O LUGAR SOCIAL DA MULHER NA OBRA A MURALHA, DE DINAH SILVEIRA DE QUEIROZ

Autores

  • Cristiane Gonçalves Blum Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Elisandra Benedita Szubris Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Neuza Benedita da Silva Zattar Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v9i2.1660

Resumo

Neste artigo, analisamos na perspectiva da Semântica do Acontecimento de Eduardo Guimarães (2005), os lugares sociais das mulheres que protagonizam a obra A Muralha de Dinah Silveira de Queiroz, ou seja, como essas mulheres foram representadas socialmente pela autora. Para a realização da pesquisa, fizemos inicialmente uma leitura minuciosa do romance, destacando os recortes teóricos. As mulheres citadas na obra lutam sem medo para defender Lagoa Serena, o lugar onde vivem, do ataque dos índios e constroem histórias nas quais se constituem como protagonistas, antagonistas e coadjuvantes, assumindo o comando de tudo, enquanto os homens estão no sertão. É nesse contexto social que realizamos a pesquisa, analisando como se dá a constituição dos lugares sociais de onde enunciam essas mulheres, os papéis que lhes são atribuídos, considerando as condições sociais, históricas e de linguagem que as determinam no início da colonização do Brasil.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Blum, C. G., Szubris, E. B., & Zattar, N. B. da S. (2016). O LUGAR SOCIAL DA MULHER NA OBRA A MURALHA, DE DINAH SILVEIRA DE QUEIROZ. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 9(2), 11–26. https://doi.org/10.30681/real.v9i2.1660

Edição

Seção

Artigos - Linguística

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)