EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DO PROFESSOR EM FORMAÇÃO INICIAL: UMA EXPERIÊNCIA A PARTIR DA CURRICULARIZAÇÃO DA PRÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/relva.v9i2.10683

Palavras-chave:

Letramento acadêmico, Letramento científico, Formação Docente, Prática como componente curricular

Resumo

Este artigo tem como objetivo relatar um percurso formativo de letramento acadêmico-científico realizado com professores de língua portuguesa em formação inicial. Desenvolveu-se uma sequência de propostas didáticas que culminou na prática docente exercida por licenciandos, os quais, posteriormente, retomaram essa vivência sob o olhar investigativo da pesquisa científica, visando ainda à divulgação de conhecimentos dessa natureza. Além de articular ensino, pesquisa e extensão, o projeto empreendido dialogou com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e alinhou-se à formação docente imbuída da prática, mas não esvaziada de reflexões teóricas. Além disso, as ações relatadas contribuíram para a formação de professores pesquisadores e autores, ou seja, produtores de conhecimentos, os quais serão, assim, incentivadores de práticas autorais também por parte dos discentes. As análises a que se procede neste artigo foram informadas pelos Novos Estudos do Letramento, bem como pelas abordagens de autores das áreas de Educação, Educação em Ciência e Linguística Aplicada.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ANTUNES, I. Aula de Português: Encontro & Interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BERTOLDI, A. Alfabetização científica versus letramento científico: um problema de denominação ou uma diferença conceitual? Revista Brasileira de Educação, [s.l.], v. 25, p. 1-17, 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782020250036. Acesso em: 21 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782020250036

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

BRASIL. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf. Acesso em: 24 jun. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de julho de 2015 – Seção 1 – p. 8-12. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Res-CP-CNE-002-2015-07-01.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 2019, Seção 1, p. 115. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CEB-002-2019-12-20.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 30 de agosto de 2022. Altera o Art. 27 da Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 31 de agosto de 2022 – Seção 1 – Edição 166, p. 112. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CP-002-2022-08-30.pdf. Acesso em: 26 set. 2022.

CARLINO, P. Alfabetización académica diezañosdespués. RMIE, México, v. 18, n. 57, p. 355-381, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/pdf/rmie/v18n57/v18n57a3.pdf. Acesso em: 20 set. 2022.

CUNHA, R. B. Alfabetização científica ou letramento científico? Interesses envolvidos

nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 68, p. 169-186, mar. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/cWsmkrWxxvcm9RFvvQBWm5s/?lang=pt. Acesso DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782017226809

em: 20 set. 2022.

DEMO, P. Aprender como autor. São Paulo: Atlas, 2015a.

DEMO, P. Educação e Alfabetização Científica. Campinas, SP: Papirus, 2015b.

DEMO, P. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

DIAS et al. Gêneros textuais e(ou) gêneros discursivos: uma questão de nomenclatura? Interacções, Santarém - Portugal , v. 7, n. 19, p. 142-155, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.

ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, M. de O. Enfrentamentos político-pedagógicos no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC): desafios de alfabetizar letrando. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2019. Disponível em: http://repositorio.uft.edu.br/handle/11612/1927. Acesso em: 26 set. 2022.

FREITAS, M. de O. Alfabetização, letramento e interdisciplinaridade. Revista Práticas de Linguagem, Juiz de Fora, v. 7, n. 1, Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC, p. 39-55, jan./jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/praticasdelinguagem/article/view/28531. Acesso em: 21 set. 2022.

GUEDES, P. C. Da redação à produção textual: o ensino da escrita. São Paulo: Párabola Editorial, 2009.

LEA, M. R.; STREET, B. V. Student writing in higher education: an academic literacies approach. UK Studies in Higher Education, v. 23, n. 2, p. 157-172, 1998. Disponível em: https://www.kent.ac.uk/teaching/documents/qualifications/studwritinginhe.pdf. Acesso em: 26 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.1080/03075079812331380364

MARCUSCHI, L. A. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Â. P. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucena, 2008a.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008b.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001a.

MARCUSCHI, L. A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In: SIGNORINI, I. (org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2001b. p. 23-50.

SILVA, W. R. Letramento científico na formação inicial do professor. Revista Práticas de Linguagem, Juiz de Fora, v. 6 especial - Escrita discente, p. 9-23, 2016. Disponível em: https://www.ufjf.br/praticasdelinguagem/files/2017/01/2-Artigo-Wagner.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. 7. ed. rev. e ampl., 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2017.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

SOARES, M.; MACIEL, F. M. Alfabetização. Brasília: MEC/Inep/Comped, 2000.

STREET, B. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

STREET, B. V. Literacy and Multimodality: STIS Lecture: Inter-Disciplinary Seminars O Laboratório SEMIOTEC, da FALE/UFMG, Faculdade de Letras, Belo Horizonte, Brazil, March 9, 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Instituto de Letras e Linguística. Reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Letras: Língua

Portuguesa com Domínio de Libras. Uberlândia: UFU / ILEEL, 2018. Disponível em: http://www.portal.ileel.ufu.br/system/files/conteudo/projeto_pedagogico_do_lpdl_-_2019_1.pdf. Acesso em: 21 set. 2022.

WEG, R. M. Fichamento. São Paulo: Paulistana Editora, 2006.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DO PROFESSOR EM FORMAÇÃO INICIAL: UMA EXPERIÊNCIA A PARTIR DA CURRICULARIZAÇÃO DA PRÁTICA. (2022). Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 9(2), 78-96. https://doi.org/10.30681/relva.v9i2.10683

Artigos Semelhantes

1-10 de 219

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.