OS TIMBIRAS: A PROCURA DA IDENTIDADE NACIONAL BRASILEIRA

Autores

  • WEBERSON FERNANDES GRIZOSTE UEA

Resumo

O Século XIX teve fundamental importância para
a formação da identidade do Brasil. No início da terceira década
o Brasil desligou-se politicamente de Portugal. Despontou o Brasil
fragilizado devido a ausência de uma originalidade política e social.
Os poetas procuraram no seio do seu povo uma unidade capaz
de assegurar a sobrevivência daquela sociedade tripudiada pelafamília real portuguesa. O período regencial precisou serabreviado. Mas ainda nos últimos anos de sua vida, em cartasGonçalves Dias discursava sobre a inércia da Monarquia diantedos vizinhos ao Sul. Estava correto. Pouco depois de assegurar os domínios no sul, o Império do Brasil declinou e deu lugar ao ideal da revolução sulista – a República. Foi a última tentativa política de manter o país unido – felizmente acertada. Tudo estava previsto, o vate maranhense havia prenunciado em Meditação: “as nações formam-se, progridem, e decaem com o mesmo movimento”. Antes, Dom Pedro II prontificou-se a honrar e remunerar o poeta que construísse um monumento literário que celebrasse uma unidade de espírito do homem brasileiro, um monumento à altura de Camões, Dante, Virgílio e Homero. Gonçalves Dias lançou-se à empreitada e imaginou uma Ilíada Brasileira, que ele renomeou para Os Timbiras.

Referências

ACKERMANN, Fritz, A obra poética de António Gonçalves Dias. São

Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1964.

ASANHA, Gilberto, A forma timbira: estrutura e resistência. São Paulo:

USP, FFLCH, 1984.

ASSIS, Machado de, Obra completa de Machado de Assis. Rio de Janeiro:

Nova Aguilar. Vol. III, 1994.

BANDEIRA, Manuel, «A Vida e a Obra do Poeta»: DIAS, Antônio

Gonçalves, Gonçalves Dias: Poesia e prosa completas. Organização Alexei

Bueno. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998, 13-56 (a).

__ A Poética de Gonçalves Dias. DIAS, Antônio Gonçalves. Gonçalves

Dias: poesia e prosa completas. Organização Alexei Bueno. Rio de Janeiro:

Nova Aguilar, 1998, 57-70 (b).

BIBLIA. Trad. por monges beneditinos de Maredsous – Bélgica: Bíblia Ave

Maria. 1970.

BORNHEIM, Gerd, «Filosofia do romantismo». GUINSBURG, J. O

romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1993, 75-111

BOSI, Alfredo, Dialética da colonização. 4 ed. São Paulo: Companhia das

Letras, 2001

_______, «Imagens do Romantismo no Brasil». GUINSBURG, J. O

romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1993, 239-256

CANDIDO, Antonio, Formação da literatura brasileira: momentos

decisivos. Volume II. 7 ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993.

DIAS, Antônio Gonçalves, Gonçalves Dias: poesia e prosa completas.

Organização Alexei Bueno. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

________, Brazil e Occeania. LEAL, Antonio Henriques, Obras posthumas

de A. Gonçalves Dias. Vol. VI. São Luiz, B. de Matos, 1869 (Digital.

Columbia University, 2007).

FERNANDES, Florestan, A organização social dos Tupinambá. São Paulo,

Hucitec -UNB, 1989.

FRANCHETTI, Paulo, Estudos de literatura brasileira e portuguesa.

Cotia: Ateliê , 2007.

GRIZOSTE, Weberson Fernandes, A dimensão antiépica de Virgílio e o

indianismo de Gonçalves Dias, Coimbra, CECH, 2011.

HERCULANO, Alexandre, Futuro Literário de Portugal e do Brasil. DIAS,

Antônio Gonçalves, Gonçalves Dias: poesia e prosa completas. Organização:

Alexei Bueno. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1998, 97-100.

KOTHE, Flávio, O cânone colonial. Brasília: Brasília, Editora da

Universidade de Brasília, 1997. (a)

________, O cânone imperial. Brasília, Editora da Universidade de Brasília,

(b)

LADEIRA, Maria Elisa, Uma aldeia timbira. NOVAES, Sylvia Caiuby,

Habitações indígenas. São Paulo: Nobel, 1982, 12-31.

LÉRY, Jean de, Viagem à terra do Brasil. trad. integral e notas de Sérgio

Milliet. São Paulo: Martins, imp., 1941.

LONGO, Mirella Márcia, Guerreiros sem canto. Letras de Hoje 4 (2006)

-57.

MARQUES, Wilton José. O índio e o destino atroz. Letras & Letras 22

(2006) 175-191.

_________, Revista e Ruptura. II COHILILE - Anais 14 (2003) 1-8.

MELATTI, Júlio Cezar. Indios do Brasil. 7 ed. São Paulo: Hucitec – USP,

MOISÉS, Massaud, História da literatura brasileira. 2. ed. São Paulo:

Cultrix, 1989.

OLIVEIRA, Andrey Pereira de, A corrupção do universo indianista nas

“poesias americanas” de Gonçalves Dia. Revista Trama 2 (2005) 39-57.

PINTO, Manuel de Souza, O indianismo na poesia brasileira. Coimbra,

_________, Gonçalves Dias em Coimbra. Coimbra: Coimbra Ed., 1931.

RICARDO, Cassiano, O indianismo de Gonçalves Dias. São Paulo:

Conselho Estadual de Cultura, 1964.

_________Gonçalves Dias e o indianismo, COUTINHO, Afrânio, A

literatura no Brasil. Vol.II, Rio de Janeiro/Niterói: José Olympio/ EDUFF,

, 65-129.

RICOEUR, Paul, Life in quest of narrative. WOOD, David, On Paul

Ricoeur: narrative and interpretation. Londres: Routledge, 1991, 20-33.

ROUANET, Maria Helena, Eternamente em berço esplêndido: a fundação

de uma literatura nacional. São Paulo: Siciliano, 1991.

SODRÉ, Nélson Werneck, História da literatura brasileira. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 1969.

_________, A formação da sociedade brasileira. São Paulo: Livraria José

Olympio, 1944.

Downloads

Publicado

04/06/2016

Como Citar

GRIZOSTE, W. F. (2016). OS TIMBIRAS: A PROCURA DA IDENTIDADE NACIONAL BRASILEIRA. Revista Alere, 11(1), 26. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/article/view/1319

Edição

Seção

ARTIGOS