IMPLICAÇÕES ANATOMOFUNCIONAIS E FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER: REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

Resumo

Introdução. A continência urinária depende da posição harmônica entre as estruturas que compõem o trato urinário inferior (TUI), do Sistema Nervoso Central (SNC) e das aferências viscerais e somáticas do Sistema Nervoso Periférico (SNP). Qualquer alteração nas vias do reflexo da micção pode levar a disfunções urinárias, sendo que a mais comum é a Incontinência Urinária de Esforço (IUE) com alta prevalência na população feminina e com repercussões anatomofuncionais. Objetivo. Descrever, por meio de revisão de literatura, as principais implicações anatomofuncionais e fatores de riscos associados à IUE na mulher. Materiais e Métodos: Trata-se de Revisão Sistemática, cuja busca ocorreu nas bases de dados PubMed, Scielo e Lilacs utilizando-se dos descritores Urinary Incontinence, Urinary Effort Incontinence, Risk Factors Associated nos idiomas português, inglês e espanhol publicados entre 2000 – 2020. Incluiu-se artigos que contemplassem apenas a IUE, excluindo-se qualquer abordagem a outro tipo de incontinência ou tratamentos. Resultados. Foram selecionados 24 artigos associando o envelhecimento, menopausa, gestação, parto e obesidade como fatores de risco mais significativos para a etiologia da IUE. Discussão: O envelhecimento foi apontado como um dos fatores de risco para a Incontinência Urinária (IU) por interferir diretamente nas estruturas que dão suporte e sustentação aos componentes do trato urinário inferior (TUI) ao lado da multiparidade e da própria gestação. Mas, elenca a obesidade como o único fator que, isoladamente, e de forma significativa pode ser causal para IUE. Conclusão. Não foi possível inferir o envelhecimento, isoladamente, como causa da IUE, mesmo havendo aumento da prevalência com a idade. Apesar da multiparidade ser um dos fatores que mais vezes foi apontado como risco para IUE, há inúmeras variáveis que precisam ser consideradas. A obesidade foi o único fator etiológico que pôde, de forma isolada e significativa, ser atribuído como causa para a IUE. 

Biografia do Autor

Thiago Henrique Cestari Souza, Curso de Medicina Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Claudia Elaine Cestari, Universidade do Estado do Mato Grosso - UNEMAT

Possui graduação em Fisioterapia pelo Centro Universitario Católico Salesiano ´Auxilium´ (1985), graduação em Direito pela Universidade Católica de Brasilia (2013), mestrado em Ciências Médicas pela Universidade de Brasília (2004) e doutorado em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2009). Atualmente é dedicação exclusiva da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde da Mulher, atuando principalmente nos seguintes temas: incontinencia urinaria, fisioterapia, qualidade de vida, eletroestimulação e envelhecimento.

Referências

Pivetta HMF, Braz MM, Real AA, Nascimento JR, Cabeleira MEP, Veye APZ. Disfunções do assoalho pélvico em pacientes submetidas à histerectomia: um estudo de revisão. Cinergis 2014;15(1):48-52.

Norton P, Brubaker L. Urinary incontinence in women. Lancet. 2006 Jan 7;367(9504):57-67

Leñero E, Castro R, Viktrup L, et al. Neurofisiología del tracto urinario inferior y de la continencia urinaria. Rev Mex Urol. 2007;67(3):154-159.

Abrams P, Cardozo L, Fall M, Griffiths D, Rosier P, Ulmsten U, Van Kerrebroeck P, Victor A, Wein A; Standardisation Sub-Committee of the International Continence Society. The standardisation of terminology in lower urinary tract function: report from the standardisation sub-committee of the International Continence Society. Urology. 2003 Jan;61(1):37-49.

Silva VA, D’Elboux MJ. Fatores associados à incontinência urinária em idosos com critérios de fragilidade. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2012 Abr-Jun; 21(2): 338-47

Offermans MP, Du Moulin MF, Hamers JP, Dassen T, Halfens RJ. Prevalence of urinary incontinence and associated risk factors in nursing home residents: a systematic review. Neurourol Urodyn. 2009;28(4):288-94.

Padrós J, Peris T, Salvà A, Denkinger MD, Coll-Planas L. Evaluation of a urinary incontinence unit for community-dwelling older adults in Barcelona: implementation and improvement of the perceived impact on daily life, frequency and severity of urinary incontinence. Z Gerontol Geriatr. 2008 Aug;41(4):291-7.

Moreira SFS, Girão MJBC, Sartori MGF, Baracat EC, Lima GR. Mobilidade do colo vesical e avaliação funcional do assoalho pélvico em mulheres continentes e com incontinência urinária de esforço, consoante o estado hormonal. RBGO, 2002 24 (6): 365-370.

Brasil, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde-DATASUS. Disponívelem http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?ibge/cnv/projpopbr.def [Acesso em 28 de setembro de 2020]

Dedicação AC, Haddad M, Saldanha MES, Driusso P. Comparação da qualidade de vida nos diferentes tipos de incontinência urinária feminina. Brazilian Journal of Physical Therapy. 2009. v13(2):116-122.

Fernandes S, Coutinho EC, Duarte JC, Nelas PAB, Chaves CMCB, Amaral O. Qualidade de vida em mulheres com Incontinência Urinária. Revista de Enfermagem Referência, Série IV - n.° 5 - abr./mai./jun. 2015 93-99.

Martínez Pallardó M, Mármol López MI. Intervención enfermera en Atención Primaria para la adecuación de absorbentes en la incontinencia urinaria. RIdEC 2017; 10(2):31-9.

Silva JC, Prado MC, Romão JFF, Cestari CE. Grau de força muscular do assoalho pélvico em mulheres incontinentes obesas e não obesas. Ciência & saúde. 2011.v. 4 (2): 37-44.

Ferederice CP, Amaral E, Ferreira NO. Sintomas urinários e função muscular do assoalho pélvico após o parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011; 33(4):188-95

Naves PP, Letieri RV, Simon ISL, Leite SN, Letieri M. movimento & saúde • REVISTAINSPIRAR. Edição 37 – jan/fev/març 2016. Vol. 8 (1):10-16.

Cavalcante KVM, Silva MIGC, Bernardo ASF, Souza DE, Lima TCGC, Magalhães AG. Revista Brasileira em Promoção da Saúde [Internet]. 2014;27(2):216-223.

Batista RLA, Souza FO, Dias LAR, Silva ACJSR, Freitas MMS, Sá MFS, Ferreira CHJ. Revisão sistemática das influências do hipoestrogenismo e do treinamento sobre a incontinência urinária. FEMINA | março. 2010; 38(3):135-140.

Ramírez, F. D.M.; Diaz, F. Rivadeneira, A.R.; PintoII, L.A. Prevalencia de incontinencia urinaria en el posparto. Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología. (2017).

Sacomori C, Böer L, Sperandio FF, Cardoso FL. Prevalência e variáveis associadas à incontinência urinária no terceiro trimestre gestacional. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife. 2013; 13(3):215-221.

JBRB, Guarisi T, Camargo ACM, Gollop TR, Machado RB, Borges PCG. Einstein. 2010; 8(2 Pt 1):192-6.

Barbosa AMP, Marini G, Piculo F, Rudge CVC, Calderon IMP, Rudge MVC. Prevalence of urinary incontinence and pelvic floor muscle dysfunction in primipara e two years after cesarean section: cross- sectional study Sao Paulo Med J. 2013; 131(2):95-9

Guedes PF, Felipetto N, Frigo LF, Moraes CB, Colpo E. Sobrepeso e obesidade em mulheres com incontinência urinária e a repercussão na qualidade de vida. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria. 2017; 18 (3):539-550.

Downloads

Publicado

26/07/2022

Como Citar

Souza, T. H. C., Perazzoli, B. L., & Cestari, C. E. (2022). IMPLICAÇÕES ANATOMOFUNCIONAIS E FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER: REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Ciência E Estudos Acadêmicos De Medicina, 1(16). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/5672

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)