A ARTE E A VIOLÊNCIA EM “SORRISOS QUEBRADOS”

Autores

Resumo

O presente trabalho visa discutir e analisar os discursos que constituem a violência e o gênero na obra “Sorrisos quebrados” de Sofia Silva (2017), que apresenta o drama de Paola, violentada por seu marido, Roberto, até quase a morte, situações que lhe acarretaram grandes problemas, tanto sentimentais quanto físicos. Tendo como embasamento teórico Perrot (2007), Orlandi (2007), Teles (2013), Pêcheux (2009) e outros, serão apresentados o empoderamento das mulheres ao longo dos tempos, os conceitos que permeiam a área da análise do discurso, o simbolismo existente na obra analisada, a relação entre os personagens e a arte e os conceitos de violência. Com isto, aborda-se a história de lutas, sofrimentos e conquistas das mulheres perante a sociedade, amplia-se a visão acerca da violência doméstica, mostrando que além da agressão física, há também a agressão verbal, responsável por causar terríveis danos psicológicos, e, acima de tudo isso, a minoração da figura feminina, principalmente no que diz respeito aos padrões de beleza, questionando também como a arte significa a violência em “Sorrisos Quebrados”.

Biografia do Autor

Jakeline Nascimento Sousa, Universidade Estadual de Goiás - UEG.

Acadêmica do curso de Letras-Português/Inglês da Universidade Estadual de Goiás - UEG/Unidade Universitária de Iporá.

Fernanda Surubi Fernandes, Universidade Estadual de Goiás - UEG.

Doutoranda em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT. Docente da Universidade Estadual de Goiás -UEG.

Referências

CHEVALIER, Jean, 1906-Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números) / Jean Chevalier, Alain Gheerbrant, com a colaboração de: André Barbault... [et al.]; coordenação Carlos Sussekind; tradução Vera da Costa e Silva... [et al.]. – 23ª ed. – Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O corpo como materialidade discursiva. REDISCO, Vitória da Conquista, v.2 n.1, 2013. p. 77-82. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/redisco/article/view/2697/2242. Acesso em 27 de out. 2019.

HENGE, Glaúcia da Silva. O discurso e arte: uma relação de sentido(s). Travessias. V. 2. N. 1, 2008. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/2945/2299 Acesso em 27 de out. 2019.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução Ana Luiza Libânio. -4ª ed. –Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12. ed.– Pontes, Campinas, SP, 2007.

ORLANDI, Eni. P. Segmentar ou recortar? In: Linguística: questões controvérsias. (Série Estudos, 10). Minhas Gerais, 1984. P. 9-26.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. Pontes, Campinas, 2009.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Anela M. S. Côrrea. 2. ed. 6 reimpressão. São Paulo: Contexto, 2007.

PRADO, Débora; SANEMATSU, Marisa. Feminicídio: #InvisibilidadeMata. Ilustração Ligia Wang; [editor] Fundação Rosa Luxemburg. São Paulo: Instituto Partícia Galvão, 2017.

SILVA, Sofia. Sorrisos quebrados. 1. ed. Rio de Janeiro: Valentina, 2017.

TELES, Maria Amélia de Almeida. MELO, Mônica de. O que é a violência contra a mulher. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 2003.

Downloads

Publicado

25/01/2021

Como Citar

Sousa, J. N., & Fernandes, F. S. (2021). A ARTE E A VIOLÊNCIA EM “SORRISOS QUEBRADOS”. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 13(2), 18–32. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/4291