ATITUDES DE PRECONCEITO LINGUÍSTICO RELACIONADAS AO ROTACISMO:

AQUI NÃO É O LUGAR DE MARIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v16.10988

Palavras-chave:

Rotacismo, Preconceito Linguístico, Escola, Livros Didáticos

Resumo

O rotacismo é um fenômeno linguístico estigmatizado e alvo de preconceito linguístico em vários lugares, como nos espaços educacionais. Nessa direção, este artigo investigou se o rotacismo manifestado na fala de Maria, funcionária de uma escola, afetou a sua comunicação com outras pessoas. De modo secundário, investigamos, também, em que medida a pluralidade linguística foi contemplada nos livros didáticos de Língua Portuguesa e no Projeto Político Pedagógico dessa instituição. Para tanto, nos amparamos em teóricos da Sociolinguística Variacionista, como Labov (1972), Bagno (2007), entre outros. Realizamos um estudo dedutivo-bibliográfico de base exploratória, que se valeu dos pressupostos do “professor-pesquisador” sugerido por Bortoni-Ricardo (2008). Os dados apontaram que o rotacismo não afetou a compreensão entre Maria e seus interlocutores. Entretanto, ela sofreu preconceito linguístico pelo modo como falava. Os dados ainda permitiram afirmar que tais atitudes estão relacionadas à falta de discussão sobre a pluralidade linguística no PPP da escola e no livro didático. Por fim, verificou-se que o preconceito sobre a sua maneira de falar tem origem em uma quebra de expectativas, pois, para os preconceituosos, Maria enquanto trabalhadora de uma escola, não poderia utilizar uma variação linguística marginalizada.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Solange Aparecida Benacchio, Universidade do Estado de Mato Grosso

    Aluna regular do curso de Mestrado pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso. Graduada em Letras - Português pela Universidade do Estado de Mato Grosso . Especialista em Planejamento Educacional pela Universidade Salgado Filho. Professora de língua portuguesa do Colégio Imaculada Conceição-Cáceres/MT. Atualmente é membro do Grupo de Pesquisa CNPq "Linguagem, tecnologia e contemporaneidade em Linguística Aplicada (LINTECLA)" coordenado pelo prof. Dr. Valdir Silva. Desenvolve pesquisas na área de Linguística Aplicada e tem interesse nos respectivos temas: Redes sociais e ensino, multiletramentos, metodologias ativas para o ensino de Língua Portuguesa.

  • Adson Luan Duarte Vilasboas Seba, Universidade do Estado de Mato Grosso/UNEMAT

    Mestre e Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso/UNEMAT- Campus Cáceres. Membro do grupo de pesquisa Linguagem, Tecnologia e Contemporaneidade em Linguística Aplicada (LINTECLA).  E-mail: adson.seba@unemat.br

Referências

ALKMIN, Tania. Sociolinguística — Parte I. In MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Christina. (Org.). Introdução à linguística. São Paulo: Cortez, 2001.

BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 49. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

BAGNO, M. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2013. BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 2014. SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.

CRISTINO, Júlia; BRUSSE, Caroline.A variação do rotacismo na fala de adolescentes escolarizados de Campo Grande - MS. Revista da ABRALIN, v. 18, n. 2, p. 173-188, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/revpres/article/view/8891/7046. Acesso em: 14 mar. 2023.

ESPÍRITO SANTO, Julia Maria França. O rotacismo em São Paulo: uma análise do fenômeno em diferentes faixas etárias e grupos sociais. 2019. 147 f. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas e Vernáculas) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-24062020-184801/publico/2019_JuliaMariaFrancaEspiritoSanto_VCorr.pdf. Acesso em: 14 mar. 2023.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GAYER, Juliana Escalier Ludwig; DIAS, Ludquellen Braga. O fenômeno variável do rotacismo: uma análise pela teoria da otimidade. Diadorim, Rio de Janeiro, vol. 20, n. 2, p. 377-397, jul.-dez. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.35520/diadorim.2018.v20n2a18058 - Acesso em: 31, mai. 2022.

Given, Lisa. M. The Sage encyclopedia of qualitative research methods, v.1. California: SAGE Publications. 2008

Mack, N; Woodsong, C; Macqueen, K. M; Guest, G; Namey, E.Qualitative research methods: a data collector’s field guide. North Carolina: Family Health International. 2005

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Trad. de M. Bagno; M. M. P. Scherre; C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008.

MAIA, Cleuceimar Teixeira; SILVA, Diane do Socorro e Silva; SOUZA, José Miguel Moreira; ACÁCIO, Maria Silvia Jucá. Reflexos da variação linguística na escrita de alunos do Fundamental II: um estudo de caso em Paragominas (PA). In: PINHEIRO, Geane (org.). Reflexões e Metodologias para o Ensino de Língua Portuguesa e Literatura em Escolas Municipais de Paragominas [livro eletrônico]. São Paulo: Editora Evoluir, 2022. p. 267-289.

MOLLICA, Cecília; BRAGA, Maria Luiza. Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

MOREIRA, Eduarda Oliveira; SANTIAGO, Priscilla Simões. Um estudo sobre o fenômeno do rotacismo em feira de Santana. In: Seminário De Iniciação Científica da UFES, 26., 2019, Feira de Santana. Anais eletrônicos do XXVI Seminário De Iniciação Científica da UFES. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2019. Disponível em: http://ojs3.uefs.br/index.php/semic/article/view/8982. Acesso em: 14 mar. 2023.

MOURA, D. O tratamento das variantes padrão e não-padrão na sala de aula. In: Denilda Moura (org) Leitura e escrita: a competência comunicativa. Maceió: EDUFAL, 2007.

PEREIRA, Marli Hermenegild; ROBERTO, Tania Mikaela Garcia; RAMOS, Jacqueline. Português V, v.2. Rio de Janeiro: Fundação Cecierj, 2018.Disponível em: https://canal.cecierj.edu.br/022019/42f13b5bc9d50f87b186f4b648e93ffe.pdf.Acesso em:14 mar.2023.

ROMANO, Valter Pereira; PEREIRA, Brenda Chauane Edlene. Tolerância e preconceito linguístico no ciberespaço: reflexões acerca dos comentários de usuários. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, n. 2, p. 331-350, ago./dez. 2017. Disponível em: http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/923/460. Acesso em: 14 mar. 2023.

SILVA, M. B. 2012. Pistas de mudanças fonéticas na ortografia do português. In: LOBO T. et al, (org.). ROSAE: Linguística Histórica, História das Línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA.

SOBRAL, Cristiane. Não vou mais lavar os pratos. Brasília: Athalaia, 2010.

TROUCHE, Lygia Maria Gonçalves. O Marquês de pombal e a implantação da língua portuguesa no Brasil reflexões sobre a proposta do diretório de 1757. In: IV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOSOFIA, 4., 2000, Rio de Janeiro. Anais do IV Congresso Nacional de Linguística e Filosofia. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: http://www.filologia.org.br/anais/anais%20iv/civ12_9.htm. Acesso em: 14 mar. 2023.

VOTRE, Sebastião Josué. Relevância da variável escolaridade. In: MOLLICA, Maria Cecilia e BRAGA, Maria Luiza (orgs.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2004, p. 51-57.

WEINREICH, U.; LABOV, W. & HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006

Downloads

Publicado

2023-09-03

Como Citar

ATITUDES DE PRECONCEITO LINGUÍSTICO RELACIONADAS AO ROTACISMO:: AQUI NÃO É O LUGAR DE MARIA. (2023). Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 16(01). https://doi.org/10.30681/real.v16.10988

Artigos Semelhantes

1-10 de 66

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)