Exposição ao monóxido de carbono: carboxihemoglobina e sintomas relatados por trabalhadores mototaxistas / Exposure to carbon monoxide: carboxyhaemoglobin and symptoms reported by motorcycle taxis workers / La exposición a monóxido de carbono...

Autores

  • Luiz Almeida Silva Universidade Federal de Goiás (UFG), Regional Jataí
  • Ludmila Grego Maia Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí
  • Lenira Maria Wanderley Santos Almeida Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Brasil
  • Rita Cássia Marchi Barcellos Dalri Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
  • Susana Segura-Muñoz Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
  • Fernanda Ludmila Rossi Rocha Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
  • Aida Maria de Oliveira Cruz Mendes Escola Superior de Enfermagem da Universidade de Coimbra, Portugal.
  • Maria Lúcia Carmo Cruz Robazzi Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Enfermagem do Trabalho, Poluição do ar, Saúde ambiental, Monóxido de Carbono

Resumo

Objetivo: identificar os sintomas característicos da exposição ao monóxido de carbono ambiental informado por trabalhadores mototaxistas. Método: estudo correlacional e quantitativo realizado com 152 mototaxistas da cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Foi realizada coleta sanguínea e o mesmo analisado por espectrofotometria de absorção visível, co-oximetria, Roche®Cobasb221. Resultados: houve predominância de trabalhadores do sexo masculino, idade média de 36 anos, casados, renda familiar de três salários mínimos (R$ 1.886,00±825,812), que equivale a USD $ 777,206 vigentes na época da coleta de dados; 25,7% de tabagistas com consumo de 21 a 40 cigarros/dia, média de trabalho de até cinco anos ± 4,62 anos e carga horária média de 12 horas/dia. Os sintomas mais frequentemente relatados foram: irritabilidade, diminuição da percepção visual e fadiga, com maior significância entre os tabagistas (p <0,05). Conclusão: motociclistas são trabalhadores expostos à poluição ambiental e aos riscos para a saúde decorrentes dessa exposição. Os trabalhadores de enfermagem em saúde ocupacional, em conjunto com a equipe de saúde ocupacional, podem ajudar as autoridades de saúde pública a implementar estratégias para proteger a saúde desses trabalhadores.

Biografia do Autor

Luiz Almeida Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG), Regional Jataí

Pós Doutorado em Ciências da Saúde. Professor Adjunto III da Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí, Goiás.

Ludmila Grego Maia, Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí

Doutoranda em Ciências da Saúde. Professora Assistente da Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí. Brasil.

Lenira Maria Wanderley Santos Almeida, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Brasil

Professora Assistente, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Brasil

Rita Cássia Marchi Barcellos Dalri, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Pós-Doutoranda Universidade de São Paulo, Brasil.

Susana Segura-Muñoz, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Professora Associada Universidade de São Paulo, Brasil.

Fernanda Ludmila Rossi Rocha, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Professora Doutora Universidade de São Paulo, Brasil.

Aida Maria de Oliveira Cruz Mendes, Escola Superior de Enfermagem da Universidade de Coimbra, Portugal.

Professora, Escola Superior de Enfermagem da Universidade de Coimbra, Portugal

Maria Lúcia Carmo Cruz Robazzi, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Professora Titular da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil. 

Referências

MMA. 1ro Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por veículos automotores rodoviários. Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental. Brasília: MMA; 2011.

Mendes PC, Ferreira DA, Roldão AF, Silva NR. Poluição atmosférica e saúde humana na cidade de Uberlândia-MG. In: 1º Simpósio Internacional Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Sustentáveis, 2010, Uberlândia-MG. Anais, 2010; 1:639-48.

Peres FF. Meio Ambiente e Saúde: os efeitos fisiológicos da poluição do ar no desempenho físico - o caso do monóxido de carbono (CO). Arquivos em Movimento. 2005; 1(1):55-63.

Cançado JED, Braga A, Pereira LAA, Saldiva PHN, Santos UP. Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. J braspneumol. 2006; 32(suppl.2):5-11.

Téllez J, Rodríguez A, Fajardo A. Contaminación por monóxido de carbono: un problema de salud ambiental. Rev salud pública. 2006; 8(1):108-17.

Matielo-Junior E, Gonçalves A. A corrida para a saúde: poluição ambiental no coração do problema. Rev bras ciênc esporte. 1997; 18(2):111-8.

Siqueira MEPB, Martins I, Costa AC, Andrade EL, Esteves MTC, Lima SA. Valores de referência para carboxiemoglobina. Rev Saúde Pública. 1997; 31(6):618-23.

Paes-Machado E, Riccio-Oliveira MA. O jogo de esconde-esconde: trabalho perigoso e ação social defensiva entre motoboys de Salvador. Rev Bras Ci Soc. 2009; 24(70):91-106.

World Health Organization. Environmental healt criteria 213. Carbon Monoxide. 2. ed. Environmental Protection Agency. Research triangule park, North Carolina, USA; 1999.

Saldiva PH, Lichtenfels AJ, Paiva PS, Barone IA, Martins MA, Massad E. et al. Association between air pollution and mortality due to respiratory diseases in children in São Paulo, Brazil: a preliminary report. Environ Res. 1994; 65(2):218-25.

Saldiva PH, Pope CA 3rd, Schwartz J, Dockery DW, Lichtenfels AJ, Salge JM, et al. Air pollution and mortality in elderly people: a time-series study in Sao Paulo, Brazil. Arch Environ Health. 1995; 50(2):159-63.

Cançado JED, Braga A, Pereira LAA, Arbex MA, Saldiva PHN; Santos UP. Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. J braspneumol. 2006; 32(Supl.2):S5-S11.

Mohammad JG, Hossein K, Seyed JS, Kamal A, Davood P. Occupational Exposure to Carbon Monoxide of Taxi Drivers in Tehran, Iran. IJOH. 2011; 3(2):56-62.

Sichletidis L, Chloros D, Konstantinidis T, Tsiotsios A, Melas D, Petrakakis M, et al. Smoking and pollution cause an increase in expired carbon monoxide in kiosk workers. MedLav. 2007; 98(4):296-301.

Rojas M, Dueñas A, Sidorovas L. Evaluación de laexposición al monóxido de carbono en vendedores de quioscos. Valencia, Venezuela. Rev Panam Salud Publica. 2001; 9(4):240-5.

Avila IYC, Herrera BG, Gómez HP. Condiciones de trabajo y salud de mototaxistas Cartagena-Columbia. Salud, Barranquilla. 2013; 29(3):514-24.

Silva MB, Oliveira MB, Fontana RT. Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos. Rev bras enferm. 2011; 64(6):1048-55.

Amorim CR, Araújo EM, Araújo TM, Oliveira NF. Acidentes de trabalho com mototaxistas. Rev bras epidemiol. 2012; 15(1):25-37.

Luna JP, Oliveira RV. A nova reprodução do trabalho precário e os mototaxistas de Campina Grande. Rev latinoam estud trab. 2011; 16(25):91-119.

Ramirez HB, Alvarez RF, Cuadrado GR, Gonzalez CM, Jerez FR, Clara PC. Elevated carboxyhemoglobin: sources of carbon monoxide exposure. Arch Bronconeumol. 2014; 50(11):465-8.

Saenghirunvattana S, Wananukul W, Mokkhavesa C, Opasi N.Increasing carbonmonoxide blood levels in Bangkok bus drivers. Environ int. 1995; 21(1):81-4.

Downloads

Publicado

2017-06-01

Como Citar

Silva, L. A., Grego Maia, L., Almeida, L. M. W. S., Dalri, R. C. M. B., Segura-Muñoz, S., Rocha, F. L. R., Mendes, A. M. de O. C., & Robazzi, M. L. C. C. (2017). Exposição ao monóxido de carbono: carboxihemoglobina e sintomas relatados por trabalhadores mototaxistas / Exposure to carbon monoxide: carboxyhaemoglobin and symptoms reported by motorcycle taxis workers / La exposición a monóxido de carbono. Journal Health NPEPS, 2(1), 218–229. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/1845

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)