Exposição ao monóxido de carbono: carboxihemoglobina e sintomas relatados por trabalhadores mototaxistas / Exposure to carbon monoxide: carboxyhaemoglobin and symptoms reported by motorcycle taxis workers / La exposición a monóxido de carbono...

Luiz Almeida Silva, Ludmila Grego Maia, Lenira Maria Wanderley Santos Almeida, Rita Cássia Marchi Barcellos Dalri, Susana Segura-Muñoz, Fernanda Ludmila Rossi Rocha, Aida Maria de Oliveira Cruz Mendes, Maria Lúcia Carmo Cruz Robazzi

Resumo


Objetivo: identificar os sintomas característicos da exposição ao monóxido de carbono ambiental informado por trabalhadores mototaxistas. Método: estudo correlacional e quantitativo realizado com 152 mototaxistas da cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Foi realizada coleta sanguínea e o mesmo analisado por espectrofotometria de absorção visível, co-oximetria, Roche®Cobasb221. Resultados: houve predominância de trabalhadores do sexo masculino, idade média de 36 anos, casados, renda familiar de três salários mínimos (R$ 1.886,00±825,812), que equivale a USD $ 777,206 vigentes na época da coleta de dados; 25,7% de tabagistas com consumo de 21 a 40 cigarros/dia, média de trabalho de até cinco anos ± 4,62 anos e carga horária média de 12 horas/dia. Os sintomas mais frequentemente relatados foram: irritabilidade, diminuição da percepção visual e fadiga, com maior significância entre os tabagistas (p <0,05). Conclusão: motociclistas são trabalhadores expostos à poluição ambiental e aos riscos para a saúde decorrentes dessa exposição. Os trabalhadores de enfermagem em saúde ocupacional, em conjunto com a equipe de saúde ocupacional, podem ajudar as autoridades de saúde pública a implementar estratégias para proteger a saúde desses trabalhadores.


Palavras-chave


Enfermagem do Trabalho, Poluição do ar, Saúde ambiental, Monóxido de Carbono

Texto completo:

PDF

Referências


MMA. 1ro Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por veículos automotores rodoviários. Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental. Brasília: MMA; 2011.

Mendes PC, Ferreira DA, Roldão AF, Silva NR. Poluição atmosférica e saúde humana na cidade de Uberlândia-MG. In: 1º Simpósio Internacional Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Sustentáveis, 2010, Uberlândia-MG. Anais, 2010; 1:639-48.

Peres FF. Meio Ambiente e Saúde: os efeitos fisiológicos da poluição do ar no desempenho físico - o caso do monóxido de carbono (CO). Arquivos em Movimento. 2005; 1(1):55-63.

Cançado JED, Braga A, Pereira LAA, Saldiva PHN, Santos UP. Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. J braspneumol. 2006; 32(suppl.2):5-11.

Téllez J, Rodríguez A, Fajardo A. Contaminación por monóxido de carbono: un problema de salud ambiental. Rev salud pública. 2006; 8(1):108-17.

Matielo-Junior E, Gonçalves A. A corrida para a saúde: poluição ambiental no coração do problema. Rev bras ciênc esporte. 1997; 18(2):111-8.

Siqueira MEPB, Martins I, Costa AC, Andrade EL, Esteves MTC, Lima SA. Valores de referência para carboxiemoglobina. Rev Saúde Pública. 1997; 31(6):618-23.

Paes-Machado E, Riccio-Oliveira MA. O jogo de esconde-esconde: trabalho perigoso e ação social defensiva entre motoboys de Salvador. Rev Bras Ci Soc. 2009; 24(70):91-106.

World Health Organization. Environmental healt criteria 213. Carbon Monoxide. 2. ed. Environmental Protection Agency. Research triangule park, North Carolina, USA; 1999.

Saldiva PH, Lichtenfels AJ, Paiva PS, Barone IA, Martins MA, Massad E. et al. Association between air pollution and mortality due to respiratory diseases in children in São Paulo, Brazil: a preliminary report. Environ Res. 1994; 65(2):218-25.

Saldiva PH, Pope CA 3rd, Schwartz J, Dockery DW, Lichtenfels AJ, Salge JM, et al. Air pollution and mortality in elderly people: a time-series study in Sao Paulo, Brazil. Arch Environ Health. 1995; 50(2):159-63.

Cançado JED, Braga A, Pereira LAA, Arbex MA, Saldiva PHN; Santos UP. Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. J braspneumol. 2006; 32(Supl.2):S5-S11.

Mohammad JG, Hossein K, Seyed JS, Kamal A, Davood P. Occupational Exposure to Carbon Monoxide of Taxi Drivers in Tehran, Iran. IJOH. 2011; 3(2):56-62.

Sichletidis L, Chloros D, Konstantinidis T, Tsiotsios A, Melas D, Petrakakis M, et al. Smoking and pollution cause an increase in expired carbon monoxide in kiosk workers. MedLav. 2007; 98(4):296-301.

Rojas M, Dueñas A, Sidorovas L. Evaluación de laexposición al monóxido de carbono en vendedores de quioscos. Valencia, Venezuela. Rev Panam Salud Publica. 2001; 9(4):240-5.

Avila IYC, Herrera BG, Gómez HP. Condiciones de trabajo y salud de mototaxistas Cartagena-Columbia. Salud, Barranquilla. 2013; 29(3):514-24.

Silva MB, Oliveira MB, Fontana RT. Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos. Rev bras enferm. 2011; 64(6):1048-55.

Amorim CR, Araújo EM, Araújo TM, Oliveira NF. Acidentes de trabalho com mototaxistas. Rev bras epidemiol. 2012; 15(1):25-37.

Luna JP, Oliveira RV. A nova reprodução do trabalho precário e os mototaxistas de Campina Grande. Rev latinoam estud trab. 2011; 16(25):91-119.

Ramirez HB, Alvarez RF, Cuadrado GR, Gonzalez CM, Jerez FR, Clara PC. Elevated carboxyhemoglobin: sources of carbon monoxide exposure. Arch Bronconeumol. 2014; 50(11):465-8.

Saenghirunvattana S, Wananukul W, Mokkhavesa C, Opasi N.Increasing carbonmonoxide blood levels in Bangkok bus drivers. Environ int. 1995; 21(1):81-4.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010