RACISMO ESTRUTURAL ÉTNICO E MULHERES CONDENADAS NO BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/relva.v9i1.6434

Palavras-chave:

Racismo Estrutural Étnico, Mulheres Condenadas, Exclusão Social

Resumo

Escrevemos este ensaio teórico a partir de uma busca realizada no google acadêmico, com a frase: “Racismo estrutural e mulheres condenadas.” Levantamos artigos, teses, dissertações e monografia encontrados nas 10 primeiras páginas de buscas no referido site. A busca foi realizada entre os dias 29 e 30 de novembro de 2021. Nos pautamos na leitura e análise dos textos encontrados a partir do levantamento. A análise, ancorou-se no objetivo de reeditar que a maioria das mulheres condenadas no Brasil são negras, com vistas a estabelecer uma interrelação à sua condição étnica à condição de condenada, movida pelo questionamento de como a correlação entre racismo estrutural, crimes e condenação se manifestam no interior dos presídios e cadeias femininos junto as mulheres negras. Selecionamos dezesseis artigos inicialmente, e, destes, escolhemos oito que abordavam, de uma forma mais direta como a correlação entre racismo estrutural, crimes e condenação se manifesta. Um aspecto que chamou a nossa atenção é que a maioria dos artigos, em suas introduções, destacam o atual sistema capitalista com suas divisões de classes e exclusões sociais como responsável por todas as formas de segregações existentes.

Biografia do Autor

Mônica de Almeida RIBAS, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEdu), ofertado pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), campus de Cáceres. Professora da rede básica municipal de educação, Cáceres-MT, Brasil.

Lígia Iracema Christofolo de MELLO, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEdu), ofertado pela Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Cáceres/MT. Advogada.

Referências

ARAÚJO, Bruna Stéfanni Soares de. Criminologia, feminismo e raça: guerra às drogas e o superencarceramento de mulheres latino-americanas. Dissertação de Mestrado. João Pessoa, UFPB/BC, 2017, 105 f. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/ 12 34 56 78 9/ 12258?locale=pt_BR Acesso em: 30 nov 2021.

CASALI, Jessica Pereira; GONÇALVES, Josiane Peres. Pós-estruturalismo: algumas considerações sobre esse movimento do pensamento. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão- REDD. Vol.10, N.2, 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/redd/article/view/11344 Acesso em: 10 out 2021.

CONCEIÇÃO, Ísis Aparecida. Os limites dos Direitos Humanos acríticos em face do racismo estrutural brasileiro: o programa de penas e medidas alternativas do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. USP, 2009. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2134/tde-18112011-164318/pt-br.php Acesso em: 30 nov 2021.

KILDUFF, Fernanda. Seletividade punitiva, racismo e superencarceramento no Brasil. Dossiê Temático. VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/RJ, v.22, n. Especial, p. 787-804, 2020. Disponível em: https://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/15818/13103 Acesso em: 30 nov 2021.

LEITE, Siomara Borba. Teoria: desafio e perspectiva na pesquisa em educação. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 18, n. 33, p 125-134, jan./jun., 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/9443/10291. Acesso em: 15 out 2021.

MARTINS, Arine Caçador. A memória do encarceramento feminino a partir da interseccionalidade. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Memória Social, Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/bitstream/handle/unirio/13184/Diss%20467 %20%20ARINE%20CA%C3%87ADOR%20MARTINS.pdf?sequence=1&isAllowed=yAcesAcesso em: 30 nov 2021.

PEZZODIPANE, Rosane Vieira. Pós-colonial: a ruptura com a história única. Simbiótica, Ufes, v. ún., n.3. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/simbiotica/article/view/5494/4012. Acesso em: 15 set 2021.

RAMOS, Marcelo Henrique Bezerra. Racismo e supremacia como forma de hegemonia: diálogos entre Gramsci e a crítica da questão racial em uma perspectiva histórica. ANPUH-Brasil, 30 Simpósio Nacional de História, Recife, 2019. Disponível em: https://www.snh2019.anpuh.org/resources/anais/8/1565300050_ARQUIVO_artigoanpuh.pdfAcesso em: 30 nov 2021.

SANTOS, Annelyse Cristine Cândido; RAFAEL, Josiley Carrijo. Concepção de justiça em Ângela Davis E Nancy Fraser: aproximações para uma crítica do capitalismo. REBEH, Vol. 02, N. 03, Jul. - Set., 2019. Disponível em: www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh. Acesso em: 29 nov 2021.

SILVA, Henrique França. Autos de resistência e política de drogas como agentes de promoção do racismo estrutural. Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Direito/Relações Internacionais pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais - FAJS do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), 2019, 56 p. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/13691/1/21371455.pdf Acesso em: 30 nov 2021.

VALLE, Julia Abrantes. A seletividade do sistema penal e o racismo estrutural no brasil: a importância da perspectiva da memória no combate ao genocídio racial. REVISTA DE DIREITO, VIÇOSA, V.13 N.02 2021. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/11526/6631 Acesso em: 29 nov 2021.

Downloads

Publicado

29/07/2022

Como Citar

RIBAS, M. de A., & MELLO, L. I. C. de. (2022). RACISMO ESTRUTURAL ÉTNICO E MULHERES CONDENADAS NO BRASIL. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 9(1), 88–98. https://doi.org/10.30681/relva.v9i1.6434