, Bonow CA, Piexak DR, Kowalczyk S, Vaz JC, Borges AM. Câncer de pele em trabalhadores rurais: conhecimento e intervenção de enfermagem. Rev esc enferm USP. 2015; 49(4):0564-0571.

Torres ESG, Nascimento BS, Faria G, Luz GS, Betin TA. Conhecimento sobre hpv e câncer de colo de útero entre estudantes do ensino superior de uma faculdade no município de Cacoal-RO. Rev Cient FAEMA. 2019; 10(1):11-16.

Carneiro CPF, Pereira DM, Pereira AT, Santos GAS, Moraes FAS, Duarte RFR. O Papel do enfermeiro frente ao câncer de colo uterino. Rev Eletrônica Acervo Saúde. 2019; 35(1362):1-9.

Oliveira MAC, Fernandes ETBS, Merces MC, Fernandes TSS, Gomes AMT. Conhecimento e acesso de mulheres à prevenção do câncer de colo uterino. Enferm Brasil. 2018; 17(6):685-693.

Vale DB, Sauvaget C, Murillo R, Muwonge R, Zeferino LC, Sankaranarayanan R. Correlation of Cervical Cancer Mortality with Fertility, Access to Health Care and Socioeconomic Indicators. Rev Bras Ginecol Obstet. 2019; 41:249–255.

Souza JC, Santos EGA, Santos ALS, Santos MIPO, Fernandes DS, Oliveira TNC. Qualidade de vida de idosos submetidos à quimioterapia antineoplásica atendidos em um hospital de referência oncológica. Rev Pan-Amaz Saúde. 2018; 9(3):47-55.

Rocha CBA, Cruz JW, Oliveira JCS. Insecurity in cervical cancer controlling actions: the nurse’s role in the family health strategy. J res fundam care online. 2019; 11(4):1072-1080.

Souza NRR, Viana M, Miranda MLC, Guimarães BCS, Miranda ML, Souza JHK. Relação entre terapia de reposição hormonal do climatério e o desenvolvimento de neoplasias. Braz J Surg Clinl Res. 2019; 25(2):135-143.

Padilla SG. Benefícios da radioterapia hipofracionada no câncer de mama no Hospital Edgardo Rebagliati Martins 2010-2017. Rev Ver Liber. 2019; 1(1):1-51.

Mroginski MS, Silva JPA, Cunha AMD, Santos FP, Silva ACA, Gomes LB, et al. Avaliação retrospectiva de resultados cirúrgicos de tumores hipofisários em pacientes com acromegalia em hospital terciário de Porto Alegre. Rev Arq Bras Neurocir. 2018; 37(S 01):S1-S332.

Maia NZ, Bianchi G, Sueta R. Centro de Tratamento Oncológico: A situação da rede de tratamento de câncer de Araçatuba e região. Rev Nac Gerenci Cid. 2016; 4(27):42-51.

Wakiuchi J, Marcon SS, Oliveira DC, Sales CA. A quimioterapia sob a ótica da pessoa com câncer: uma análise estrutural. Texto contexto - enferm. 2019; 28:e20180025.

Molina-Giraldo S, Hincapié PCF, Suarez PEA, López A, Omar AO, Rojas EAJL. Utilidad de la quimioterapia con corticoides en la reducción de volumen de las lesiones en fetos con malformación congénita de la vía aérea pulmonar (MCVAP): serie de casos. Rev chil obstet ginecol. 2019; 84(3):208-216.

Gurgel IO, Sá PM, Reis PED, Cherchiglia ML, Reis IF, Mattia AL, et al. Prevalência de práticas integrativas e complementares em pacientes submetidos à quimioterapia antineoplásica. Cogitare enferm. 2019; 1(24): 64450.

Vasconcellos SA, Muniz RM, Viegas AC, Cardoso DH, Amaral DED, Barboza MCN. Mulher com câncer do colo do útero: trajetória terapêutica. J Health NPEPS. 2016; 1(1):17-30.

Santo RP, Mendes FJ, Albuquerque JAAC, Rui A. Resposta Celular à Radiação Ionizante – Estudos in vitro em linhas celulares do carcinoma da próstata humana. Rev Univ Coimbra. 2018; 1(18):38-29.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010