Gênesis e Popol Vuh: O papel da mulher nas narrativas de origem

Autores

  • Paloma Cardoso de Oliveira UNEMAT
  • Neodir Paulo Travessini

Resumo

Este artigo visa a propor uma breve reflexão, por meio da compararação/análise, de como ocorre a criação da mulher nas narrativas de origem do livro de Gênesis e do Popol Vuh, livro do povo Maia-Quiché, buscando entender como essas narrativas influenciaram as práxis humanas de cada cultura: a cosmovisão indígena e a judaico cristã ocidental. Metodologicamente, exploraremos as semelhanças e diferenças relacionadas ao surgimento/nascimento da mulher nas duas narrativas de origem e os possíveis sentidos gerados a partir delas. Atentando-nos às figuras femininas de Ixmucané e Ixquic, do livro de Popol Vuh, e a de Eva, dentro da narrativa de Gênesis, e a como a sua representação influenciou os discursos e ideologias predominantes na sociedade judaico-cristã. Para isso, optamos pela pesquisa exploratória. Assim, para emergir essa discussão, interdisciplinarmente, traremos à luz os estudos realizados por Mircea Eliade (1972), Joseph Campbell (1997 e 2008), Dora Luz Cobián (1995), Martha Robles (2006), Simone de Beauvoir (1970), Bakhtin (1992), Marilena Chauí (2008), entre outros. A partir disso, realizaremos a leitura comparada das obras a serem analisadas, atentando-nos ao papel da mulher, ocupado, em cada uma das narrativas, embasados na compreensão teórica e metodológica das obras escolhidas.

Referências

ANÔNIMO. Popol Vuh: Las antiguas historias del Quiché de Guatemala. 6ª ed. — Santafé de Bogotá: Panamericana Editorial, 1997. Disponível em: em https://bibliotecas.unal.edu.co/. Acesso em 13 de abr de 2018.

BARTHES, Roland. Mitologias. 11ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BAKHTIN, M; VOLOCHINOV, V.N. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lauch e Iara Frateschi Vieira. 6.ed. São Paulo: Editora Huritec 1992.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. São Paulo, Difusão Européia do livro, 1970.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo, Pensamento, 1997.

CAMPBELL, Joseph. Todos os nomes da Deusa. Joseph Campbell et. al., tradução de Beatriz Pena — Rio de Janeiro: Record: Rosa dos tempos,1997.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia? 2ed. — São Paulo: Brasiliense, 2008.

COBIÁN, Dora Luz. El papel de la mujer en la historia Maya-Quiche, Según El Popol Vuh. Revista Chilena de literatura, N. 47, 1995.

FRANCELINO, Pedro Farias. Dialogismo e construção de sentido em gêneros discursivos da mídia impressa, in III Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais - Santa Maria/RS, 2005. Anais. Santa Maria, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. - 4. ed. - São Paulo, Atlas, 2002.

NITRINI, Sandra. Literatura Comparada. São Paulo: EdUSP,1997, p.126-182.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4. ed. Campinas (SP): Editora da UNICAMP, 1997.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. tradução Eni Pulcinelli Orlandi [et al.] - 2.ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1995.

Downloads

Publicado

18/01/2021

Como Citar

Cardoso de Oliveira, P., & Travessini, N. P. (2021). Gênesis e Popol Vuh: O papel da mulher nas narrativas de origem. REVISTA MOINHOS, (9), 32–46. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/moinhos/article/view/4797

Edição

Seção

Artigos