Plantas tóxicas em espaços escolares infantis: do risco à informação / Toxic plants in children's school spaces: from risk to information / Las plantas venenosas en espacios de la escuela infantil: el riesgo a la información

Autores

  • Rosany Bochner Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)
  • Elba Regina Sampaio de Lemos Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Palavras-chave:

Intoxicação por Plantas, Fatores de Risco, Prevenção de Acidentes

Resumo

Objetivo: identificar as plantas tóxicas presentes em ambiente escolar. Método: estudo observacional e descritivo-interpretativo. A investigação ocorreu em creches e escolas públicas do município do Rio de Janeiro, que atendem ao primeiro segmento do ensino fundamental, no período de fevereiro de 2008 a novembro de 2010. Para a coleta de dados, utilizou-se o caderno de campo e o recurso fotográfico. As imagens foram tratadas pela análise iconográfica e a distribuição das variedades de plantas tóxicas encontradas ocorreu por meio de tabelas. Resultados: no universo de 69 instituições de ensino visitadas, 58 abrigavam pelo menos uma planta tóxica. Duas medidas preventivas foram apontadas, a retirada das espécies corroborada pela Lei no 5.731 e a criação de jardins educativos baseados na estratégia de utilizar as plantas tóxicas existentes nas escolas como instrumento de educação e formação. Conclusão: a criação de jardins educativos nas escolas deve ser estimulada e nos espaços públicos, onde há plantas tóxicas espalhadas junto às demais, sugere-se a identificação das espécies, de forma a ampliar o conhecimento das pessoas sobre esse assunto.

Biografia do Autor

Rosany Bochner, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Estatística. Pós-Doutorada em Ciência da Informação (FIOCRUZ/RJ). Coordena o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX).

Elba Regina Sampaio de Lemos, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Referências

SINITOX. Registro de Intoxicações. Dados Nacionais. Disponível em: www.fiocruz.br/sinitox. Acesso em 20 mar. 2017.

Cavalcanti MLF, Dantas IC, Lira RS, Oliveira JMC, Albuquerque HN, Albuquerque ICS. Identificação dos vegetais tóxicos da cidade de Campina Grande-PB. Rev Biol Ciênc Terra. 2003; 3(1):23-8.

Schvartsman S. Plantas Venenosas e Animais Peçonhentos. São Paulo: Sarvier; 1992.

Lorenzi H, Matos FJA. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Editora Plantarum; 2002.

Dias EPF, Moreira IF, Basílio ILD, Marques MFL. Informação Toxicológica. João Pessoa: Editora Universitária; 2002.

Dias EPF, Araújo RS. Toxinformes: a toxicologia ao alcance da comunidade. João Pessoa: Editora Universitária; 1997.

Lorenzi H, Souza HM. Plantas Ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeira. São Paulo: Editora Plantarum; 1995.

Niterói. Guia de arborização. Niterói: Prefeitura de Niterói/Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente, abril de 1996.

Macedo SS. Quadro do paisagismo no Brasil. In: Silvio Soares Macedo (Org.). Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo-Universidade de São Paulo – FAUUSP; 1999.

Souza ARC, Robana AD, Peiter MX, Ferraz RC, Schwab NT, Souza GRC, et al. Identificação das espécies ornamentais nocivas na arborização urbana de Santiago/RS. REVSBAU. 2011; 6(2):44-56.

Fedrizzi B, Tomasini SLV, Cardoso LM. A vegetação no pátio escolar: um estudo par a realidade de Porto Alegre – RS. Disponível em: http://www.elecs2013.ufpr.br/wp-content/uploads/anais/2003/2003_artigo_008.pdf. Acesso em 15 nov de 2017.

Centro de Informação Toxicológica. Manual de Identificação e Tratamento de Intoxicações por Plantas. Porto Alegre: CIT/RS; 2002.

Simões CMO, Schenkel EP; Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR. Farmacognosia: da planta ao medicamento. Porto Alegre/Florianópolis: Editora UFRGS/Ed. da UFSC, 1999.

Matos FJA, Lorenzi H, Santos LFL, Matos MEO, Silva MGV, Sousa MP. Plantas Tóxicas: estudos de fitotoxicologia química de plantas brasileiras. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora; 2011.

Ottoni C. Plantas e animais de importância médica. Belo Horizonte: Coopmed; 2009.

Scavone O, Panizza S. Plantas Tóxicas. São Paulo: CODAC/USP; 1981.

Rio de Janeiro. Projeto de Lei nº 308/2013. Dispõe sobre o cultivo de plantas tóxicas ou potencialmente alergênicas nos espaços públicos da cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/scpro1316.nsf/b63581b044c6fb760325775900523a41/0e072de5d95ec73b03257b8e004dac2a?OpenDocument&ExpandSection=-3. Acesso em 20 mar 2017.

Rio de Janeiro. Lei nº 5.731, de 10 de abril de 2014. Dispõe sobre o cultivo de plantas tóxicas ou potencialmente alergênicas nos espaços públicos da cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/contlei.nsf/7cb7d306c2b748cb0325796000610ad8/b35fc7d8704f22bf03257cb60060ff69?OpenDocument. Acesso em: 21 mar 2017.

Downloads

Publicado

13/03/2017

Como Citar

Bochner, R., & Sampaio de Lemos, E. R. (2017). Plantas tóxicas em espaços escolares infantis: do risco à informação / Toxic plants in children’s school spaces: from risk to information / Las plantas venenosas en espacios de la escuela infantil: el riesgo a la información. JOURNAL HEALTH NPEPS, 2(1), 102–112. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/1814

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale