DE A FOGUEIRA PARA BORRALHO: TRADUÇÃO INTERSEMIÓTICA DO CONTO DE MIA COUTO PARA O CURTA-METRAGEM DE ARTURO SABOIA

Autores

  • Bento Matias Gonzaga Filho Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1948

Resumo

Esta leitura põe sob o foco a narrativa fílmica do realizador brasileiro Arturo Saboia, no curta-metragem Borralho, baseado no conto A fogueira, do escritor moçambicano Mia couto.  Aborda os aspectos controversos de uma tradução intersemiótica, nas relações de intertexto existentes na transmutação.  Analisa os problemas relativos à traduzibilidade e à fidelidade, abrangendo a questão do estatuto da individualidade das obras partícipes do processo.  A alteridade do texto literário e da narrativa fílmica, com suas convergências e divergências, passa por diversos fatores e métodos de elaboração, leitura e produção de sentidos.  O elo entre os dois existe, porém, a tradução intersemiótica é livre.

Biografia do Autor

Bento Matias Gonzaga Filho, Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

Professor efeftivo de Literatura no curso de Letras, campus de Cáceres, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Doutorando em Estudos Literários pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Literários (PPGeL-UNEMAT).

Downloads

Publicado

08/08/2017

Como Citar

Gonzaga Filho, B. M. (2017). DE A FOGUEIRA PARA BORRALHO: TRADUÇÃO INTERSEMIÓTICA DO CONTO DE MIA COUTO PARA O CURTA-METRAGEM DE ARTURO SABOIA. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 10(1), 90–103. https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1948