O GÊNERO ANEDOTA E SEU EFEITO DE SENTIDO PEJORATIVO NO DISCURSO DE (TRANS) FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER

Autores

  • Elisângela Leal da S. Amaral Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Marlon Leal Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v9i01.1440

Resumo

A Análise de Discurso (AD), ciência que tem o discurso como objeto, nasce na França de 1960, atribuindo status de paternidade a Michel Pêcheux. É também chamada de “disciplina de entremeios” por efetivar-se entre os limites da Linguística, Psicanálise e Materialismo Histórico. Os conceitos que a compõem, permite aos pesquisadores e analistas efetuarem uma leitura representativa de uma coletividade social. No discurso, a(s) ideologia(s), o político, a história, o sujeito, e as condições de produção se aliam permitindo construções de sentidos onde se encontram o passado e o presente por meio dos já ditos, dos (inter)discursos. Para a AD, o sujeito se configura uma representação a partir de um posicionamento social. É nesse sentido que um discurso, ao ser proferido por um sujeito, ecoa a historicidade de um dado grupo, como é o caso da mulher no Brasil. Uma minoria que traz em sua historicidade uma carga histórica de pré-conceito e discriminação. Analisar a representação da mulher no gênero anedota, além de apresentar uma identidade constituída para a mulher nesta sociedade machista, permite um olhar na direção dos sentidos que constituem a identidade do machista, que, ao transformar em piada a imagem feminina, tenta reduzir a objeto de deboche a sua própria origem: a mulher.

Referências

GADETT, F e Hak, T. (org.) Por uma análise automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Betânia S. Mariani et all, Campinas. Ed. da Unicamp: 1990

ORLANDI, E.P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2012

______Discurso e Texto: Formulação e Circulação dos Sentidos. Campinas:Pontes. 2008

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento, Trad. Eni P. Orlandi. São Paulo: Pontes. 1997.

______Semântica Discursiva. Uma crítica à crítica à afirmação do óbvio. Campinas:Ed. da Unicamp, 1997.

RODRIGUES, Marlon Leal. Linguagem, Identidade, Gênero, História. Rio de Janeiro: Quártica, 2011.

______. Identidade: movimento do sujeito In: PEREIRA, D. C.; RODRIGUES, M. L. (Orgs) Língua e Literatura I: questões teóricas e práticas. São Paulo: Nelpa. 2010.

POSSENTI, S.. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas, SP. Mercado de Letras, 1998.

Downloads

Publicado

01/07/2016

Como Citar

Amaral, E. L. da S., & Rodrigues, M. L. (2016). O GÊNERO ANEDOTA E SEU EFEITO DE SENTIDO PEJORATIVO NO DISCURSO DE (TRANS) FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 9(01), 80–94. https://doi.org/10.30681/real.v9i01.1440