ANTIBIÓTICOTERAPIA EM AUXILIO DO TRATAMENTO DE FRATURA EXPOSTA

Visualizações: 109

Autores

Palavras-chave:

Doenças ósseas infecciosas, Fratura exposta, Agentes antibacterianos

Resumo

Infecções associadas ao quadro médico de fratura exposta é uma variante comum nos tratamentos ortopédicos e que muitas vezes exige uso de antibióticos em conduta clínica pós cirúrgicos. Nesse sentido, o presente trabalho objetivou avaliar os efeitos clínicos do tratamento com emprego de antibiótico em casos de fratura exposta. Para tal, buscou-se realizar uma revisão de literatura, através do acesso online nas bases PubMed, Medline e Lilacs durante os anos de 2013 e 2023. Após a compilação dos os artigos encontrados, foi evidenciado uma importância positiva do uso de antibióticos para tratar infecções em fraturas expostas, bem como a necessidade do desenvolvimento de estudos futuros para definir esquemas terapêuticos ideais que possam apoiar o desenvolvimento da prática clínica, visando evitar e/ou minimizar a ocorrência de desenvolvimento de resistências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

JEFFERSON TORRES NUNES, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

MEDICO GINECOLOGISTA E OBSTETRICIA E PROFESSOR CURSO DE MEDICINA UFPI

FRANCISCO DE ASSIS VERAS CARVALHO, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAIUI

Infecções associadas ao quadro médico de fratura exposta é uma variante comum nos tratamentos ortopédicos e que muitas vezes exige uso de antibióticos em conduta clínica pós cirúrgicos. Nesse sentido, o presente trabalho objetivou avaliar os efeitos clínicos do tratamento com emprego de antibiótico em casos de fratura exposta. Para tal, buscou-se realizar uma revisão de literatura, através do acesso online nas bases PubMed, Medline e Lilacs durante os anos de 2013 e 2023. Após a compilação dos os artigos encontrados, foi evidenciado uma importância positiva do uso de antibióticos para tratar infecções em fraturas expostas, bem como a necessidade do desenvolvimento de estudos futuros para definir esquemas terapêuticos ideais que possam apoiar o desenvolvimento da prática clínica, visando evitar e/ou minimizar a ocorrência de desenvolvimento de resistências.

Referências

Paccola C,A. J. Fraturas expostas. Rev. bras. ortop ; 36(8): 283-91, ago. 2001. tab

Rodriguez L, Jung HS, Goulet JA, Cicalo A, Machado-Aranda D.A, Napolitano L.M. Evidence-based protocol for prophylactic antibiotics in open fractures: improved antibiotic stewardship with no increase in infection rates. J Trauma Acute Care Surg. 2014 Sep;77(3):400-7; discussion 407-8; quiz 524.

Gliglio PN, Cristante AF, Pécora JR, Helito CP, Lima ALL, Silva JS. Avanços no tratamento das fraturas expostas. Rev Bras Ortop 2015;50(02):125–130

Isaac SM, Woods A, Danial IN, Mourkus H. Antibiotic prophylaxis in adults with open tibial fractures: what is the evidence for duration of administration? A systematic review. J Foot Ankle Surg 2016;55(01):146–150.

Franco JS, Lourenço PRB. Fraturas expostas. In: Herbert S, Barros FTEP, Xavier R, et al. Ortopedia e traumatologia: princípios e prática. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 1558-1579.

Lourenço PRB, Franco JS. Atualização no tratamento das fraturas expostas. Rev Bras Ortop; 33(6):436-446, 1998.

Hauser CJ, Adams CA JR, Eachempati SR. Council of the Surgical Infection Society. Surgical Infection Society guideline: prophylactic antibiotic use in open fractures: an evidence-based guideline. Surg Infect (Larchmt) 2006;7(04):379-405

Cotta AMA, Peres CF, Ribeiro DAM, et al. Antibioticoterapia e imunoprofilaxia do tétano no trauma perfurocortante. Rev Med Minas Gerais. 2009;19(02):96–103

Gonzalez VL, Santin E, Arsego FV. Diagnóstico e manejo das lesões ortopédicas em pacientespolitraumatizados. Rev HCPA. 2009;29(02):153–160.

Hoff WS, Bonadies JA, Cachecho R, Dorlac WC. Grupo de Trabalho de Diretrizes de Gerenciamento de Prática do Leste: atualização das diretrizes de gerenciamento de prática para uso profilático de antibióticos em fraturas expostas. J Trauma 70(1):751–754. 2011

Zumsteg JW, Molina CS, Lee DH, Pappas ND. Fatores que influenciam as taxas de infecção após fraturas expostas do rádio e/ou ulna. J Hand Surg Am 39:956–961. 2014

Leonidou A, Kiraly Z, Gality H, Apperley S, Vanstone S. O efeito do tempo de antibióticos e tratamento cirúrgico nas taxas de infecção em fraturas expostas de ossos longos: um estudo prospectivo de 6 anos após uma mudança na política . Strategies Trauma Limb Reconstr 9:167–171. 2014.

Westgeest J, Weber D, Dulai SK, Bergman JW, Buckley R, Beaupre LA. Fatores associados ao desenvolvimento de pseudoartrose ou cicatrização retardada após uma fratura exposta de osso longo: um estudo de coorte prospectivo de 736 indivíduos. J Orthop Trauma 30:149–155. 2015.

Prinja A, Singh J, Davis N, Urwin G. A rare cause of wound infection after an open fracture: Shewanella putrefaciens. Jan,2013.

Jana Neto FC, Canal MPC, Alvesa BAF, Ferreira PM, Ayres JC, Alves R. Análise das características dos pacientes com fratura exposta de tíbia grau III de Gustilo e Anderson. Rev Bras Ortop. 2016;51(2):143-9

UKAI et al. Análise retrospectiva de fatores de risco para infecção profunda em fraturas Gustilo-Anderson tipo III de membro inferior. J Orthop Traumatol. 2020 (21):10.

MURPHY, GRFl. Metanálise de antibióticos para lesões simples da mão que requerem cirurgia. BJS Society Ltd, 2016;103: 487–492

Assunção ALF, Oliveira ST. Auditoria clínica do tratamento primário de fraturas expostas: Tratamento antimicrobiano e profilaxia antitetânica. Rev Bras Ortop 2020;55(3):284–292.

JOSEPH L. Pesquisa de infecção de feridas em extremidades relacionadas ao combate do IDCRP. MEDICINA MILITAR, Vol. 187, Suplemento maio/junho 2022

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

NUNES, J. T., & VERAS CARVALHO, F. D. A. (2023). ANTIBIÓTICOTERAPIA EM AUXILIO DO TRATAMENTO DE FRATURA EXPOSTA. Revista Ciência E Estudos Acadêmicos De Medicina, 17(1), 53–62. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/10899

Edição

Seção

Artigos