Endocardite bacteriana: da boca ao coração

Marcio Garcia Barroso, Denise da Costa Boamorte Cortela, Waneska Pinto Mota

Resumo


A endocardite corresponde à inflamação do endocárdio, camada mais interna do coração, podendo ser infecciosa quando os agentes causadores são fungos, vírus ou bactérias. Na endocardite bacteriana temos um estado de bacteremia, cujos agentes infecciosos podem atingir e colonizar a área cardíaca com defeitos ou doenças pré-existentes, especialmente nos pacientes com próteses valvares. Apesar de apresentar alto grau de morbidade e mortalidade, nos dias atuais, tal patologia é curável e prevenível. Esta pesquisa bibliográfica objetiva discorrer sobre a endocardite bacteriana com foco na odontologia, enfatizando sua etiologia e conduta preventiva. Dada a relevância clínica de tal entidade patológica e visto que grande parte dos microorganismos que provocam tal doença são de origem bucal, é de suma importância que o profissional cirurgião dentista conheça a origem desta afecção e identifique os fatores de risco pré-existentes para endocardite bacteriana, bem como saiba utilizar os protocolos de prevenção e condutas, como o da American Heart Association, baseado na profilaxia antibiótica, citado no presente estudo, a fim de evitar complicações graves e em alguns casos fatais.

 

Palavras-chave: Endocardite bacteriana. Antibioticoprofilaxia. Odontologia comunitária.


Texto completo:

P. 47-57 (PDF)

Referências


Netter FH. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed; 2000.

Branco FP, Volpato MC, Andrade ED. Profilaxia da endocardite bacteriana na clínica odontológica - o que mudou nos últimos anos? Rev Period 2007;17(3):23-29.

Rocha LMA, Oliveira PRD, Santos PB, Jesus LA, Stefani CM. Conhecimentos e Condutas para Prevenção da Endocardite Infecciosa entre Cirurgiões-Dentistas e Acadêmicos de Odontologia. Robrac 2008;17(44):146-153.

Rodrigues JL. Endocardite infecciosa: conduta preventiva de cirurgiões dentistas e acadêmicos de odontologia [monografia]. João Pessoa: UFPB/CCS; 2010.

Silva VMFQ. Endocardite infecciosa. 2003 [acesso em Set. 2014]. Disponível em: http://www.fmt.am.gov.br/manual/endocardite.htm.

Marra M, Silva Junior O, Pereira VC, Marcussi DM, Cunha TMP, Melo CS. Odontologia em pacientes portadores de dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis (DCEI). Rev Latino-American de Marca-passo e arritmia 2009;22(3):125-129.

Nakano K, Ooshima T. Common knowledge regarding prevention of infective endocarditis among general dentists in Japan. Journ of Cardiol 2010;12(2)31-35.

Branco-de-Almeida LS, Castro ML, Cogo K, Rosalen PL, Andrade ED, Franco GCN. Profilaxia da endocardite infecciosa: recomendações atuais da “American Heart Association (AHA). R. Periodontia 2009;19(4):7-10.

Instituto do Coração. Incor-HCFMUSP. Endocardite Infecciosa: Em quem e como fazer a prevenção [acesso em Set. 2014]. Disponível em: http://www.incor.usp.br/conteudo-medico/geral/prevencao%20de%20endocardite%20infecciosa.html

Laureano Filho JR, Lago CA, Xavier RLF, Coutinho TD, Silva CER. Importância da profilaxia antibiótica na prevenção da endocardite bacteriana. Rev Cirurg Traumat B M Facial 2007;3(3):43-51.

Prendergast BD. The changing face of infective endocarditis. J of the Heart 2006;92(1):879-885.

García-Mostajo JÁ, Rivera-Morón P. Endocarditis de válvula protésica por Escherichia coli productora de beta lactamasa de espectro extendido Rev Soc Peru Med Interna 2013;26(1):22-25

Kang DH, Kim YJ, Sun BJ, Lee JW. Early Surgery versus Conventional Treatment for Infective Endocarditis. N Engl J Med 2012;366(4):2466-2473.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.