AS RELAÇÕES ENTRE O ATIVISMO ONLINE E AS REPRESENTAÇÕES DE INTOLERÂNCIA PELA LINGUAGEM: É PRECISO FALAR SOBRE A MACUMBA

Autores

  • Mike Ceriani de Oliveira Gomes Instituto Pedagógico de Minas Gerais (IPEMIG); Universidade Norte do Paraná (UNOPAR); Faculdade Marechal Rondon (FMR).

Resumo

Partindo da observação de casos de intolerância religiosa no Brasil, que atinge em massa adeptos de religiões de matriz africana, este artigo busca expor algumas destas representações de intolerância presentes na linguagem de quem a pratica, ou seja, como o uso de uma palavra como “macumba” pode, por si só, caracterizar preconceito e discriminação. Mais do que se ater ao caso, é levantada uma exposição de autores da comunicação social, a fim de compreender como a internet pode ceder um espaço da vários tipos de ativismo, uma vez que o ativismo online pode dar força a movimentos de intolerância, porém, também pode identificar seus principais focos e seu possível público. Como conclusão, sugere-se também uma revisão no texto constitucional brasileiro que trata a intolerância religiosa, de modo a se incluir em sua interpretação o uso de vocábulos depreciativos.

Biografia do Autor

Mike Ceriani de Oliveira Gomes, Instituto Pedagógico de Minas Gerais (IPEMIG); Universidade Norte do Paraná (UNOPAR); Faculdade Marechal Rondon (FMR).

Especialista em Metodologia de Ensino da Língua Inglesa (2019) pelo Instituto Pedagógico de Minas Gerais (IPEMIG); Especialista em Controladoria e Finanças (2019) pela Faculdade Marechal Rondon (FMR - São Manuel); Licenciado em Letras - Inglês (2019) pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR - Campus Botucatu); Bacharel em Administração (2016) e Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos (2017) pela Faculdade Marechal Rondon (FMR - São Manuel). Realiza pesquisas na área de Comunicação com ênfase em Redes e Mídias Sociais; na área de Educação com ênfase em Métodos Interdisciplinares para aplicação em sistemas de Educação Formal e Educação Popular; na área de Administração com ênfase na Teoria das Relações Humanas de George Elton Mayo e na Teoria das Necessidades Humanas de Abraham Maslow; e na área de Gestão de Recursos Humanos com ênfase em Treinamento e Desenvolvimento Pessoal e Organizacional. Atua como Professor-Instrutor de Inglês particular e em instituições de ensino técnico.

Referências

BARRETO, Gustavo. Cidadania e internet: entre a representação midiática e a representatividade política. Curitiba: Appris, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

CASTELLS, M. A era da intercomunicação. In: CASTELLS, M.; RAMONET, I.; MARTINS, A.; HALIMI, S.; BRUNE, F.; LIMA, V. A.; PILGER, J.; BENTES, I.; VIDAL, D. Caminhos para uma comunicação democrática. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2007, p. 17-28.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

DIAS, João Ferreira. “CHUTA QUE É MACUMBA”: O PERCURSO HISTÓRICO-LEGAL DA PERSEGUIÇÃO ÀS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana Ano XII. v. 4, n. 22, p. 39-62.

EVARISTO, M. L. I. O útero pulsante no candomblé: a construção da “afroreligiosidade” brasileira. Sacrilegens. v. 9, n. 1, p. 35-55, 2012.

JENSEN, T. G. Discursos sobre as religiões afro-brasileiras: Da desafricanização para a reafricanização. Revista de Estudos da Religião. n. 1, p. 1-21, 2001.

MARTINS, A. Muito além de Gutenberg. In: CASTELLS, M.; RAMONET, I.; MARTINS, A.; HALIMI, S.; BRUNE, F.; LIMA, V. A.; PILGER, J.; BENTES, I.; VIDAL, D. Caminhos para uma comunicação democrática. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2007, p. 45-60.

MORAIS, Mariana Ramos. NÃO CHUTE, É MACUMBA! OU MELHOR, UMA OFERENDA! – NOTAS SOBRE AS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS NO CONTEXTO DA LEI 10.639. Revista Educação e Políticas em Debate. V. 2, n. 1, p. 249-270, 2013.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Freevale, 2013.

SIQUEIRA, S. A. Multiculturalismo e Religiões Afrobrasileiras O Exemplo do Candomblé. Revista de Estudos da Religião. v. 9, n. 1, 2009, p. 36-55.

ZUAZO, Pedro. Cantor gospel Kleber Lucas é chamado de ‘endemoniado’ após evento em terreiro. (2017). Acesso em: https://extra.globo.com/noticias/rio/cantor-gospel-kleber-lucas-chamado-de-endemoniado-apos-evento-em-terreiro-22147168.html. Acessado em 28 de dezembro de 2018.

Downloads

Publicado

03/02/2020

Como Citar

Gomes, M. C. de O. (2020). AS RELAÇÕES ENTRE O ATIVISMO ONLINE E AS REPRESENTAÇÕES DE INTOLERÂNCIA PELA LINGUAGEM: É PRECISO FALAR SOBRE A MACUMBA. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 12(3), 176–183. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/4195

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada