Orgulho e preconceito: a condição feminina na materialidade fílmica

Autores

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo compreender como a condição feminina é significada através dos sentidos no filme Orgulho e preconceito (2005), por meio do funcionamento histórico, linguístico e simbólico, compreendendo como os sentidos são produzidos a partir da materialidade fílmica (MILANEZ, BITTENCOURT, 2011) e em sua imbricação material (LAGAZZI, 2009). O desenvolvimento do trabalho ocorreu com base na Análise de Discurso (ORLANDI, 2007), analisando como a mulher é significada a partir de sua representação cinematográfica, contribuindo assim, com os estudos sobre língua, sobre a história das mulheres, e sobre o cinema.

Biografia do Autor

Flaviane Fagundes dos Santos, Universidade Estadual de Goiás- Unidade Iporá

Acadêmica do curso de Letras da Universidade Estadual de Goiás

Fernanda Surubi Fernandes, Universidade Estadual de Goiás

Docente da Universidade Estadual de Goiás

Referências

ORGULHO E PRECONCEITO. Joe Wright et.al. Intérpretes: Keira Knightley, Matthew Macfadeyen, Brenda Blethyn, Donald Sutherland, Rosamund Pike, Jena Malone, Tom Hollander, Penelope Wilton, Judi Dench. Londres/Nova Yorque: Working Title Films/Universal Studios, 2005.

BAECQUE, Antoine de. O corpo no cinema. In: COURTINE, Jean-Jacques (Org.) História do corpo: as mutações do olhar. O século XX. Trad. e rev. Ephraim Ferreira Alves. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. P. 481-507.

BARROS, Samira Alves. Representações das personagens femininas de Orgulho e preconceito, de Jane Austen. (Dissertação de Mestrado). Centro de Ciências Humanas e Letras. Universidade Estadual do Piauí. Teresina, 2013. 180f.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O corpo como materialidade discursiva. Artigo. Redisco. Vitoria da Conquista, V.2, n.1.p.77-82, 2013.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de Dezembro de 1970. Trad.Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 5. ed. 1999.

JOZEF, Bella. Cinema e Literatura: algumas reflexões. Revista Contexto. N. 17-2010/1 p.237-253.

KAPLAN, E. Ann. A mulher e o cinema: os dois lados da câmera. Tradução de Helen Marcia Potter Pessoa. ? Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

MILANEZ, Nilton. Discurso e imagem em movimento: o corpo horrífico do vampiro no trailer- São Carlos: Claraluz, 2011, p. 11- 91

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M.S. Correia. São Paulo: Contexto, 2007.

OLIVEIRA, Daniela Garces de; CARELI, Sandra da Silva. Cinema e literatura: dois produtos culturais que constroem um discurso. Fazendo Gênero 8 - Corpo, violência e poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008, p. 1- 8.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2007.

ZARDINI, Adriana Sales. O universo feminino nas obras de Jane Austen. Em Tese. v. 16. n. 2, 2011.

Downloads

Publicado

18/01/2021

Como Citar

Fagundes dos Santos, F., & Fernandes, F. S. (2021). Orgulho e preconceito: a condição feminina na materialidade fílmica. REVISTA MOINHOS, (9), 63–74. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/moinhos/article/view/4904

Edição

Seção

Artigos