E por falar em inclusão...

Autores

  • Zilda de Oliveira Profa. da Educação Pública em Campos de Júlio
  • CECILIA de Campos FRANÇA Unemat Tangará da Serra

Resumo

Este artigo teve como objetivo tecer reflexões acerca do discurso de inclusão tão em evidência em nosso tempo. Para nos auxiliar nesse percurso, escolhemos autores como Marx (1971), Harvey (2008), Lyra Filho (1982), Sawaia (1999), França (2005), Saramago (2015), Amartya Sen (2011), Oliveira (et. al. 2005), Foucault (1989), Freire (1987), Pellanda (2001), Silva (2009; 2015), Sousa e Menezes (2009), Santos (2009), Cavallari (2010).  Trouxemos discussão sobre a organização do mundo contemporâneo ocidental capitalista, questões como a produção social e cultural de identidade e diferença, o Outro como ameaça para identidades constituídas, discursos como relações de poder. É importante tratar de inclusão como pedagogia da diferença se, de fato, quisermos contribuir na construção de consciência crítica, no contexto educacional. Concluímos que, até o momento, o discurso de inclusão educacional tem se mantido como falacioso, uma vez que não existem condições que possibilitem sua realização.

Biografia do Autor

Zilda de Oliveira, Profa. da Educação Pública em Campos de Júlio

Licenciada em Matemática pela UFMT, mestre em Educação pela parceria Brasil - EUA com a Floria University USA. Profa. de escola pública em Campos de Júlio.

CECILIA de Campos FRANÇA, Unemat Tangará da Serra

Formação em psicologia, pedagogia, mestre e doutora em Educação, psicologia da educação pela PUC São Paulo. Pós doutorado em Educação pela Unicamp.

Profa. Adjunta da Unemat, departamento de Letras, campus Tangará da Serra - MT

Referências

AMBIENTE BRASIL. Anvisa Aprova Mudança na Classificação de agrotóxicos. 24/07/2019. Disponível em: https://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2019/07/24/153082-anvisa-aprova-mudanca-na-classificacao-de-agrotoxicos.html Acesso em dezembro de 2019.

CAVALLARI, Juliana Santana. O equívoco no discurso da inclusão: o funcionamento do conceito de diferença no depoimento de agentes educacionais. Revista RBLA. Belo Horizonte, v.10, n. 3, pp. 667-680, 2010.

D’AVILA, Alfonso Augusto (et al). Agrotóxicos ou Defensivos Agrícolas: Estudo Bibliométrico na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. II Simpósio Internacional de Inovação em Cadeias Produtivas do Agronegócio. Universidade Caxias do Sul, RS. Realizado no período de 26 e 27 de agosto de 2016. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/IIsimposioinovacaoagronegocio/simposioinovacaoagronegocioucs/paper/viewFile/4653/1480 Acesso em junho de 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1989.

FRANÇA, Cecília de Campos. Políticas de Identidade e Estratégias Identitárias: reflexões sobre a dinâmica de relações exclusão/inclusão no contexto escolar. Tese. São Paulo. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. – 17ª. Ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GRIGORI, Pedro. Agrotóxico, Veneno, Defensivo? Entenda a disputa do nome destes produtos agrícolas. Repórter Brasil, 24/01/2019. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2019/01/agrotoxico-veneno-defensivo-entenda-a-disputa-pelo-nome-desses-produtos-agricolas/ Acesso em março de 2019.

HARVEY, David. Para entender o Capital. vol.1. São Paulo: Editora Boitempo, 2013.

HARVEY, David. O neoliberalismo. História e Implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008. pp.11-48.

LYRA FILHO, Roberto. O que é Direito. 11ª edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro 1: O processo de produção capitalista. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

OLIVEIRA, Admardo Serafim de (et al). Introdução ao Pensamento Filosófico. 8ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

PELLANDA, Nize Maria Campos. À Guisa de Introdução: Reflexões sobre Neoliberalismo e Subjetividade. In: Mc LAREN, Peter. A Pedagogia da Utopia: Conferências na UNISC. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001, pp. 7 - 28.

PROJETO BRASIL POPULAR. Website. Disponível em: http://www.frentebrasilpopular.org.br/conteudo/organizacoes-participantes/ Acesso em dezembro de 2019.

SARAMAGO, José. Este Mundo de Injustiça Globalizada. Ciberfil Literatura Digital. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ph000302.pdf Acesso em outubro de 2015, p.1-4.

SAWAIA, Bader. Introdução: Exclusão ou Inclusão perversa? In: SAWAIA, Bader (org.). As Artimanhas da Exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1999, p.7-13.

SEN, Amartya. A Ideia de Justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SILVA, Tomaz Tadeu (org). A produção Social da Identidade e da Diferença. s/d. Disponível em: http://www.diversidadeducainfantil.org.br/PDF/A%20produ%C3%A7%C3%A3o%20social%20da%20identidade%20e%20da%20diferen%C3%A7a%20-%20Tomaz%20Tadeu%20da%20Silva.pdf Acesso em setembro de 2015.

SANTOS Boaventura de Sousa; MENEZES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Editora Almedina, 2009.

SOUSA, Jessé. Ralé Brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

THUSWOSHI, Maurício. Grupo de Seis Empresas Controla Mercado Global de Transgênicos. Jornal Repórter Brasil. Online. Edição de 12 nov.2013. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2013/11/grupo-de-seis-empresas-controla-mercado-global-de-transgenicos-2/ Acesso em mar. 2016.

Downloads

Publicado

18/01/2021

Como Citar

Oliveira, Z. de, & FRANÇA, C. de C. (2021). E por falar em inclusão. REVISTA MOINHOS, (9), 75–92. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/moinhos/article/view/4418

Edição

Seção

Artigos