Anúncios

  • CHAMADA DE ARTIGOS - REVISTA ALĔRE 25 - 2022/1

    21/02/2022

    DOSSIÊ POESIA DE AUTORIA FEMININA NAS REGIÕES NORTE, NORDESTE E CENTRO-OESTE

    ORGANIZADORES:

    Walnice Vilava (UNEMAT)

    José Eduardo Martins de Barros Melo (UNIR)

    Maria Elizabete Sanches (UNIR)

     

    A revista Alere em sua vigésima quinta edição incorpora uma parceria cada vez mais efetiva e recorrente entre duas instituições de ensino superior públicas da Amazônia legal por meio de suas unidades de representação, a UNIVERSIDADE DO ESTADO DO MATO GROSSO e a UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA que sintonizam pela primeira vez o Programa de Pós-graduação em Estudos Literários (PPGEL) da primeira, com as ações desencadeadas pelo Grupo de pesquisa em poesia de autoria feminina (GPFENNCO), da segunda.

    Tal sintonia traz a discussão dos estudos desenvolvidos sobre a poesia de autoria feminina, pela primeira vez em nossa história, aos limites das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com o fito de traduzir a inquietação e a real necessidade de promover a produção literária das mulheres desta parte do país e sobre ela desenvolver os merecidos estudos que até o presente momento foram marcados pela investigação de uma ou outra obra em particular.

    Neste sentido, corrigir esta lacuna histórica deixada há muito tempo pela crítica brasileira e desenvolver a pesquisa no sentido de dar a esta poesia o merecido lugar de destaque é o que se pretende nesta edição por parte das duas instituições envolvidas e suas unidades de representação, o PPGEL e o GPFENNCO, visando alcançar com esta ação, resultados representativos da poesia de autoria feminina realizada neste espaço circunscrito.

    Para participar da presente edição os pesquisadores mestres ou doutores deverão enviar os artigos até 31 de agosto de 2022 para os seguintes endereços eletrônicos: walnicevilalva@unemat.br ; edubarmel@hotmail.com ; maelisan@unir.br , com a seguinte informação no campo “Assunto”: “Envio de Artigo – Alere 25”. Em anexo à mensagem, os/as autores/as deverão enviar o texto do artigo sem identificação e, em arquivo complementar, uma pequena nota biobibliográfica. É imprescindível que o envio seja feito desta forma.

    Os textos deverão ser encaminhados dentro das seguintes normas:

    -Tratar-se de publicação original sobre o tema do dossiê, poesia de autoria feminina nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; em arquivo Word for Windows ou programa compatível, fonte Times New Roman, tamanho 12, espaço 1,5 entre linhas e parágrafos, e espaço duplo entre partes do texto. Páginas configuradas no formato A4, sem enumeração, com 03cm nas margens superior e esquerda e 02cm nas margens inferior e direita.

    -Línguas: Português, Espanhol, Francês, Inglês, Italiano (reservado à Revista o direito de publicar o artigo na língua original ou traduzido.

    -Extensão dos artigos para o dossiê: mínimo de 10 páginas e máximo de 15 páginas.

    -Estrutura:
    Título – e sua tradução em inglês, logo abaixo – tamanho 12, em negrito e caixa alta, centralizado. Imediatamente abaixo, alinhado à direita, nome completo do autor, seguido da sigla de sua IES. Em nota de rodapé: Título acadêmico, filiação científica- departamento, Faculdade, Universidade, cidade, estado, país. E-mail.
    Em Times New Roman e corpo 11: Resumo (máximo 200 palavras) e Palavras-chave (máximo 06) no idioma do artigo ; Abtract e Keywords em inglês.

    -Referências no texto e citações:

    Título de obra no texto: em itálico.

    Ex.: Nessa diretriz, podemos afirmar que Dois irmãos, romance publicado em 2000 pelo amazonense Milton Hatoum,

    Título de parte: entre aspas.

    Ex.: Nesse texto, Todorov apresenta conceitos que o próprio Genette traz no artigo “Fronteiras da narrativa”, da mesma publicação.

    Citações no texto, entre aspas, seguidas, entre parênteses, pelo sobrenome do autor em caixa alta, ano de publicação e, quando necessário, da página (p.); : “[...] moleques, mulatos/ vêm vê-los passar.” (FERREIRA, 1939, p. 65). Se o nome do autor estiver citado no texto, indicam-se entre parênteses a data e a página : “Segundo afirma Lotman (1991, p. 10).......”

    Citações acima de 3 linhas, destacadas com recuo de 4 cm da margem esquerda, corpo 11, sem aspas. Entre parênteses, sobrenome do autor em caixa alta, ano, página.

    Destaque e palavras estrangeiras: em itálico.

    Adição e supressão: entre colchetes [...]

    Notas de rodapé: reduzidas ao mínimo, enumeradas, no pé de página, corpo 10.

    Referências: (somente as obras citadas)

    Em ordem alfabética pelo último sobrenome do autor e conforme a NBR 6023 da ABNT de 2006.

    - Livros e monografias:

    HATOUM, M. Órfãos do Eldorado. São Paulo: Cia das Letras. 2005.

    - Capítulos de livros:

    AGUIAR, F. Visões do inferno ou o retorno da aura. In: NOVAES, A. (Org.). O olhar. São Paulo: Cia das Letras, 1988. p. 317-26.

    ROSENFELD, A. Reflexões estéticas. In: ---------- Texto e contexto. São Paulo: Perspectiva, 1969. p. 19-120.

    - Dissertações e teses:

    SILVA, I.A. Figurativização e metamorfose: o mito de Narciso. 1994. Tese (Livre-docência) – Departamento de Linguística, Unesp, Araraquara/SP.

    - Artigos de periódicos: (sem aspas)

    HERNÁNDEZ M., L. La importancia de la filosofía del lenguaje de Ludwig Wittgenstein para la linguística del cambio de siglo. Escritos, Puebla, n.24, p.5-9, 2002.

    - Artigos em jornais:

    CARVALHO, M.C. Países pobres concentrarão mortos por fumo, diz estudo. Folha de S. Paulo. São Paulo, 28 ago.2009. Cotidiano, p.5.

    -Trabalhos em eventos:

    SILVA, A.J. Novas perspectivas ao romance brasileiro. In: SEMINÁRIO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA, 1, 2002. Mirassol. Anais...Mato Grosso: Unemat, 2003. p. 11-20.

    - Publicações On-Line

    SILVEIRA, R.F. Cidade invadida por vândalos. Alerta. Curitiba, 10 mar.1999. Disponível em http://www.alerta.br.Acesso em 10 mar. 1999.



     



    Saiba mais sobre CHAMADA DE ARTIGOS - REVISTA ALĔRE 25 - 2022/1
  • CHAMADA DE ARTIGOS - REVISTA ALĔRE 26 - 2022/2

    14/12/2021

    Revista ALĔRE – Volume 26, 2022/02 , do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).



    EDIÇÃO COMEMORATIVA : CENTENÁRIO DE JOSÉ CRAVEIRINHA E AGOSTINHO NETO

    Organizadoras: Profa. Dra. Marinei Almeida (PPGEL/UNEMAT)

    Profa. Dra. Larissa da Silva Lisboa Souza (UFRJ)



    A constituição da historiografia literária africana de língua portuguesa tem como construção basilar os projetos nacionais que trouxeram importantes nomes de escritores dos países africanos de língua portuguesa. É sabido que alguns desses, além do exercício literário, foram partícipes das lutas pelas Independências de seus países. Nesse âmbito, consagram-se dois nomes fundamentais aos estudos críticos literários, em Moçambique, José Craveirinha (nascido em Lourenço Marques – atual Maputo - a 05 de maio de 1922) e, em Angola, Agostinho Neto (Aldeia de Kexicane, região de Ícolo e Bengo, a 17 de setembro de 1922). Em 2022, ano em que se comemorará os seus centenários de nascimento, a Revista ALĔRE convida pesquisadores para a contribuição de artigos que tratem, sobretudo, de suas obras artísticas.

    Com o livro Sagrada Esperança (1974), Agostinho Neto trouxe à literatura angolana o convite para “criar liberdade nas estradas escravas ... criar amor com os olhos secos” (NETO, 1987, p.108) oferecendo ao leitor um diálogo com as experiências de luta contrárias ao processo colonial, a partir do sujeito colonizado que reivindica o seu “pedaço de pão”, como no poema Confiança (NETO, 1974, p.52). Em diálogo com alguns movimentos artísticos, a exemplo da Négritud (LARANJEIRA, 1995), a obra reúne uma série de poemas de diversas datas, ainda durante o período colonial, e tornou-se um dos mais importantes trabalhos artísticos desse escritor. Contudo, outros foram os textos publicados, em diversas revistas e antologias, que muito contribuíram à constituição de um projeto literário nacional.

    Em Karingana ua Karingana (escrito entre 1945 a 1968, publicado em 1974), por exemplo, livro que ilustra a potência de um intelectual pela égide de ser um dos maiores escritores moçambicanos e o primeiro poeta africano a ganhar o Prêmio Camões (1991), José Craveirinha recorre aos elementos da oralidade para narrar, através do lírico e sob um ângulo diverso da história oficial colonial, a resistência dos povos que lutam para a sobrevivência e pela liberdade. Evidenciado as experiências de resiliência por um “jeito de contar as coisas/ à maneira simples das profecias” (CRAVEIRINHA, 1974, p.3), mas não de maneira simplista e/ou folclórica na constituição de sua poética. Craveirinha foi se constituindo como um dos pilares da historiografia moçambicana, escritor também de contos, foi jornalista e ensaísta.

    Levando em consideração de que quando um escritor escreve, “na verdade é a sociedade que escreve através dele”, pois na sua escrita “está uma confluência da práxis coletivas, desde a específica da série literária até as outras, relativas à sua atividade noutros campos semânticos do trabalho social” (ABDALA Junior, 1989, p.23), a Revista ALĔRE convida para a publicação de artigos que tratem das produções artísticas de Agostinho Neto e José Craveirinha. Serão bem-vindos textos que reflitam tanto a poesia como a prosa dos artistas e estudos que tratem de suas trajetórias políticas, intervencionistas, sob o prisma de seus textos literários.



    Data do envio: 10 de julho de 2022

    Previsão de publicação: Outubro de 2022

    Envio pelos E-mails: 

    marinei.almeida@unemat.br

    lari.lisboa@gmail.com



    ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS ORIGINAIS:



    I - QUESTÕES DE FORMATAÇÃO:



    - Número de páginas: mínimo 10 e máximo de 20.

    - Fonte: Times New Roman 12 para o título e corpo do texto; 11 para citações e 10 para notas de rodapé.

    - Espaço: 1,5 para o corpo do texto e 1,0 para citações recuadas e notas de rodapé.

    - Margens: 3,0 cm esquerda e superior e 2,0 direita e inferior.

    - Adentramento de parágrafo: 1,25 cm.

    - Papel: A4, retrato.

    - Alinhamento: justificado

    - Citações e referências: devem seguir as normas da ABNT.

    - Imagens: os arquivos de imagens devem ser em JPEG e devem enviados em arquivos separados, devidamente nomeados com o número da figura ou tabela, conforme o caso. Deve-se indicar, no corpo do texto, a legenda e a fonte da imagem no local em que devem ser inseridos para orientar o diagramador.

    - As imagens devem ter resolução de no mínimo 300 dpi.

    - Devem ser observados os direitos autorais para todas as imagens utilizadas.

    - Imagens capturadas da Internet precisam ter link para a fonte, inclusão do nome do autor, ser de uso livre e possuir tamanho mínimo de 800x600 pixels.

    - Título do artigo: em negrito, caixa alta, centralizado.

    - Nome do(s) autor(es): dois espaços abaixo do título, à direita. Em nota de rodapé, devem ser apresentados e-mail, vínculo institucional e área de atuação.

    - Resumo em língua portuguesa: deve ser elaborado apenas para fins de apresentação dos trabalhos; não constará na página do artigo. Deve ter entre 100 e 250 palavras.

    - Introdução: em negrito, deve iniciar duas linhas abaixo do nome dos autores e sem adentramento de parágrafo. Apenas a letra inicial em maiúscula.

    - Desenvolvimento: abertura de subtítulo(s) em negrito, alinhado(s) à esquerda, sem adentramento de parágrafo. Deve iniciar duas linhas abaixo da Introdução. Apenas a letra inicial em maiúscula.

    - Considerações Finais: em negrito, alinhada à esquerda, sem adentramento de parágrafo, apenas as iniciais em maiúsculas.

    Referências: deve iniciar duas linhas abaixo das Considerações Finais. Apenas as iniciais em maiúsculas, alinhadas à esquerda, sem adentramento de parágrafo. Devem constar apenas as obras citadas no corpo do texto.

    - Anexos (opcional): apresentar após as Referências; compostos de textos impressos e imagéticos fundamentais para a compreensão do artigo.

    - Biodata: deve ser enviada em arquivo separado e conter até 10 linhas, para ser inserida na seção “Informação sobre os Autores”



    Saiba mais sobre CHAMADA DE ARTIGOS - REVISTA ALĔRE 26 - 2022/2
  • CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 23 - 2021/1 (QUALIS B2)

    29/03/2021
        Fast traslate Icon translate     Fast traslate Icon translate     Fast traslate Icon translate     Fast traslate Icon translate     Fast traslate Icon translate

    Dossiê Literaturas e Culturas de Expressões Amazônicas

    A 23ª edição da revista Alere foi pensada a partir de uma parceria com o Programa nacional de cooperação acadêmica na Amazônia n° 21/2018, PROCAD-Amazônia. Um projeto que envolve a Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT), a Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e a Universidade Federal do Pará (UFPA). Por meio do projeto intitulado Diásporas amazônicas: língua, cultura eeducação sob o signo da diversidade, que  estrutura-se a partir do seguinte pressuposto: “O termo“diáspora” significa, a princípio, “dispersão de um povo ou de uma classe pelo mundo ao longodos anos ou dos séculos”, com o que fazemos alusão à presença histórica de populações de origens diversas que se estabeleceram no território Amazônico. A temática refere-se, primeiramente, à presença de populações de origem europeia aclimatadas ao longo doprocesso de colonização iniciado no século XVI e contribuindo com língua portuguesa e para o surgimento das pluralidades que caracterizam a vertente brasileira desse idioma. Referimo-nos, de igual modo, às populações de origem africana aportadas ao continente americano num processo de contato cultural e linguístico cuja herança se manifesta na presença de numerosas comunidades remanescentes de quilombos, nos movimentos sociais que buscam a recuperação e afirmação das raízes afro-brasileiras e, de forma mais difusa, na vasta contribuição das línguas africanas para a constituição das variedades brasileiras do português. Referimo-nos, enfim, ao maior símbolo da diversidade da Amazônia: é nas sociedades e línguas indígenas que reside a maior diversidade linguística e cultural da região amazônica, visto que enquanto todo o continente europeu fez-se a partir de um único grupo linguístico, o Indo-Europeu, na Amazônia há pelo menos quatro grupos linguísticos com profundidade temporal equivalente ao Indo-Europeu (Tupi, Macro-Jê, Carib, e Aruák), cada um constituído de línguas de sociedades indígenas originárias do continente americano, com histórias também marcadas por numerosos movimentos migratórios e contatos interétnicos, dentre os quais aqueles travados com as populações europeias a partir doprocesso de colonização.” Neste dossiê receberemos artigos, ensaios, entrevistas e resenhas que contribuam com o escopo delineado no projeto, sobretudo em suas expressões culturais e literárias. Os textos para avaliação deverão ser postados na plataforma da revista: https://periodicos.unemat.br/index.php/alere

     

    Organizadores:

    Alexandre Mariotto Botton (PPGEL/UNEMAT)

    Germana Maria Araújo Sales (PPGL/UFPA)

    João Carlos Gomes (PPGML/UNIR) 

    Tânia Maria Pereira Sarmento Pantoja (PPGL/UFPA)

     

    Prazo para o envio dos artigos - PRORROGADO: 30 de outubro de 2021

    Previsão de publicação: 30 de outubro de 2021

    Aviso: caso haja dificuldade no envio do artigo via sistema, favor enviar para o e-mail alexandre.botton@unemat.br

    Saiba mais sobre CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 23 - 2021/1 (QUALIS B2)
  • CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 24 - 2021/2 (QUALIS B2)

    04/12/2020
        Fast traslate Icon translate

    Dossiê Literatura & Utopia: 20 anos

    Para comemorar e registrar os 20 anos de existência e de produção de conhecimentos do grupo de pesquisa Literatura & Utopia, agradecemos o acolhimento, pela Revista Alere, da presente proposta de dossiê temático, aberto ao recebimento de trabalhos para o número 24 (2021/2) .



    Formado em junho de 2000, o Literatura e Utopia é composto por uma equipe de professores/as pesquisadores/as e alunos/as de graduação, mestrado e doutorado de várias universidades brasileiras, com sede na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). O objetivo central unindo os vários projetos, já concluídos ou em andamento, é o de estudar várias tradições, mo(vi)mentos, gêneros e/ou textos literários sob a perspectiva dos Estudos Culturais, com ênfase na área dos Estudos Críticos da Utopia e em interfaces com os Estudos de Gênero e Queer, os Estudos Pós- e Descoloniais e os Estudos da Tradução, privilegiando abordagens críticas interdisciplinares e interseccionais. Busca-se, assim, compreender os pontos de ligação entre os textos culturais e literários e a consciência utópica/distópica. E entendemos que esse enfoque acadêmico se faz ainda mais urgente em face ao contexto de crise social e ecológica em que nos encontramos nesse presente histórico.



    Para este dossiê comemorativo, receberemos artigos, resenhas, entrevistas e depoimentos que, relacionados ao perfil acima descrito, contribuam para a expansão e continuidade, em âmbito nacional, deste diálogo sobre os utopismos e distopismos da cultura.

    Os textos também poderão ser enviados para os seguintes endereços de e-mail: helvio.moraes@unemat.br ; cavalcantiildney@gmail.com . No campo assunto, inserir "Submissão de artigo - Alere 24" 



    Organização:

    Prof. Helvio Moraes (Unemat)

    Profa. Ildney Cavalcanti (Ufal)



    Prazo para o envio dos artigos - PRORROGADO: 30 de outubro de 2021

    Previsão de publicação: 30 de dezembro de 2021

    Caso haja dificuldade na submissão via sistema, favor encaminhar o artigo para o e-mail: helviomoraes01@gmail.com

    Saiba mais sobre CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 24 - 2021/2 (QUALIS B2)
  • CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 22 - 2020/2 (QUALIS B2)

    09/07/2020
     Organizadoras:

    Profª. Drª. Elisabeth Batista (UNEMAT)

    Profª. Drª. Marinei Almeida (UNEMAT)

    Profª. Drª. Vera Maquêa (UNEMAT)

     
    Prazo para encaminhamento:  30/10/2020

    Previsão de publicação: 31/12/2020
      
    Dossiê: Uma década de diálogos literários na pós-graduação stricto sensu


    É com satisfação que anunciamos que a Revista Al?re, do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários - PPGEL - Unemat, publicará uma Edição de aniversário, com um número especial sobre uma década de pesquisas e produções na área.

    Este número 22 (2020/2) receberá artigos assinados por egressos do PPGEL, em coautoria com seus respectivos orientadores, bem como de autoria de professores do PPGEL e de Programas de outras Instituições.

     

    O presente número aceitará também artigos com temáticas relacionadas à expansão, no Brasil, da Pós-graduação na área dos Estudos Literários.

     

    As orientações concernentes à elaboração do texto seguem as Diretrizes da Revista, disponíveis no link

    https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/about/submissions#authorGuidelines

    Contato: revistaalere10anos@gmail.com

    Saiba mais sobre CHAMADA DE ARTIGOS - ALERE 22 - 2020/2 (QUALIS B2)
  • Chamada de artigos - Alere 19 - 2019/1 (Qualis B2)

    15/05/2019

    Chamada de Artigos – REVISTA AL?RE – nº 19 – 2019/1

     

    Organizadores:

    Prof. Dr. Helvio Moraes (UNEMAT)

    Profª Drª Cilene Margarete Pereira (UNINCOR)

     

    Prazo  para  encaminhamento:  15/09/19

      

    Dossiê: Literatura e Canção Popular

    Para compor o número 19 (2019/1), esperamos receber artigos que problematizem e investiguem a relação entre a Literatura e a Canção Popular em suas variadas manifestações e sob as mais diversas perspectivas.

    Para Luiz Tatit (O século da Canção), “a prática musical brasileira sempre esteve associada à mobilidade melódica de palavras, frases e pequenas narrativas ou cenas cotidianas”. O contrário também é verdadeiro: a letra se realiza de modo cabal pela canção, ou, como afirma Francisco Bosco (“Por uma ontologia da canção: poema e letra): “a letra de música é heterotélica, dirige-se à totalidade estrutural a que pertence – a canção”.

    Em texto seminal sobre a relação entre música popular e poesia, Affonso Romano de Sant’Anna (Música Popular e Moderna Poesia Brasileira) busca estabelecer comparações entre períodos específicos da poesia brasileira e algumas fases da música popular ao longo do século XX, levantando, ao mesmo tempo, inúmeras questões que ainda precisam ser exploradas no cotejo entre a produção do compositor e a do poeta, o modo como o contexto político e social possibilita tal cotejo, entre outras. Indica, por exemplo, a possibilidade de comparação entre elementos da estética modernista e as letras de Noel Rosa, em sua tentativa de se livrar “de uma linguagem anterior romântica ou simbolista”, de maneira que o “ ‘antiliterário’, as expressões corriqueiras, o humor, as soluções imprevistas e outros efeitos estão presentes nesse poeta tanto quanto nos modernistas”. Faz o mesmo com a relação da Geração de 45 e o samba-canção, e as vanguardas de finais da década de 50 e da de 60 com a Tropicália. Desde a década de 60, pelo menos, letristas como Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil e Aldir Blanc, entre outros – sem deixar de lado os de outros países, como Bob Dylan (prêmio Nobel de Literatura em 2016), John Lennon e Lou Reed – conseguiram, por diversas formas, que abrangem um amplo leque desde a poesia narrativa ao concretismo, tornar ainda mais estreita e complexa a relação entre música e literatura. Assim, é de nosso interesse acolher artigos que proponham leituras de letras de canções populares a partir de pressupostos da teoria literária; que investiguem a relação entre um momento histórico específico e sua produção literária e musical; que analisem a presença da música popular na ficção, entre outras possíveis relações.

    A revista também recebe artigos com outras temáticas.

    Os trabalhos devem ser enviados com identificação Assunto: “AL?RE 19 – Submissão de Artigo” para:

    revista.alere@gmail.com   c/c

    helviomoraes01@gmail.com

    prof.cilene.pereira@unincor.edu.br

    Saiba mais sobre Chamada de artigos - Alere 19 - 2019/1 (Qualis B2)