DE HAMLET A SCHOPENHAUER

APROXIMAÇÕES ENTRE A LITERATURA E A FILOSOFIA

Autores

  • Altamir Botoso Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS
  • Patrick Araújo Pereira Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v16.6040

Palavras-chave:

Hamlet; Schopenhauer; Filosofia; Literatura inglesa; Teatro

Resumo

Shakespeare foi um dos maiores escritores da literatura ocidental e Hamlet é uma das suas peças mais conhecidas e encenadas no mundo inteiro. O protagonista, príncipe da Dinamarca, é um personagem de enorme envergadura intelectual, cujas falas evidenciam um teor filosófico que se aproxima das ponderações de Arthur Schopenhauer (1788-1860), Friedrich Nietzche (1844-1900), Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716). Este artigo tem como princípio norteador investigar a relação íntima entre a filosofia Schopenhaueriana e a peça Hamlet. Para tanto ter-se-á como perspectiva que Shakespeare influenciou quase toda a posterioridade, bem como o imaginário intelectual de grandes filósofos do Ocidente. Como aporte teórico utilizar-se-ão as contribuições filosóficas de Schopenhauer (1999, 1999); Nietzsche (2008), Voltaire (2012), Leibniz (1999) e também os estudos de Le Goff (2017), Abrão (1999), Bloom (1998), Carpeaux (2019). Em suma, verifica-se que a peça shakespeariana leva o receptor de todas as épocas a se indagar sobre a sua existência, sobre a vida e a morte, a vaidade humana, enfim, a respeito dos sentimentos e pulsões que regem os comportamentos e ações em sociedade e, por isso, tais temas serão sempre perenes, pois persistem na contemporaneidade e se configuram como atemporais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Altamir Botoso, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

             

Referências

ABRÃO, B. S. (org.). História da Filosofia. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BLOOM, H. Shakespeare: the invention of human. Nova York: Reverhead Books, 1998.

CARPEAUX, O. M. História da Literatura Ocidental. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2019, v. 1.

LE GOFF, J. O Deus da Idade Média. Tradução de Marcos de Castro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

LEIBNIZ, G. W. Novos Ensaios Sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Nova Cultural, 1999. Col. Os Pensadores.

MOISÉS, M. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 2004.

NIETZSCHE, F. O Nascimento da Tragédia. Tradução Antonio Carlos Braga. São Paulo: Escala, 2008.

PRADO, D. A. A Personagem no Teatro. In: CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. 13. ed. São Paulo: Perspectiva, 2018.

RUSSEL, B. História da filosofia ocidental – livro 3: A filosofia moderna. Tradução Hugo Langone. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

SHAKESPEARE, W. Hamlet. Tradução Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM POCKET, 2014.

SCHOPENHAUER, A. O Mundo Como Representação e Vontade (iii). São Paulo: Nova Cultural, 1999.

SCHOPENHAUER, A. As dores do mundo: o amor – a morte – a arte – a moral – a religião – a política – o homem e a sociedade. Tradução de José Souza de Oliveira. São Paulo: EDIPRO, 2014

VOLTAIRE, F. M. A. Cândido, ou o Otimismo. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

Botoso, A., & Araújo Pereira, P. . (2023). DE HAMLET A SCHOPENHAUER: APROXIMAÇÕES ENTRE A LITERATURA E A FILOSOFIA. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 16(01). https://doi.org/10.30681/real.v16.6040