MEMÓRIAS E JOGO INTERTEXTUAL: MACHADO DE ASSIS E VIRIATO CORRÊA

Autores

  • Juliana Pinto de Oliveria Causin Alves
  • Maria Aparecida Nogueira Schmitt

Resumo

O presente artigo se propõe a identificar traços do memorialismo no romance Cazuza, de Viriato Corrêa, escrito em 1938, que permitam refletir sobre o cotidiano escolar do protagonista, em deslocamento da zona rural até à zona urbana no estado do Maranhão. A obra foi escrita, durante o regime do Estado Novo quando alguns autores infantis se preocupavam em infundir e solidificar valores relativos à ideia de patriotismo e de cidadania nos jovens educandos brasileiros no final do século XIX. Caminhos intertextuais estabelecem o diálogo entre Machado de Assis e Viriato Corrêa, sob o olhar metalinguístico e pedagógico como recursos de aproximações temáticas entre os autores de Dom Casmurro e Cazuza, respectivamente.

Downloads

Como Citar

Alves, J. P. de O. C., & Schmitt, M. A. N. (2018). MEMÓRIAS E JOGO INTERTEXTUAL: MACHADO DE ASSIS E VIRIATO CORRÊA. Revista Alere, 16(2), 193–212. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/article/view/2984

Edição

Seção

ARTIGOS