A CRUZ ENCOBRE A ESPADA

Autores

  • LUIZ RENATO DE SOUZA PINTO UNESP

Resumo

Delimitar o papel da mulher na obra de José de Mesquita foi uma experiência  surpreendente. Social e racialmente falando, temos dois perfis definidos que, erigidos à época do governo Dom Aquino Corrêa, atravessaram a primeira metade do século XX. Transcendendo as  questões de gênero, procuramos demonstrar seu papel durante a gestação do Estado Novo, na criação  de entidades filantrópicas, nas irmandades católicas, bem como em toda a amplitude social e cultural,  a exemplo do Grêmio Júlia Lopes e seu estandarte: a revista Violeta. Mesquita buscou eternizar,  através do fazer literário, uma parte das tradições culturais do tempo de antanho. Quer seja nos  apresentando as cavalhadas, os tempos da cadeirinha e os costumes coloniais e imperiais, esse  republicano tratou as mulheres como um verdadeiro homem de seu tempo: como mãe, beata e  professora

Referências

BARROS, Gilda Naécia Maciel de. Platão, Rousseau e o Estado Total. São Paulo: T. A. Queiroz. 1996.

BOSI, Alfredo. O tempo e os tempos. In: ----- Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras. 1997.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. São Paulo: GRAAL. 1999.

DARWIN, CH. A origem do homem e a seleção natural. São Paulo: HEMUS.1974.

DIHEL, Astor A.. A cultura historiográfica brasileira. Passo Fundo: EDUPF. 1998.

FERRO, Marc. A história vigiada. São Paulo: Martins Fontes. 1985.

HOBSBAWN, Eric. A era dos impérios. São Paulo: Paz e Terra. 2001.

__________ e RANGER, Terence. A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra.2002.

JANOTTI, M.de L.Mônaco. O diálogo convergente: políticos e historiadores no início da república. In: -------- Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto. 2003.

MENDONÇA, Rubens de. Sátira na política de Mato Grosso. Cuiabá: Edições do Meio. 1978.

MESQUITA, José de. Semeadoras da bondade. Cuiabá: Salesianas.1926.

_________________ Pela boa causa. Niterói: Salesianas.1937.

_________________ Professoras novas para um Mundo Novo. Cuiabá: Salesianas. 1940.

MICHELET, Jules. A feitceira. São Paulo: Círculo do Livro. 1991.

RAGO, M. De Eva a santa, a dessexualização da mulher no Brasil. In:Recordar Foucault. São Paulo: Brasileiense.1985

REIS, José Carlos dos. As identidades do Brasil – de Varnhagen a FHC. 6ªed. Rio de Janeiro: EGV. 2003.

Lilian Moritz. As barbas do Imperador. São Paulo: Companhia das Letras. 1999.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão. São Paulo: Brasiliense. 1983.

Downloads

Publicado

07/06/2010

Como Citar

PINTO, L. R. D. S. (2010). A CRUZ ENCOBRE A ESPADA. Revista Alere, 3(1), 15. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/article/view/559

Edição

Seção

ARTIGOS