OS CURRÍCULOS QUE FORMAM PROFESSORES DE MATEMÁTICA

um estudo a partir da produção científica na pós-graduação Stricto Sensu

Autores

  • Jennifer Boscato GOMES
  • Loriége Pessoa BITENCOURT Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/relva.v9i1.6428

Palavras-chave:

Pós-Graduação Stricto Sensu, Formação de Professores, Licenciatura em Matemática, Currículo

Resumo

As discussões no âmbito da formação de professores vêm circunscrevendo um cenário de disputas externas e internas, com os orientativos da Resolução do CNE/CP nº 02 de 2019, e provocam mudanças nos currículos das licenciaturas. Com os debates atuais desenvolveu-se, junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu/UNEMAT), esta pesquisa de mestrado que aborda o currículo de uma Licenciatura em Matemática. Neste artigo, com base em três dissertações – Silva (2013), Santos (2018) e Souza (2020) – disponíveis no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES, selecionadas em um Balanço de Produção, elaborado por Gomes e Bitencourt (2021), visa-se saber: como os autores destas dissertações vêm discutindo os currículos que formam professores de Matemática? As principais características encontradas nessas dissertações dizem respeito às inconsistências nos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC), no que se refere ao perfil do egresso e às concepções de currículo presentes nesses documentos. Conclui-se, neste artigo, que as produções científicas recentes corroboram as perspectivas já criticadas por pesquisadores ao longo dos anos.

Biografia do Autor

Jennifer Boscato GOMES

Professora de Matemática pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT/Cáceres). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu/UNEMAT). Desenvolve pesquisa na Linha Formação de Professores, Políticas e Práticas Pedagógicas, sob a orientação da Drª Loriége Pessoa Bitencourt, nas temáticas: Currículo da Formação Inicial de Professores de Matemática, Desenvolvimento Profissional Docente e Pedagogia Universitária. Membro no Grupo de Estudos e Pesquisas Formação e Docência (GFORDOC/CNPq).

Loriége Pessoa BITENCOURT, Universidade do Estado de Mato Grosso

Docente do curso de Licenciatura em Matemática (UNEMAT/Cáceres) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu/UNEMAT). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Pesquisadora Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Formação e Docência (GFORDOC/CNPq). Atua principalmente nos seguintes temas: Formação de Professores, Educação Matemática, Docência e Pedagogia Universitária.

Referências

ALVEZ-MAZZOTTI, A. J. A “revisão bibliográfica” em teses e dissertações: meus tipos inesquecíveis- o retorno. In.: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação escrita de teses e dissertações. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

BITENCOURT, L. P. Aprendizagem da docência do professor formador de educadores matemáticos. Curitiba: Editora CRV, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 22, de 07 de novembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2019b.

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2019a.

CABRAL, T. L. O.; SILVA, F. C.; PACHECO, A. S. V.; MELO, P. A. A CAPES e suas Sete Décadas: trajetória da pós-graduação stricto sensu no Brasil. Revista Brasileira de Pós-Graduação – RBPG, Brasília, v. 16, n. 36, p. 1-22, 2020.

EZCURRA, A. M. Os estudantes recém-ingressados: democratização e responsabilidade das instituições universitárias. In: PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. Pedagogia Universitária. São Paulo: EDUSP, 2009.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, n. 79, p. 257-272, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GATTI, B. A. A pesquisa em Educação e o campo da formação de educadores: diálogos com Marli André. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 13, n. 28, p. 47-56, 2021.

GIESTA, N. C. Tendências da Pedagogia Universitária: práticas multidisciplinares. In: FRANCO, M. E. D. P.; KRAHE, E. D. Pedagogia universitária e áreas de conhecimento. Porto Alegre: Edipucrs, 2007.

GOMES, J. B.; BITENCOURT, L. P. Reformulações curriculares das licenciaturas em Matemática: mapeamento da produção científica. In: XXIX SEMIEDU. Anais eletrônico [...]. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso, 2021, no prelo.

KRAHE, E. D.. Reforma curricular de licenciaturas: UFRGS (Brasil) – UMCE (Chile) – década de 1990. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

KRAHE, E. D.. WIELEWICKI, H. G. Pedagogia Universitária: mudanças nos discursos sem eco nas práticas. In: ISAIA, S. M. A.; BOLZAN, D. P. V.; MACIEL, A. M. R. Qualidade da Educação Superior: a universidade como lugar de formação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

LARROSA, J. Sobre a Lição. In LARROSA, J.. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 139-146.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. O que é o escolar? In: MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M.. Em Defesa da Escola: uma questão pública. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014, p. 12-54.

MOROZ, M.; GIANFALDONI, M. H. T. A. O processo de pesquisa: iniciação. 2.ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2006.

RIBEIRO, T. R. C. Produção científica da linha de pesquisa “Formação de Professores, Políticas e Práticas Pedagógicas” do mestrado em Educação da UNEMAT/Cáceres. In: VII Encontro Cacerense de Economia Solidária: Educação e Paradigmas de Desenvolvimento Sustentável e Solidário, 2018, Cáceres/MT. Anais... Cáceres/MT: Núcleo Unemat-Unitrabalho, 2018.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, v. 6, n. 19, p. 37-50, 2006.

SANTOS FILHO, J. C.; SÁNCHEZ GAMBOA, S. Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, G. A. O que diz o projeto pedagógico do curso de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual do Maranhão sobre a formação de professores? Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2018.

SEVERINO, A. J. Pós-Graduação e pesquisa: o processo de produção e de sistematização do conhecimento no campo educacional. In.: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação escrita de teses e dissertações. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SILVA, F. O. B. Experiência e concepção do currículo de formação de professores de Matemática: um estudo a partir dos “atos de currículo” no contexto da UESB – Jequié. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2013.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SOUZA, J. As mudanças nos documentos oficiais para formação de professores: um retrato da adequação realizada pelas instituições de ensino superior da região sul do Brasil. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e em Matemática) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

SÜSSEKIND, M. L. As (im)possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1464–1479, 2014.

ZEICHNER, K. M. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. A. Cartografia do Trabalho Docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras, 1998.

Downloads

Publicado

29/07/2022

Como Citar

GOMES, J. B., & BITENCOURT, L. P. (2022). OS CURRÍCULOS QUE FORMAM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: um estudo a partir da produção científica na pós-graduação Stricto Sensu. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 9(1), 58–72. https://doi.org/10.30681/relva.v9i1.6428