A ORDEM N-ADJ E ADJ-N EM CORPORA DOS SÉCULOS XVIII E XX DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

Autores

  • Alessandra Emanuelle Macieira Silva UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
  • Aléxia Teles Duchowny UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

 

 

Resumo: Este trabalho tem como objetivo verificar as ocorrências da ordem N-Adj e Adj-N em corpora do português brasileiro escrito dos séculos XVIII e XX de gênero jornalístico. O primeiro foi extraído do site Corpus Histórico do Português Tycho-Brahe (GALVES; ANDRADE; FARIA, 2017) e o segundo, do Banco do Português (SARDINHA, 2003) totalizando 100 ocorrências analisadas em cada. Esta pesquisa pretende explicar como a posposição e a anteposição dos adjetivos se relacionam ao tipo textual jornalístico e às motivações que podem ser depreendidas. O trabalho pretende, ainda, estabelecer correlações entre o universal referente à ordem entre nome e adjetivo proposto por Greenberg (1983) e refutado por Dryer (1988). Os dados indicaram que a escolha pela posição do adjetivo é motivada por fatores semântico-discursivos. Este presente estudo diacrônico da posição do adjetivo no sintagma nominal pretende, assim, reafirmar que a língua, de fato, atende à necessidade discursiva.

Palavras-chave: Ordem N-Adj. Ordem Adj-N. Posposição. Anteposição.

Biografia do Autor

Alessandra Emanuelle Macieira Silva, UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Bacharelado em Letras - Linguística pela Faculdade de Letras (FALE), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Aléxia Teles Duchowny, UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Estudos Linguísticos pela Faculdade de Letras(FALE) - Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ANTHONY, L. AntConc. Versão 3.4.3. [Computer Software]. Tokyo, Japan: Waseda University, 2014. Disponível em <http://www.laurenceanthony.net/>. Acesso em: 30 ago. 2018.

BARBOSA, J. S. Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza ou principios da grammatica geral applicados á nossa linguagem. Lisboa: Typographia da Academia das Sciencias, 1822. Disponível em: <https://bibdig.biblioteca.unesp.br/handle/10/6903>. Acesso em: 30 ago. 2018.

BERLINCK, R. A. A construção V SN no português do Brasil: uma visão diacrônica do fenômeno da ordem. In: TARALLO, F. (Org.) Fotografias Sociolingüísticas. Campinas: Pontes, 1989. p. 95-112.

BU?A, J. As Lacunas da Ortografia Portuguesa. 2010. 46f. (Tese de Bacharelado) – Universidade Masaryk, Faculdade de Artes, Brno, 2010.

CALLOU, D.; NASCIMENTO, M.; SERRA, C.; BARBOSA, A.; BARRETO, F.; AMARO, R.; PEREIRA, L.; MENDES, A.; VELOSO, R. A posição do adjetivo no sintagma nominal: duas perspectivas de análise, 2002. In: BRANDÃO, S.; MOTA, M.A. (Org.). Análise Contrastiva de Variedades do Português. Rio de Janeiro: In-Fólio, 2003. p. 11-35.

CARNEIRO, A. D. O adjetivo e a progressão textual. Letras & Letras, Uberlândia, v.8, p. 31-36, jun. 1992.

CASTELEIRO, J. M. Sintaxe Transformacional do Adjectivo. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1981.

COHEN, M. A. O posicionamento do adjetivo no sintagma nominal português. Boletim do Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, n.12, p.58-62, 1979.

CUNHA, C. F. Gramática da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Bernardo Álvares, 1972.

CUNHA, C; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003. 748p.

DRYER, M. S. Object-Verb Order and Adjective-Noun Order: Dispelling a Myth. Lingua, Elsevier, v.74. n.2-3, p. 185-207, 1988.

DRYER, M. S; HASPELMATH, M. (Eds.), 2013. The World Atlas of Language Structures Online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology. Disponível em: <http://wals.info/>. Acesso em: 23 jun. 2018.

GALVES, C.; ANDRADE, A. L.; FARIA, P. Tycho Brahe Parsed Corpus of Historical Portuguese, 2017.

Disponível em: <http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/corpus/texts/psd.zip. Acesso em: 20 jun. 2018.

GREENBERG, J. H. Some universals of grammar with particular reference to the order of meaningful elements. In: ________. (Ed.). Universals of Human language. Cambridge, MA: MIT Press, 1983. p. 73-113.

LAPA, M. R. Estilística da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

MIRA, M. H.; BRITO, A. M.; DUARTE, I.; FARIA, I. H. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2003. 417p.

MONNERAT, R. S. M. Processos de intensificação no discurso publicitário e a construção do ethos. In: PAULIUKONIS, M. A. L.; GAVAZZI, S. (Orgs.) Texto e Discurso: mídia, literatura e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003. p. 97-109.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. 2 ed. São Paulo: Ática, 1996. 308p.

SARDINHA, T. B. Banco do Português, 2003. Disponível em < http://www2.lael.pucsp.br/corpora/bp/index.htm>. Acesso em: 20 jun. 2018.

SERRA, R. C. A Ordem dos Adjetivos no Percurso Histórico: variação e prosódia. 2005. 153 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

Downloads

Publicado

31/07/2019

Como Citar

Silva, A. E. M., & Duchowny, A. T. (2019). A ORDEM N-ADJ E ADJ-N EM CORPORA DOS SÉCULOS XVIII E XX DO PORTUGUÊS BRASILEIRO. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 12(1), 07–19. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/3418