UTOPIA INCONSISTENTE: UMA VISÃO DA HIPERMODERNIDADE NA POESIA DE MARILZA RIBEIRO

Autores

  • Talita Cristina Bandeira de Figueiredo
  • Célia Maria Domingues da Rocha Reis

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de analisar como a poesia da autora mato-grossense Marilza Ribeiro materializa a expressão do mal-estar do indivíduo contemporâneo, marcado por individualismo e consumismo. Para tanto, realizamos um estudo estilístico-formal do poema “Inconsistências”, presente na obra As aves e poetas ainda cantam (2014). A análise conta com o aporte das teorias sociológicas de Gilles Lipovetsky (2004, 2005) e de Zygmunt Bauman (2007) acerca do advento da Modernidade e suas fases, Pós-Modernidade e Hipermodernidade.

Downloads

Como Citar

Figueiredo, T. C. B. de, & Reis, C. M. D. da R. (2017). UTOPIA INCONSISTENTE: UMA VISÃO DA HIPERMODERNIDADE NA POESIA DE MARILZA RIBEIRO. Revista Alere, 14(2), 197–218. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/article/view/1931

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)