A AUSÊNCIA DE POLÍTICAS LINGUÍSTICAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

  • Camila Souza de Andrade CEDERJ

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4548

Resumo

O ensino de língua inglesa é inserido cada vez mais cedo nos anos de escolarização, pois vivemos em uma sociedade globalizada que está em constante contato com diversas culturas e línguas. Nesse contexto, a língua inglesa, que é tida como língua de comunicação universal, tornou-se pré-requisito para muitas tarefas e oportunidades de emprego. Diante disso, muitos responsáveis têm buscado cada vez mais escolas que ofertem o ensino de inglês a partir da Educação Infantil. Contudo, mesmo diante das expansões da oferta do ensino de inglês nas séries iniciais, no Brasil, ainda não tem política linguística que norteie esse ensino. Desta forma, a criação de uma política linguística voltada para o ensino de línguas para as séries iniciais é de suma importância para que o ensino dessas novas línguas aconteça de forma adequada e para que a aprendizagem dos estudantes seja alcançada.  Por fim, o presente estudo pode contribuir para futuras pesquisas sobre políticas linguísticas e para implementação de futuras ações de políticas linguísticas para o ensino de línguas nas séries iniciais.

Biografia do Autor

Camila Souza de Andrade, CEDERJ

Mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense. Especialista em Leitura e Produção de Textos pela Universidade Federal Fluminense. Professora na Prefeitura Municipal de Maricá e Mediadora Presencial da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ (CEDERJ).

Referências

ANDRADE, C.S. Representações linguísticas de alunos de uma escola pública acerca do processo de ensino-aprendizagem de língua inglesa. Anais do VII SAPPIL – Estudos de Linguagem. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Média e tecnológica. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Brasília, DF, 1996.

______. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Média tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino fundamental (PCNs). Brasília, DF, 1998.

______. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Média tecnológica Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017.

CALVET, L. J. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

______.As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

CHAGURI, J. P. A Importânica da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O DESAFIO DAS LETRAS, 2., 2004, Rolândia. Anais... Rolândia: FACCAR, 2005. 08 f. ISSN: 1808-2548

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

DIMER, D.L., SOARES, A. O ensino de língua inglesa para crianças. In: Revista Ensiqlopédia, v.9, nº1, 2012.

FERNANDEZ, C. M.; FOGAÇA, F. C. Inglês como língua internacional na universidade: rejeição e objeto de desejo. Linguagem & Ensino, Pelotas, v.12, n.1, p.195-225, jan./jun. 2009

GONÇALVES, M. R. A necessidade de incentivar a aprendizagem da língua inglesa desde a infância. Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Faculdade Don Domênico. 2ª Edição, 2009.

LEFFA, V. J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas: APLIESP, n. 4, p. 13-24, 1999.

______. Língua estrangeira hegemônica e solidariedade internacional. In: KARWOSKI, Acir Mário; BONI, Valéria de Fátima Carvalho Vaz (Orgs.). Tendências contemporâneas no ensino de inglês. União da Vitória, PR: Kaygangue, 2006, p. 10-25.

LENNEBERG, E. Biological foundations of language. New York: Wiley, 1967.

LIGHTBOWN,P; SPADA, M. N. How languages are learned. Oxford: Oxford University Press, 2006.

RAJAGOPALAN, K. A geopolítica da língua inglesa e seus reflexos no Brasil: por uma política prudente e propositiva. In: LACOSTE, Y (Org.). A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

______. Políticas públicas, línguas estrangeiras e globalização: a universidade brasileira em foco. In: ROCHA, C. H; et al. (Orgs.). Políticas linguísticas, ensino de línguas e formação docente: desafios em tempos de globalização e internacionalização. São Paulo: Editora Pontes, 2015.

MUFWENE, S. Globalization, global English, and world English(es) : myths and facts. In: The handbook of language and globalization. 2010.

Downloads

Publicado

30/07/2021

Como Citar

de Andrade, C. S. (2021). A AUSÊNCIA DE POLÍTICAS LINGUÍSTICAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(1), 164–174. https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4548

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada