PERFIL DAS PARTURIENTES HIPERTENSAS EM UM HOSPITAL MATERNIDADE INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL.

Autores

  • Ana Rita Sampaio Carneiro Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, integrante da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.
  • Ana Roberta Gomes Severiano Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, integrante da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.
  • Jéssica Oliveira de Sousa Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, integrante da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.
  • Maria Carolina Quinderé de Almeida Frota Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, integrante da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.
  • Samaia de Souza Bem Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, integrante da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.
  • Maria Auxiliadora Silva Oliveira Docente do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA, orientadora da Liga Acadêmica de Embriologia Integrada à Histologia – LAEH.

Resumo

Objetivou-se no presente trabalho, traçar o perfil de parturientes hipertensas que foram atendidas em um hospital e maternidade da cidade de Sobral/CE no ano de 2015. Trata-se de um estudo retrospectivo, quantitativo, de análise documental e descritiva.  Foram utilizados como fonte de dados os prontuários de parturientes analisando as seguintes variáveis: idade materna, tipo de parto e intercorrência. Esta pesquisa foi submetida ao comitê de ética da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, tendo sido aprovado com parecer 1.402.425. Foi possível observar nos resultados encontrados,  que a idade materna variou de 12 a 54 anos, com predominância de 21 a 30 anos (41,30 %). O tipo de parto predominante foi o Cesário (84,78 %). Sobre o número de intercorrência apresentados pelas parturientes, 26 gestantes tiveram pré-eclampsia e 3 tiveram eclâmpsia. Esses dados corroboram com outros encontrados na literatura e os resultados podem favorecer a tomada de decisões por parte da saúde pública, para sanar problemas visto tais como hipertensão na gestação.

Referências

Ziegel,E, cranley, MS. Enfermagem obstétrica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1985.

Organização Mundial De Saúde. Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde: documento de discussão. Rio de Janeiro: OMS; 2000.

Organização Mundial De Saúde. World Health Report - faz com que cada mãe e filho contam, 2005.

Gaio DS, Schmidt MI, Duncan BB, Nucci LB, Matos MC, Branchtein L. Hypertensive disorders in pregnancy: frequency and associated factors in a cohort ob Brazilian women. HypertensPregnancy. 2001; 20: 269-81.

Chandiramani M, Shennan A. Hypertensive disorders of pregnancy: a UK-based perspective. CurrOpinObstetGynecol. 2008; 20: 96-101.

Souza AR, Amorim MR, Costa AAR. Efeitos da ni- fedipina no tratamento anti-hipertensivo da pré- -eclâmpsia. Acta Med Port. 2008;21:351-8

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. A mortalidade materna nas capitais brasileiras. RevBrasEpidemiol. 2004; 7 (4): 449-60.

Sibai BM. Hypertensive disorders of pregnancy: the United States perspective. CurrOpinObstetGynecol. 2008; 20: 102-6.

Assis TR,VianaFP, Rassi S. Estudo dos Principais Fatores de Risco Maternos nas Síndromes Hipertensivas da Gestação. ArquBrasCardiol. v. 91, n. 1, p. 11-17, 2008.

Debert-Ribeiro MB, Ribeiro AB, Stabile Neto C. Hypertensionandeconomicactivities in São Paulo, Brazil. Hypertension. 1981; 6 (Suppl. II): 233-7.

Lolio CM. Prevalência de hipertensão arterial no município de Araraquara, SP, Brasil, em 1987. [Tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina da USP; 1988.

Gonzales GF, Tapia VL, Fort AL, Betran AP. Pregnancy outcomes associated with Cesarean deliveries in Peruvian public health facilities. Int J Womens Health. 2013;5:637-45.

CastellónPasos RM, Hernández Pacheco JA, Estrada Altamirano A, ChacónSolís RA, Ríos Barba M. Criterios de induccióndelnacimientoenmujeresconpre-eclampsia severa entratamiento expectante. GinecolObstetMéx. 2013;81(2):92-8.

Agida ET, Adeka BI, Jibril KA. Pregnancy outcome in eclamptics at the University of Abuja Teaching Hospital, Gwagwalada, Abuja: a 3 year review. Niger J ClinPract. 2010;13(4):394-8.

Oliveira CA, Lins CP, Sá RAM, Chaves Netto H, Bornia RG, Silva, NR, et al. Síndromes hipertensivas da gestação e repercussões perinatais. RevBrasSaudeMater Infant. 2006; 6 (1): 93-8.

Ferrão MHL, Pereira ACL, Gesgorin HCTS, Paula TAA, Correa RRM, Castro ECC. Efetividade do tratamento de gestantes hipertensas. RevAssocMed Bras. 2006; 52 (6): 390-4.

Prakash J, Pandey LK, Singh AK, Kar B. Hypertension in pregnancy: hospital based study. JAPI. 2006; 54: 273-8.

Carrara W, Kahhale S, Bittar RE, Merolo Jr J, Mitre E, Zugaib M. Aspectos epidemiológicos das síndromes hipertensivas na gestação. RevGinecolObstet São Paulo. 1991; 2 (2): 68-72.

Uberti EMH, Viçosa Jr HM, Conter SL, Schutt DSG, Rodrigues LM, Costa PL. Morbidade e mortalidade materna e perinatal nos distúrbios hipertensivos da gestação. RevBrasGinecol Obstet. 1994; 16 (2): 81-6.

Kahhale S, Zugaib M. (editors). Síndromes hipertensivas na gravidez. Rio de Janeiro: Atheneu; 1995.

Downloads

Publicado

26/07/2022

Como Citar

Carneiro, A. R. S., Severiano, A. R. G., Sousa, J. O. de, Frota, M. C. Q. de A., Bem, S. de S., & Oliveira, M. A. S. (2022). PERFIL DAS PARTURIENTES HIPERTENSAS EM UM HOSPITAL MATERNIDADE INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL. Revista Ciência E Estudos Acadêmicos De Medicina, 1(16). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/5808

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)