O OBJETO DIRETO ANAFÓRICO EM PORTUGUÊS BRASILEIRO: COMPARAÇÃO ENTRE DADOS DE AQUISIÇÃO E DE APRENDIZAGEM

Autores

  • Sabrina Casagrande Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • João Carlos Rossi Unioeste - Campus Cascavel

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v11i01.2552

Resumo

As mudanças ocorridas no paradigma pronominal do Português Brasileiro (PB) levaram, entre outras coisas, à extinção do clítico acusativo de terceira pessoa. Diante disso, o presente trabalho objetiva empreender uma análise de dados de aquisição e aprendizagem de língua materna, tendo como foco as possibilidades de preenchimento da posição de objeto direto anafórico. Os dados de aquisição são de Casagrande (2007, 2010) e mostram que as crianças brasileiras não adquirem mais o clítico. Dessa forma, investigamos, então, se o processo de escolarização dá conta de inserir, na gramática do aluno, uma forma linguística que não está mais presente no seu input. Para isso, analisamos dados orais, de produção espontânea, de 55 alunos, de primeiro ao nono ano do Ensino Fundamental, de duas escolas da rede pública de ensino, do sudoeste do Paraná. O resultado das análises apontam que os estudantes continuam sem empregar o clítico, mesmo após nove anos de escolarização. O que se pode verificar, então, é que algo que não faz parte do input da criança em aquisição se torna de difícil aprendizagem. Isso implica em um olhar mais cuidadoso do professor ao lidar com estes fenômenos linguísticos em sala de aula, no sentido de ser sensível a esse cenário.

 

Referências

CASAGRANDE, S. A Aquisição do objeto direto anafórico em Português Brasileiro. Dissertação de Mestrado, UFSC, 2007.

CASAGRANDE, S. A correlação entre aspecto e objeto no PB: uma análise sintático-aquisicionista. Tese de Doutorado. UNICAMP. 2010.

COELHO, I. L.; GÖRSKI, E. M. Variação Linguística e Ensino de Gramática. Working Papers em Linguística, v. 10 (1), p. 73-91, Florianópolis, jan. jun., 2009.

COSTA, T. M. A escrita e a fala: contextos de preenchimento ou não da posição objeto no português brasileiro. Anais do IX Encontro do CELSUL. Palhoça, SC, out. 2010 Universidade do Sul de Santa Catarina.

CYRINO, S.M.L. O objeto nulo no português do Brasil: uma investigação diacrônica, ms, Unicamp, 1990.

_____. Observações sobre a mudança diacrônica no português do Brasil: objeto nulo e clíticos. In.: ____ Ian Roberts & Mary Kato, eds., Português brasileiro - uma viagem diacrônica. Campinas: Editora de UNICAMP. p. 163-184, 1993.

_____. O Objeto nulo no Português do Brasil. Londrina: UEL, 1997.

DUARTE, M. E. L. Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. In: TARALLO, F. (org) Fotografias sociolinguísticas. Campinas: UNICAMP/Pontes, 1989. p.19-33.

GROLLA, E; FIGUEREDO SILVA, M.C. Para conhecer aquisição da linguagem. São Paulo: Contexto, 2014.

KATO, M. A. Aquisição e aprendizagem da língua materna: de um saber inconsciente para um saber metalinguístico. In.: _____ CABRAL, L. G; e MORAIS, J. (orgs). Investigando a Linguagem. Ensaios em homenagem a Leonor Scliar-Cabral. Florianópolis. Editora Mulheres, p. 201-221, 1999.

KENEDY, E. Gerativismo. In.: MARTELOTTA, M. E. (org). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2010. p. 125-140.

QUADROS, R. M. O Paradigma gerativista e a aquisição da linguagem. In.: _____; FINGER, I. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008. p. 45 – 82.

Downloads

Publicado

01/08/2018

Como Citar

Casagrande, S., & Rossi, J. C. (2018). O OBJETO DIRETO ANAFÓRICO EM PORTUGUÊS BRASILEIRO: COMPARAÇÃO ENTRE DADOS DE AQUISIÇÃO E DE APRENDIZAGEM. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 11(01), 47–62. https://doi.org/10.30681/real.v11i01.2552