Conhecimento de enfermeiros sobre sepse e choque séptico em um hospital escola/ Nurses' knowledge about sepsis and septic shock in a teaching hospital/ Conocimiento de las enfermeras sobre sepsis y shock séptico en un hospital universitario

Autores

  • Thais Vilela de Sousa Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Lorena Morena Rosa Melchior Universidade Federal Goiás (UFG)
  • Maria Luiza Rêgo Bezerra Universidade Paulista (UNIP)
  • Francidalma Soares Souza Carvalho Filha Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)
  • Osmar Pereira dos Santos Faculdade União de Goyazes Trindade
  • Mayara Cândida Pereira Universidade Paulista (UNIP)
  • Keila Cristina Félis Centro Universitário de Goiatuba
  • Iel Marciano de Moraes Filho Universidade Paulista (UNIP)

DOI:

https://doi.org/10.30681/25261010

Palavras-chave:

Sepse, Enfermagem, Conhecimento.

Resumo

Objetivo: identificar o conhecimento de enfermeiros sobre sepse e choque séptico em um hospital escola. Método: estudo transversal e descritivo, realizado em hospital escola público de uma capital brasileira. A amostra foi composta por 47 enfermeiros, que realizavam cuidados a pacientes adultos em unidades de internação. A coleta de dados ocorreu entre julho e agosto de 2017. Os resultados foram apresentados por estatística descritiva. Resultados: a maioria dos enfermeiros estudaram sobre sepse durante a graduação, mas 40,4% referiram ter dificuldades no cuidado ao paciente séptico, 70,2% responderam erroneamente sobre a atual definição de sepse, 51% ou elencaram sinais não utilizados para identificação da sepse ou descreveram apenas sinais da síndrome da resposta inflamatória sistêmica. Conclusão: é possível refletir que talvez esses participantes apenas “fazem” ou seguem prescrições. Esses participantes apresentaram pouco conhecimento acerca da definição e classificação da sepse, bem como dificuldades na identificação precoce das alterações sistêmicas.

Referências

Singer M, Deutschman CS, Seymour CW, Shankar-Hari M, Annane D, Bauer M, et al. The third international consensus defenitions for sepsis and septic shock (Sepsis-3). JAMA. 2016; 315(8):801-810.

Roth GA, Abate D, Abate KH, Abay SM, Abbafati C, Abbasi N, et al. Global, regional, and national age-sex-specific mortality for 282 causes of death in 195 countries and territories, 1980-2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. The Lancet. 2018; 392:1736-88.

DATASUS. Mortalidade por septicemia. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Rhodes A, Evans LE, Alhazzani W, Levy MM, Antonelli M, Ferrer R, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock: 2016. Intensive Care Med. 2017; 43:304-377.

Conselho Regional de Enfermagem. Sepse um problema de saúde pública. Atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. São Paulo - Brasil. [Internet] 2017 [cited 2018 Jun 6]. Available from: <https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/livro-sepse-um-problema-de-saude-publica-coren-ilas.pdf>.

Instituto Latino Americano de Sepse. Implementação de Protocolo Gerenciado de Sepse. Protocolo clínico Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico. [Internet] 2018 [cited 2018 nov 7]. Available from: <https://ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf>.

Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS). Relatório Nacional. Protocolo Gerenciados de Sepse. Sepse Grave e Choque Séptico 2005-2015. São Paulo; 2016.

Goulart LS, Ferreira Júnior MA, Sarti ECFB, Sousa AFL, Ferreira AM, Frota OP. Os enfermeiros estão atualizados para o manejo adequado do paciente com sepse? Esc Anna Nery. 2019; 23(4):e20190013.

Pedroso KKA, Oliveira SA, Machado RC. Validação de protocolo assistencial ao paciente séptico na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3):1106-1114.

Pedro TCS, Morcillo AM, Baract ECE. Etiologia e fatores prognósticos da sepse em crianças e adolescentes admitidos em terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2015; 27(3):240-246.

Melech CS, Paganini MC. Avaliação do conhecimento de médicos e equipe de enfermagem nas ocorrências de sepse. Rev Med UFPR. 2016; 3(3):127-132.

Pedrosa KKA, Oliveira SA, Machado RC. Validation of a care protocol for the septic patient in the Intensive Care Unit. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3):1106-14.

Leal LA, Soares MI, Silva BR, Chaves LDP, Camelo SHH. Desafios para desenvolver competências no âmbito hospitalar. REME Rev Min Enferm. 2018; 22:e-1099.

Cárnio EC. Novas Perspectivas no Tratamento do Paciente com Sepse. Rev latinoam enferm. 2019; 27:e3082.

Salviano MEM, Nascimento PDFS, Paula MA, Vieira CS, Frison SS, Maia MA, et al. Epistemology of nursing care: a reflection on its foundations. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):1172-7.

Kochhan SI, Mello AS, Dani C, Forgiarini Júnior LA. Adesão ao protocolo de sepse em um serviço de emergência relacionado à taxa de mortalidade intra-hospitalar. Rev Eletr Acervo Saúde. 2020; 38:e1856.

Cecconi M, Evans L, Levy M, Rhodes A. Sepsis and septic shock. Lancet. 2018; 392(10141):75-87.

Araújo KM, Leta J. Os hospitais universitários federais e suas missões institucionais no passado e no presente. Hist Ciênc Saúde. 2014: 21(4):1261-1281.

Cruz YV, Cardoso JDC, Cunha CRT, Vechia ADRD. Perfil da morbimortalidade da unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. J Health NPEPS. 2019; 4(2):230-239.

Garrido F, Tieppo L, Pereira MDS, Freitas R, Freitas WM, Filipini R, et al. Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. ABCS Health Sci. 2016; 42(1):15-20.

Lima JCC, Moraes-Filho IM, Santos TN, Silva CS, Melchior LMR, Sousa TV. Sepse e choque se?ptico: compreensa?o de enfermeiros de um hospital escola de grande porte. REVISA. 2020; 9(2):254-61.

Downloads

Publicado

01/06/2020

Como Citar

Sousa, T. V. de, Melchior, L. M. R., Bezerra, M. L. R., Carvalho Filha, F. S. S., Santos, O. P. dos, Pereira, M. C., Félis, K. C., & Moraes Filho, I. M. de. (2020). Conhecimento de enfermeiros sobre sepse e choque séptico em um hospital escola/ Nurses’ knowledge about sepsis and septic shock in a teaching hospital/ Conocimiento de las enfermeras sobre sepsis y shock séptico en un hospital universitario. Journal Health NPEPS, 5(1), 132–146. https://doi.org/10.30681/25261010

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)